Uma base comum na escola: análise do projeto educativo da Base Nacional Comum Curricular

Fabiana Alvarenga Filipe, Dayane dos Santos Silva, Áurea de Carvalho Costa

Resumo


O objetivo deste artigo foi analisar o projeto educativo proposto como fundamento da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Realizamos uma pesquisa qualitativa e documental da versão final da BNCC, de abril de 2017, homologada em 20 de dezembro de 2017 pelo Conselho Nacional de Educação. Identificamos que a BNCC se fundamenta num projeto educativo de formação para a empregabilidade, com a centralidade das competências, a partir de um modelo de Ensino direcionado, prescritivo e vinculado a um modelo de avaliação eficientista, inspirado nas teorias comportamentais, e concluímos que as proposições da BNCC se distanciam de um projeto educativo que vise a uma formação crítica e emancipatória, ao formar para o trabalho segundo as demandas neoliberais.


Palavras-chave


Base Nacional Comum Curricular; Concepções de Currículo; Projeto Educativo Neoliberal

Referências


BLOOM, B. S. et al. Taxonomia de objetivos educacionais. Porto Alegre: Globo, 1973.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 6 out. 1988.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC): educação é a base. Brasília, DF: MEC/CONSED/UNDIME, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf . Acesso em: 23 mar. 2018.

BULHÕES, L. F. S. S. Crítica ao conceito de Necessidades Básicas de Aprendizagem (NEBA) a partir da categoria marxiana de necessidades humanas. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2016.

CARVALHO, F. A.; POLIZEL, A. L.; MAIO, R. Uma escola sem partido: dicursividade, currículos e movimentos sociais. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 37, n. 2, p. 193-210, jul./dez. 2016. https://doi.org/10.5433/1679-0383.2016v37n2p193

CUNHA, L. A. O desenvolvimento meandroso da educação brasileira entre o estado e o mercado. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 809-829, out. 2007. https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000300009

DUARTE, N. O debate contemporâneo das teorias pedagógicas. In: MARTINS, L. M.; DUARTE, N. (orgs.). Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias. São Paulo: Editora UNESP: Cultura Acadêmica, 2010.

FERRRAZ, A. P. C. M.; BELHOT, R. V. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão & Produção, São Carlos, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010. https://doi.org/10.1590/S0104-530X2010000200015

FRANGELLA, R. C. P; MENDES, J. C. B. “O que é o bom resultado?” Indagando o sentido da avaliação e suas articulações curriculares. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 26, n. 99, p. 296-315, abr./jun., 2018. https://doi.org/10.1590/s0104-40362018002600982

FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educação & Sociedade, Campinas, v. 35, nº. 129, p. 1085-1114, out./dez. 2014. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302014143817

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MACEDO, E. Currículo e conhecimento: aproximações entre educação e ensino. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.42, n. 147, p.716-757, dez. 2012. https://doi.org/10.1590/S0100-15742012000300004

MACEDO, E. As demandas conservadoras do movimento escola sem partido e a Base Nacional Curricular Comum. Educação & Sociedade, Campinas, v.38, n.139, p. 507-524, abr./jun, 2017. https://doi.org/10.1590/es0101-73302017177445

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998. Livro I, v. I.

ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA – UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação Para Todos (Conferência de Jomtien). Tailândia: Unesco, 1990. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-mundial-sobre-educacao-para-todos-conferencia-de-jomtien-1990 . Acesso em: 27 jul. 2018.

SANTOS, L. L. Administrando o currículo ou os efeitos da gestão no desenvolvimento curricular. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 33, e166063, 2017. https://doi.org/10.1590/0102-4698166

SANTOS, L. L. C. P.; DINIZ-PEREIRA, J. E. E. Tentativas de padronização do currículo e da formação de professores no Brasil. Cadernos Cedes, Campinas, v. 36, n. 100, p. 281-300, set./dez, 2016. https://doi.org/10.1590/cc0101-32622016171703

SAVIANI, D. Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. Movimento- Revista de Educação, Rio de Janeiro, v. 3, n. 4, p. 54-84, jan./ago, 2016. https://doi.org/10.22409/mov.v0i4

SILVA, M. R. Currículo e competências: a formação administrada. São Paulo: Cortez, 2008

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362021002902296

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank