Politicas públicas para acesso de pessoas com deficiencia ao ensino superior brasileiro: uma analise de indicadores educacionais

Dileia Aparecida Martins, Lúcia Pereira Leite, Cristina Broglia

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo analisar as politicas relativas às matriculas da educação especial no ensino superior brasileiro com base em indicadores educacionais. A pesquisa se caracteriza descritivo-analitica com base documental, cujas fontes de dados foram resumos tecnicos e planilhas do Censo da Educação Superior no periodo de 2000 a 2011 e documentos do Programa Incluir no periodo de 2005 a 2011, quinquenio em que foi implantado. A escolha pela decada em questao se justifica pelas acoes do governo federal previstas no Plano Nacional de Educação direcionadas à ampliação de matriculas no ensino superior brasileiro e pela necessidade de problematizar os resultados dessas acoes. A analise dos dados permite identificar a evolução do número de matriculas de estudantes com deficiencia em cursos de graduação presencial e a distância – sobretudo em instituicoes públicas – apos a criação do Programa Incluir. De modo geral, o quadro de matriculas de pessoas com deficiencia no ensino superior evolui em termos numericos, mas ainda representa uma camada minima da população com deficiencia efetivamente matriculada nessa etapa da escolarização.


Palavras-chave


Ensino superior; Educação Especial; Indicadores educacionais

Referências


BRASIL. Constituicao da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Organizacao do texto por Juarez de Oliveira. 4. ed. Sao Paulo: Saraiva, 1990. 168 p. (Serie Legislacao Brasileira).

______. Decreto legislativo nº 186, de 2008. Aprova o texto da convencao sobre os direitos das pessoas com deficiencia e de seu protocolo facultativo assinados em Nova Iorque em 30 de marco de 2007. Brasilia, DF, 2008. Disponivel em . Acesso em 10 ago. 2013.

______. Decreto nº 3.956, de 8 de outubro de 2001. Promulga a Convencao Interamericana para a eliminacao de todas as formas de discriminacao contra as pessoas portadoras de deficiencia. (Guatemala). 2001.

______. Decreto nº 5.209, de 17 de setembro de 2004. Regulamenta a lei nº 10.836, de 9 de janeiro de 2004, que cria o Programa Bolsa Familia, e da outras providencias. Brasilia, DF, 2004.

_____. Decreto nº 5296, de 2 de dezembro de 2004. Estabelece normas gerais e criterios basicos para a promocao da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiencia ou com mobilidade reduzida, e da outras providencias. Disponivel em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm. Acesso em: 10 ago. 2013.

______. Decreto nº 6.571, de 17 de setembro de 2008. Dispoe sobre o atendimento educacional especializado, regulamenta o paragrafo único do art. 60 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e acrescenta dispositivo ao Decreto nº 6.253, de 13 de novembro de 2007. Brasilia, DF, 2008.

______. Lei nº 10.845, de 5 de marco de 2004. Institui o Programa de complementacao ao atendimento educacional especializado às pessoas portadoras de deficiencia e da outras providencias. Brasilia, DF, 2004.

______. Ministerio da Educacao. Conselho Nacional de Educacao. Câmara de Educacao Basica. Resolucao nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui diretrizes operacionais para o atendimento educacional especializado na educacao basica, modalidade educacao especial. Brasilia, DF, 2009. Disponivel em . Acesso em 10 ago. 2013.

______. Ministerio da Educacao. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educacao e da outras providencias.

______. Ministerio da Educacao. Plano de desenvolvimento da educacao: razoes, principios e programas. Brasilia, DF: MEC, 2007.

______. Ministerio da Educacao. Programa Incluir: acessibilidade na educacao superior. Documento orientador. Secadi/SESu, Brasilia, DF, 2013.

______. Ministerio da Educacao. Secretaria de Educacao Especial. Politica Nacional de Educacao Especial. Brasilia, DF: MEC/SEESP, 2008.

______. Ministerio da Educacao. Secretaria de Educacao Especial. Evolucao da educacao especial no Brasil. Brasilia, DF, 2006.

______. Ministerio da Educacao. Secretaria de Educacao Especial. Diretrizes nacionais para a educacao especial na educacao basica. Brasilia, DF: MEC/SEESP, 2001.

______. Ministerio da Educacao. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Comite Nacional de Educacao em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educacao em Direitos Humanos. Brasilia, DF: UNESCO, 2006.

______. Presidencia da República. Aviso Circular nº 277. Brasilia, DF, 08 maio 1996.

______. Presidencia da República. Brasil 2003 a 2010. Brasilia, DF, 2013.

______. Presidencia da República. Lei nº 9.394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educacao Nacional. Brasilia, DF, 20 dez. 1996.

______. Secretaria de Educacao Especial. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e criterios basicos para a promocao da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiencia ou com mobilidade reduzida, e da outras providencias.

______. Secretaria de Educacao Especial. Portaria nº 3.284, de 7 de novembro de 2003. Dispoe sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiencias, para instruir os processos de autorizacao e de reconhecimento de cursos, e de credenciamento de instituicoes.

______. Secretaria de Educacao Superior. Edital nº 2. Programa Incluir. DOU. n. 93, secao 3, p. 39-40, 17 de maio de 2005. Disponivel em . Acesso: em 10 jun. 2013.

BUENO, J. G. S.; MELETTI, S. Educacao infantil e educacao especial: uma analise dos indicadores educacionais brasileiros. ContraPonto, Belo Horizonte, v.11, n. 3, p. 278-287, dez. 2011.

CADERNO tematico do programa de governo: Uma escola do tamanho do Brasil. Sao Paulo: Coligacao Lula Presidente, 2002.

CASTRO, S. F. de. Ingresso e permanencia de alunos com deficiencia em universidades públicas brasileiras. 2011. 245f. Tese (Doutorado em Educacao Especial). Universidade Federal de Sao Carlos, Sao Carlos.

CHAUI, M. Escritos sobre a universidade. Sao Paulo: Editora da UNESP, 2001.

FREITAS, M. T. de A. A abordagem socio-historica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cad. Pesqui. [online]. 2002, n.116, pp. 21-39. ISSN 0100-1574.

GARCIA, R. M. C.; MICHELS, Maria Helena. A politica de educacao especial no Brasil (1991-2011): uma analise da producao do GT15 Educacao Especial da Anped. Revista Brasileira de Educacao Especial, v. 17, p. 105-124, 2011.

GENTILI, P. Neoliberalismo e educacao: manual do usuario. In: SILVA, Tomaz Tadeu da; GENTILI, Pablo (Org.). Escola S.A: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasilia: CNTE, 1996, p. 9-49.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Censo Demografico 2011. Disponivel em: . Acesso em: 10 dez. 2013.

_____. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilios. Rio de Janeiro: 2012.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANISIO TEIXEIRA. Censo da educacao superior: 2011 – resumo tecnico. Brasilia: Inep, 2013.

______. Censo da educacao superior: 2010 – resumo tecnico. Brasilia: Inep, 2012.

______. Censo da Educacao Superior 2010. Disponivel em: . Acesso em: 10 nov.2012.

______. Censo da educacao superior: 2009 – resumo tecnico. Brasilia: Inep, 2009.

______. Censo da educacao superior: 2003 – resumo tecnico. Brasilia: Inep, 2003.

JANUZZI, G. S. de M. A educacao do deficiente no Brasil: dos primordios ao inicio do seculo XXI. Colecao Educacao Contemporânea. Campinas: Editora Autores Associados, 2004.

KASSAR, M. de C. M. Deficiencia Múltipla e educacao no Brasil: discurso e silencio na historia de sujeitos. Campinas, SP: Autores Associados, 1999.

_____. Liberalismo, neoliberalismo e educacao especial: algumas implicacoes. Cad. CEDES, Campinas, v.19, n.46, Set. 1998. Disponivel em: . Acesso em: 06 abr. 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32621998000300003.

MAZZOTTA, Marcos Jose Silveira. Educacao Especial no Brasil: historia e politicas públicas. Sao Paulo: Cortez, 2001.

NORONHA, O. M. Politicas neoliberais, conhecimento e educacao. 2. ed. Campinas: Alinea, 2002.

OLIVEIRA, D. A. As politicas educacionais no governo Lula: rupturas e permanencias. Revista Brasileira de Politica e Administracao da Educacao, v. 25, p. 197-210, 2009.

ORGANIZACAO DAS NACOES UNIDAS PARA A EDUCACAO, CIENCIA E CULTURA (Unesco). Declaracao Mundial sobre Educacao Para Todos (Conferencia de Jomtien). Tailândia: Unesco, 1990.

______. Declaracao de Salamanca e linha de acao sobre necessidades educativas especiais. Salamanca: Unesco, 1994.

SINGER, A. V. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. Sao Paulo: Companhia das Letras, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362015000400008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.