Formação do empreendedor social e a educação formal e nao formal: um estudo a partir de narrativas de historia de vida

Lucimar da Silva Itelvino, Priscila Rezende da Costa, Maria da Gloria Marcondes Gohn, Claudio Ramacciotti

Resumo


Os empreendedores sociais convertem assuntos sociais em oportunidades, criam negocios e transformam a experiencia empreendedora em conhecimento empreendedor. Sendo assim, e relevante entender o processo de formação desse individuo como gerador de mudanca da sociedade. Esse e, portanto, o objetivo geral desta pesquisa, que e qualitativa, e cujo metodo envolveu a analise de tres narrativas da historia de vida de empreendedores, considerados referencias no desenvolvimento de projetos sociais de impacto no Brasil, segundo o Premio Empreendedor Social, realizado pelo jornal Folha de Sao Paulo e pela Fundação Schwab. Para a organização das analises, utilizou-se o software ATLAS. Os resultados demonstraram que a formação do empreendedor social esta vinculada aos espacos e contextos de aprendizagem, à trajetoria de lideranca e à motivação para o empreendedorismo social, sendo essas categorias permeadas pela educação formal e nao formal.


Palavras-chave


Empreendedor social; Educação formal e nao formal; Historia de vida

Referências


ADAM, J.-M. A linguistica textual: introducao à analise textual dos discursos. Sao Paulo: Cortez, 2008.

ALBERTI, V. Ouvir contar: textos em historia oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ALVORD, S. H.; BROWN, L. D.; LETTS, C. W. Social entrepreneurship and societal transformation: an exploratory study. The Journal of Applied Behavioral Science, v. 40, n. 3, p. 260–282, 2004. doi: https://doi.org/10.1177/0021886304266847

APPLE, M. W.; BEANE, J. A. (Comp.). Escuelas democraticas. Madrid: Morata, 1999.

AZEVEDO, A. J. S. Do processo de despolitizacao das experiencias formativas no campo da educacao nao formal às formas de resistencia dos educadores sociais. In: REUNIAO NACIONAL DA ANPED, 36., 2013, Goiânia. Anais... Goiânia: ANPED, 2013. p. 121.

BITTENCOURT, I. M. et al. Empreendedorismo Social, seus pressupostos e sua aplicacao no desenvolvimento de competencias. Atas: Investigacao Qualitativa nas Ciencias Sociais, v. 3, 2015.

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educacao nacional. Diario Oficial da Uniao da República Federativa do Brasil, Brasilia, DF, 23 dez. 1996. Disponivel em: . Acesso em: 23 jul. 2017.

CENTRO POPULAR DE CULTURA E DESENVOLVIMENTO (CPCD). E possivel fazer educacao de qualidade sem escolas. 2015. Disponivel em: . Acesso em: 23 jul. 2017.

DEES, J. G. The meaning of social entrepreneurship: original draft: October 31, 1998. Duke [internet]. Disponivel em:

DEES, J. G.; EMERSON, J.; ECONOMY, P. Social entrepreneurship. Enterprising nonprofits: A toolkit for social entrepreneurs. New York: John Wiley & Sons, 2002.

DIAS SOBRINHO, J. Democratizacao, qualidade e crise da educacao superior: faces da exclusao e limites da inclusao. Educacao & Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1223–1245, 2010. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302010000400010

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo na pratica: mitos e verdades do empreendedor de sucesso. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

DRUCKER, P. F. Inovacao e espirito empreendedor (intrepreneurship): pratica e principios. Traducao de Carlos J. Malferrari. 7. reimpr. Sao Paulo: Pioneira Thomson, 2003.

FONTES, B. M. Dentista recupera sorrisos perdidos: como num passe de magica, criancas resgatam a auto-estima; projeto tem 1.050 voluntarios. Empreendedor Social (Fabio Bibancos de Rosa). Folha de Sao Paulo, 2006. Disponivel em: . Acesso em: 23 jul. 2017.

FONTES, B. M. Moderador de conflitos: advogado cria metodologia para resolver conflitos de posse da terra, com melhoria da qualidade de vida nas periferias. Empreendedor Social (Andre Albuquerque). Folha de Sao Paulo, 2008. Disponivel em: . Acesso em: 23 jul. 2017.

FREITAS, H.; JANISSEK, R. Analise lexica e analise de conteúdo: tecnicas complementares, seqüenciais e recorrentes para exploracao de dados qualitativos. Porto Alegre: Sphinx, 2000.

FREIRE, P. A educacao na cidade. 5. ed. Sao Paulo: Cortez, 2001.

GALVAO, C. Narrativas em Educacao. Ciencia e Educacao. Bauru, v. 11, n. 2, p. 327–345, 2005. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132005000200013

GATTI JUNIOR, D.; INACIO FILHO, G. (Org.). Historia da educacao em perspectiva: ensino, pesquisa, producao e novas investigacoes. Campinas, SP: Autores Associados; Uberlândia, MG: EDUFU, 2005. (Colecao memoria da Educacao).

GOHN, M. G. Educacao nao formal, participacao da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. ENSAIO: Avaliacao e Politicas Públicas em Educacao, v. 14, n. 50, p. 27–38, jan./mar. 2006. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362006000100003

HAYEK, M. et al. Effective succession of social entrepreneurs: A stewardship-based model. Journal of Applied Management and Entrepreneurship, v. 20, n. 2, p. 93, 2015.

ITURRIOZ, C.; ARAGON, C.; NARVAIZA, L. How to foster shared innovation within SMEs’ networks: Social capital and the role of intermediaries. European Management Journal, v. 33, n. 2, p. 104–115, 2015. doi: https://doi.org/10.1016/j.emj.2014.09.003

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuicoes dos espacos nao formais de educacao para a formacao da cultura cientifica. Em Extensao, v. 7, n. 1, p. 55–66, 2008.

LEE, R. M.; ESTERHUIZEN, L. Computer software and qualitative analysis: Trends, issues, and responses. International Journal of Social Research Methodology, v. 3, p. 231–243, 2000. doi: https://doi.org/10.1080/13645570050083715

MACHADO, M. A educacao de jovens e adultos no Brasil pos-Lei nº 9.394/96: a possibilidade de constituir-se como politica pública. Em Aberto, v. 22, n. 82, pp. 17–39, 2009. doi: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.22i82

MASKELL, P. Social capital, innovation and competitiveness. In: Baron, S.; Field, J.; Schuller, T. (Ed.). Social capital: critical perspectives. New York: Oxford University Press, 2000.

MASSETO, M. T. Competencia pedagogica do professor universitario. Sao Paulo: Summus, 2003.

MELO NETO, F. P.; FROES, C. Empreendedorismo social: a transicao para a sociedade sustentavel. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002.

MOLDOVAN, O.; BOCOS-BINTINTAN, V. The Necessity of Reconsidering the Concept of Non-formal Education. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 209, p. 337343, 2015. doi: https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2015.11.245

MOUFFE, C. El retorno de lo politico: comunidade, ciudadania, pluralismo, democracia radical. Barcelona: Paidos, 1999.

MUOZ, P.; KIBLER, E. Institutional complexity and social entrepreneurship: A fuzzy-set approach. Journal of Business Research, v. 69, n. 4, p. 13141318, 2016. doi: https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2015.10.098

NOSELLA, P.; AZEVEDO, M. L. N. A educacao em Gramsci. Rev. Teoria e Pratica da Educacao, v.15, n.2, pp. 2533, maio/ago. 2012.

OLIVEIRA, I. B. Boaventura & a Educacao. 2. ed., Belo Horizonte: Autentica, 2008.

PEREIRA, G. M. C. et al. Panorama de oportunidades para os egressos do ensino superior no Brasil: o papel da inovacao na criacao de novos mercados de trabalho. Ensaio: Avaliacao e Politicas Pblicas em Educacao, v. 24, n. 90, p. 179198, 2016. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362016000100008

PHILLIPS, W. et al. Social innovation and social entrepreneurship: A systematic review. Group & Organization Management, v. 40, n. 3, p. 428461, 2015.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: metodos e tecnicas. 3. ed. rev. e ampl. Atlas: Sao Paulo, 1999.

ROMANELLI, G. O Significado da Educacao Superior para duas geracoes de familias de camadas medias. Revista Brasileira de Estudos Pedagogicos, v. 6, n. 184, p .445476, set./dez. 1995. doi: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.76i184.1100

ROMEU, G. Educador cria pedagogia do saber popular: cansado da ensinagem, Empreendedor Social 2007 extrapola a sala de aula e cria escola sob pe de manga. Empreendedor social (Tiao Rocha). Folha de Sao Paulo, 2007. Disponivel em: . Acesso em: 23 jul. 2017.

RUIZ OLABUENAGA, J. I.; ISPIZUA URIBARRI, M. A. La descodificacion de la vida cotidiana: metodos de investigacion cualitativa. Bilbao: Universidad de Deusto, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362018002600960

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank