Politicas públicas para a educação superior: a avaliação, a regulação e a supervisao de IES privadas em debate

Annor da Silva Junior, Caio Eduardo de Guido Polizel, Simone de Souza, Alfredo Rodrigues Leite da Silva, Priscilla de Oliveira Martins da Silva, Susane Petinelli Souza

Resumo


Objetivou-se evidenciar e discutir as articulacoes das Instituicoes de Educação Superior (IES) privadas em torno de tres aspectos relacionados às politicas públicas para a educação superior: avaliação, regulação e supervisao. A discussao fundamenta-se em dados coletados e analisados por meio de cinco estudos de casos. Os resultados indicam a necessidade de se repensar as politicas públicas, sobretudo em termos dos efeitos praticos da regulamentação governamental nas IES e das definicoes dos papeis e funcoes desses tres aspectos. Essas politicas públicas interferem na gestao universitaria, sem, contudo, avaliar a sua efetividade pratica, fazendo com que a dinâmica entre as IES e as politicas públicas assuma uma logica formalistica que acarreta prejuizos para a educação superior e para a sociedade.

Palavras-chave


Gestao Universitaria; Politicas Públicas; Educação Superior

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

BRASIL. Decreto nº 6.317, de 20 de dezembro de 2007. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, e dá outras providAancias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, p. 9, 21 dez. 2007a.

______. Decreto n.º 6.320, de 20 de dezembro de 2007. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do Ministério da Educação, e dá outras providAancias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, p. 16, 21 dez. 2007b.

COLOSSI, N. A dicotomia crise mudança no comportamento de instituições de ensino superior. In: COLOSSI, N.; SOUZA PINTO, M. D. (Org.). Estudos e perspectivas em gestão universitária. Blumenau: Nova Letra, 2004. p. 21-34.

CUNHA, L. A. O público e o privado na educação superior brasileira: fronteira em desenvolvimento? In: TRINDADE, H. (Org.). Universidade em ruínas: na república dos professores. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. p. 39-56.

______. Desenvolvimento desigual e combinado no ensino superior: Estado e mercado. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 88, p. 795-817, Especial - Out. 2004.

DIMAGGIO, P.; POWELL, W. The iron cage revised: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, [S.l.], v. 48, p. 147-160, 1983.

DOMINGUES, I. Paradigmas e modelos das ciAancias humanas no século XX: as vias de AÉmile Durkhein e Max Weber. 2002. Tese (Professor Titular) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Educacionais Anísio Teixeira. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: da concepção A regulamentação. 5. ed. revisada e ampliada. Brasília: INEP, 2009.

______. Censo da Educação Superior 2000. Disponível em . Acesso em: 4 mar. 2011a.

______. Censo da Educação Superior 2009. Disponível em . Acesso em: 4 mar. 2011b.

JICK, T. D. Mixing quantitative and qualitative methods: triangulation and action. Administrative Science Quarterly, [S.l.], n. 24, p. 602-611, 1979.

LAMARRA, N. F.; BRA, M. A. La gestión universitaria en la Argentina: una aproximación a partir de la evaluación institucional externa. In: COLOSSI, N.; SOUZA PINTO, M. D. (Org.). Estudos e perspectivas em gestão universitária. Blumenau: Nova Letra, 2004. p. 21-34.

LAMBERT, J. Os dois Brasis. 2. ed. São Paulo: Nacional, 1967.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 1994.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

NUNES, E. Desafio estratégico da política pública: o ensino superior brasileiro. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, Edição comemorativa, p. 103-147, 2007.

POLIDORI, M. M.; MARINHO-ARAUJO, C. M.; BARREYRO, G. B. SINAES: Perspectivas e desafios na avaliação da educação superior brasileira. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 53, p. 425-436, out./dez. 2006.

RIGGS, F. W. A ecologia da administração pública. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1964.

______. Administração nos países em desenvolvimento: a teoria das sociedades prismáticas. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1968.

SGUISSARDI, W. Reforma universitária no Brasil -1995-2006: precária trajetória e incerto futuro. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 96, p. 1021-1056. Especial, out. 2006.

SILVA JUNIOR, A. da; MUNIZ, R. M. A Regulamentação do ensino superior e os impactos na gestão universitária. In: COLA“QUIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO UNIVERSITARIA DA AMAÉRICA LATINA, 4., 2004, Florianópolis. Anais... Florianópolis: 2004.

SILVA JUNIOR, A da. Trajetória de crescimento, governança corporativa e gestão universitária: estudo de caso em trAas instituições de educação superior do tipo familiar. Tese (Doutorado)–Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG, 2006, 384p.

TRIVIA‘OS, A. N. S. Introdução A pesquisa em ciAancias sociais: a pesquisa qualitativa em educação. 16. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank