As acoes afirmativas na Universidade Federal de Sergipe e o reconhecimento social: a face oculta das avaliações

Paulo Sergio da Costa Neves, Andre Faro, Heike Schmitz

Resumo


Neste texto, argumentamos que as avaliações das cotas universitarias precisam incorporar o conceito de reconhecimento social. Se as acoes afirmativas que beneficiam alunos de escolas públicas e nao brancos nas universidades públicas se tornaram um fenômeno de grande visibilidade, ainda ha muito o que se avancar na interpretação dos seus reais efeitos. Desse modo, propomos discutir as mudancas introduzidas por essas politicas no quotidiano da Universidade Federal de Sergipe, dando prioridade à autopercepcao dos alunos cotistas e às interacoes por eles estabelecidas com outros alunos e com os professores. Para isso, utilizou-se uma metodologia que alia metodos qualitativos (grupos focais) com metodos quantitativos (survey). Os principais resultados da pesquisa apontam para o aumento da autoestima dos cotistas e, ao mesmo tempo, para a existencia, por razoes econômicas e de classe, de tensoes entre eles e os alunos nao cotistas e, principalmente, entre os professores dos cursos mais prestigiosos.


Palavras-chave


Acao afirmativa; Cotas universitarias; Avaliação; Reconhecimento

Referências


BRANDAO , A. A. (Org.). Cotas raciais no Brasil: a primeira avaliacao. Rio

de Janeiro: DP&A Editora, 2007.

CARVALHO, M. C. B. Avaliacao participativa: uma escolha metodologica. In: RICO, E. M. (Org.). Avaliacao de politicas sociais: uma questao em debate. 6. ed. Sao Paulo: Cortez, 2009. p. 87-94.

COULON, A. A condicao do estudante: a entrada na vida universitaria. Salvador: EDUFBA, 2008.

DAMATTA, R. Relativizando: uma introducao à antropologia social. Petropolis: Vozes, 1981.

D’AVILA , R. L. A codificacao moral da medicina: avancos e desafios na formacao dos medicos. Revista Brasileira Saúde Materna Infantil, Recife, v. 10, suppl 2, p. S399-499, 2014. doi: 10.1590/S1519-38292010000600019

FARIA , C. A. P. A politica da avaliacao de politicas públicas. Revista Brasileira de Ciencias Sociais, Sao Paulo, v. 20, n. 59, p. 97-109, out. 2005.

FRASER, N. Justice interruptus: critical reflections on the post-socialist condition. New York: Routledge, 1997.

________. Rethinking recognition. New Left Review, n. 3, p. 107-20, maio-jun. 2000.

________. Social justice in the knowledge society: redistribution, recognition and participation. In: KONGRESS “Gut Zu Wissen” Heinrich-Böll Stiftung, 5., 2001. Heinrich-Böll Stiftung. Disponivel em: . Acesso em: 10 maio 2014.

FREITAS , M. B. M. Uma decada de acoes afirmativas: os argumentos que norteiam o debate na midia entre 2000 e 2010. 2012. 140 p. (Monografia em Ciencias Sociais) – Universidade Federal de Sergipe, Sao Cristovao, 2012.

GOHN, M. G. Teoria dos movimentos sociais. Sao Paulo: Loyola, 1997.

GONDIM, S. M. G. Grupos focais como tecnica de investigacao qualitativa: desafios metodologicos. Revista Paideia, Riberao Preto, v. 12, n. 24, p. 149-61, 2002. doi: 10.1590/S0103-863X2002000300004

GREENE, J. Dialogue in evaluation: a relational perspective. California: Sage, 2001.

GUIMARAES, A. S. A. The brazilian system of racial classification. Ethnic Racial Studies, v. 35, n. 7, p. 1157-62, 2012. doi: 10.1080/01419870.2011.632022

HONNETH, A. A luta por reconhecimento. Sao Paulo: Editora 34, 2003.

LEJANO, R. P. Frameworks for policy analisis: margin text and context. New York: Routledge, 2006.

LIMA, M. E. O.; NEVES, P. S. C.; BACELLAR, P. A implantacao das cotas na universidade: paternalismo e ameaca à posicao dos grupos dominantes. Revista Brasileira de Educacao, Rio de Janeiro, v. 19, n. 56, p. 141-63, jan.-mar. 2014. doi: 10.1590/S1413-24782014000100008

MAGGIE, Y. A Ilusao do concreto: analise do sistema de classificacao racial no Brasil. 1991. 253 p. Tese (Concurso de Professor-titular) - Curso de Antropologia, Instituto de Filosofia e Ciencias Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1991.

MAUSS, M. Sociologia e antropologia. Sao Paulo: Cosac & Naify, 2003.

MOUTINHO, L. Razao, cor e desejo: uma analise comparativa sobre relacionamentos afetivo-sexuais inter-raciais no Brasil e na Africa do Sul. Sao Paulo: EDUNESP, 2004.

NEVES, P. S. C.; LIMA, M.E. O. Percepcoes de justica social e atitudes de pre-vestibulandos e universitarios sobre as cotas para negros e pardos nas universidades públicas. Revista Brasileira de Educacao, Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 17-38, jan.-abr. 2007. doi: 10.1590/S1413-24782007000100003

NOGUEIRA, O. Preconceito de marca: as relacoes raciais em Itapetininga, Sao Paulo: EDUSP, 1998.

OLIVEIRA, A. H. A. O debate sobre cotas universitarias: itinerarios da pratica pedagogica na Universidade Federal de Sergipe. 2013, 219 p. Tese (Doutorado em Educacao) – Programa da Pos-graduacao em Educacao, Universidade Federal de Sergipe, 2013.

RODRIGUES , L. C. Propostas para uma avaliacao em profundidade de politicas públicas sociais. Revista Avaliacao de Politicas Públicas, Fortaleza, v. 7, p. 7-15, jan./jun. 2008. Disponivel em: . Acesso em: 14 maio 2013.

SANTOS, J. T. (Org.). O Impacto das cotas nas universidades brasileiras (2004-2012). Salvador: CEAO, 2013.

SANTOS, J. T.; QUEIROZ, D. M. Sistema de cotas e desempenho de estudantes nos cursos da UFBA. In: BRANDAO, A. A. (Org.). Cotas raciais no Brasil: a primeira avaliacao. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2007. p. 115-35.

TAYLOR, C. Multiculturalism and the “politics of recognition”. Princeton:

Princeton University Press, 1992.

________. The sources of the self. Cambridge: Havard University Press, 1989.

TOURAINE, A. Le retour de l’acteur: essai de sociologie. Paris: Fayard, 1984.

VIEIRA, M. C.; TENORIO, R. M. Lacunas conceituais na doutrina das quatro geracoes: elementos para uma teoria da avaliacao. In: TENORIO, R. M.; LOPES, U. M. (Orgs.). Avaliacao e gestao: teorias e praticas. Salvador: EDUFBA, 2010. p. 53-74.

W. K. KELLOGG FOUNDATION. W. K. Kellogg Foundation: logic model development guide. Battle Creek, 2001. Disponivel em: . Acesso em: 20 fev. 2014.

________. Kellogg Foundation: evaluation handbook. Battle Creek, 1998. Disponivel em: . Acesso em: 20 fev. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362016000100006

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank