Politicas de avaliação e de educação em direitos humanos: as contradicoes entre regulação e emancipação na educação basica

Ana Maria Eyng, Thais Pacievtch, Maria de Lourdes do Prado K. D’Almeida, Maria de Lourdes Gisi

Resumo


A investigação tem por objetivo analisar as contradicoes entre aspectos antropologicos e teleologicos nas politicas de avaliação e de educação em direitos humanos para a educação basica. O estudo assume como categoria central a contradicao na analise de documentos legais relativos às tematicas em discussao. Os resultados da pesquisa apontam o quanto as contradicoes nas perspectivas antropologicas e teleologicas, dessas politicas incidem como obstaculos na efetivação da educação basica de qualidade social. As politicas de avaliação da educação basica tem como finalidade a regulação, com vistas à produção de indices que normatizam e hegemonizam os sujeitos, produzindo identidades legitimadoras. Por outro lado, as politicas de educação em direitos humanos tem por finalidade a emancipação dos sujeitos, considerados na diversidade que os caracteriza e configura, possibilitando a constituicao de identidades de resistencia e de projetos capazes de atuar numa perspectiva contra-hegemônica.

 

Palavras-chave


Public policies; Evaluation; Human rights

Referências


ADORNO, T. W. Educacao e emancipacao. Sao Paulo: Paz e Terra, 1995.

AFONSO, A. J. Estado, politicas educacionais e obsessao avaliativa. Contrapontos, Itajai, v. 7, n. 1, p. 11-22, jan./abr. 2007.

AFONSO, A. J. Avaliacao educacional: regulacao e emancipacao: para uma sociologia das politicas avaliativas contemporâneas. 4. ed. Sao Paulo: Cortez, 2009a.

AFONSO, A. J. Nem tudo o que conta em educacao e mensuravel ou comparavel: critica à accountability baseada em testes estandardizados e rankings escolares. Revista Lusofona de Educacao, Lisboa, v. 13, n. 13, p. 13-29, 2009b.

BALL, S. J. Diretrizes politicas globais e relacoes politicas locais em educacao. Curriculo sem Fronteiras, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001.

BALL, S. J. Educacao global S.A.: novas redes politicas e o imaginario neoliberal. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014.

BALL, S. J. Novos estados, nova governanca e nova politica educacional. In: APPLE, M. W.; BALL, S. J.; GANDIN, L. A. (Org.). Sociologia da educacao: analise internacional. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 177-89.

BALL, S. J. Performatividades e fabricacoes na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa.Educacao & Realidade, Porto Alegre, v. 2, n. 35, p. 37-55, maio/ago. 2010.

BARDIN, L. Analise de conteúdo. Lisboa: Edicoes 70, 1995.

BRASIL. Comite Nacional de Educacao em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educacao em Direitos Humanos – PNEDH. Brasilia, DF: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministerio da Educacao, 2007a.

BRASIL. Constituicao. Constituicao da Republica Federativa do Brasil. Brasilia, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Decreto nº 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispoe sobre a implementacao do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educacao, pela Uniao Federal, em regime de colaboracao com Municipios, Distrito Federal e Estados, e a participacao das familias e da comunidade, mediante programas e acoes de assistencia tecnica e financeira, visando a mobilizacao social pela melhoria da qualidade da educacao basica. Diario Oficial da Uniao, Brasilia, DF, 25 abr. 2007b.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educacao nacional. Diario Oficial da Uniao, Brasilia, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educacao - PNE e da outras providencias. Diario Oficial da Uniao, Brasilia, DF, 26 jun. 2014, Edicao Extra, p. 1-7.

BRASIL. Ministerio da Educacao. Conselho Nacional de Educacao. Resolucao CNE/CEB nº 04, de 13 de julho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educacao Basica. Diario Oficial da Uniao, Brasilia, DF, 14 jul. 2010, p. 824.

BRASIL. Ministerio da Educacao. Conselho Nacional de Educacao. Resolucao CNE/CP nº 1, de 30 de maio de 2012. Estabelece Diretrizes Nacionais para a Educacao em Direitos Humanos. Diario Oficial da Uniao, Brasilia, DF, 31 maio 2012, p. 48.

CARVALHO, A. M. P. D. Experiencias emancipatorias em tempos de crise e transicao: potencialidades da utopia democratica. In: CONGRESSO PORTUGUES DE SOCIOLOGIA MUNDOS SOCIAIS: SABERES E PRATICAS, 6., 2008, Lisboa. Anais... Lisboa, 2008. p. 1-13.

CASTELLS, M. O poder da Identidade. 6. ed. Sao Paulo: Paz e Terra; 2008.

CELLARD, A. A analise documental. In: POUPART, J. et al. (Orgs.). A pesquisa qualitativa: enfoques epistemologicos e metodologicos. 2. ed. Petropolis: Vozes, 2010. p. 295-316.

CHIRINEA, A. M.; BRANDAO, C. F. O IDEB como politica de regulacao e legitimacao da qualidade: em busca de significados. Ensaio: Avaliacao e Politicas Públicas em Educacao, Rio de Janeiro, v. 23, n. 87, p. 461-84, abr./jun. 2015. doi:10.1590/S0104-40362015000100019

CIAVATTA, M. Emancipacao: a historicidade do conceito e a polemica no processo real da existencia humana.Trabalho Necessario, Rio de Janeiro, v. 12, n. 18, jan./jun. 2014. Disponivel em: . Acesso em: 17 mar. 2016.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliacao como Instrumento da formacao cidada e do desenvolvimento da sociedade democratica: por uma etico-epistemologia da avaliacao. In: RISTOFF, D.; ALMEIDA JUNIOR, V. P. Avaliacao participativa: perspectivas e desafios. Brasilia, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira, 2005. p. 15-38.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliacao educativa: producao de sentidos com valor de formacao. Avaliacao (Campinas), v. 13, n. 1, p. 193-207, 2008. doi:10.1590/S1414-40772008000100011

DIAS SOBRINHO, J. Campo e caminhos da avaliacao: a avaliacao da educacao superior no Brasil. In: FREITAS, L. C. (Org.). Avaliacao: construindo o campo e a critica. Florianopolis: Insular, 2002. p. 13-62.

DIAS SOBRINHO, J. Universidade fraturada: reflexoes sobre conhecimento e responsabilidade social. Avaliacao (Campinas), v. 20, n. 3, p. 581-601, mar. 2015. doi:10.1590/S1414-40772015000300002

DUARTE, C. S. Direito público subjetivo e politicas educacionais. Sao Paulo Perspectiva, Sao Paulo, v. 18, n. 2, p. 113-8, abr./jun. 2004. doi:10.1590/S0102-88392004000200012

EYNG, A. M. Curriculo e avaliacao: duas faces da mesma moeda na garantia do direito à educacao de qualidade social. Revista Dialogo Educacional, Curitiba, v. 15, n. 44, p. 133-55, jan./abr. 2015. doi:10.7213/dialogo.educ.15.044.DS06

FERNANDES, C. O.; FREITAS, L. C. Indagacoes sobre curriculo: curriculo e avaliacao. Brasilia, DF: Ministerio da Educacao, 2007.

FREITAS, L. C. Eliminacao adiada: o caso das classes populares no interior da escola e a ocultacao da (ma) qualidade do ensino. Educacao e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 965-87, out. 2007. doi:10.1590/S0101-73302007000300016

HOFFMANN, J. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Mediacao, 2001.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT – OECD. Programme for International Student Assessment (PISA). 2016. Disponivel em: Acesso em: 16 mar. 2016.

SANTOS, B. S. A critica da razao indolente: contra o desperdicio da experiencia. 7. ed. Sao Paulo: Cortez, 2009.

SANTOS, B. S. A gramatica do tempo: para uma nova cultura politica. 3. ed. Sao Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, B. S. A universidade no seculo XXI: para uma reforma democratica e emancipatoria da universidade. In: APPLE, M. W.; BALL, S. J.; GANDIN, L. A. (Org.). Sociologia da educacao: analise internacional. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 301-11.

SANTOS, B. S. Introducao a uma ciencia pos moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

SANTOS, B. S. Para uma pedagogia do conflito. In: SILVA, L. H.; AZEVEDO, J. C.; SANTOS, E. S. (Orgs). Novos mapas culturais, novas perspectivas educacionais. Porto Alegre: Sulina, 1996. p. 15-33.

SANTOS, B. S. Pela mao de Alice: o social e a politica na pos modernidade. 12. ed. Sao Paulo: Cortez; 2008.

SANTOS, B. S. Por uma concepcao multicultural de direitos humanos. Lua Nova Revista de Cultura e Politica, n. 39, p. 105-24, 1997.

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (Org.). Epistemologias do Sul. Sao Paulo: Cortez, 2010.

SARAMAGO, J. Tolerância nao e igualdade. O Globo, 2003. Disponivel em:http://www.citador.pt/textos/tolerancia-nao-e-igualdade-jose-de-sousa-saramago. Acesso em 26 dez. 2014.

SAUL, A. M. Avaliacao emancipatoria: desafios à teoria e à pratica de avaliacao e reformulacao de curriculo. 4. ed. Sao Paulo: Cortez, 1999.

SAVIANI, D. Vicissitudes e perspectivas do direito à educacao no Brasil: abordagem historica e situacao atual.Educacao e Sociedade, Campinas, v. 34, n. 124, p. 743-60, set. 2013. doi:10.1590/S0101-73302013000300006

SOARES, J. F.; XAVIER, F. P. Pressupostos educacionais e estatisticos do IDEB. Educacao e Sociedade, v. 34, n. 124, p. 903-23, jul./set. 2013. doi:10.1590/S0101-73302013000300013

SOUZA, S. Z. L.; OLIVEIRA, R. P. Politicas de avaliacao da educacao e quase mercado no Brasil. Educacao e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 84 p. 873-95, set. 2003. doi:10.1590/S0101-73302003000300007

TORRES SANTOME, J. T. Curriculo escolar e justica social: o cavalo de Troia da educacao. Porto Alegre: Penso, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362016000300007

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank