Formação docente para educar na diversidade: concepcoes subjacentes nos documentos oficiais e na pratica explicitada

Niedja Maria Ferreira Lima, Ana Dorziat

Resumo


As autoras, norteadas por uma perspectiva critica da politica de inclusao, apresentam, neste texto, o recorte de estudo de tese, que objetivou: 1) desvelar concepcoes subjacentes ao Projeto Educar na Diversidade: material de formação docente e aos relatorios de um Municipio-Polo (2004), e 2) analisar a materialização desse projeto em instituicoes públicas da area de abrangencia do municipio em foco. Os dados mostraram que, ao mesmo tempo em que os documentos anunciavam formacoes calcadas numa abordagem de professor-pesquisador, a realidade denunciava acoes formativas esporadicas a parcela dos professores da rede, expondo uma politica de inclusao implicada com o modelo neoliberal de sociedade e reforcada pelas iniciativas da globalização vigentes.


Palavras-chave


Educação Especial; Formação docente; Documentos oficiais

Referências


ARCE, A. Compre o kit neoliberal para a educacao Infantil e ganhe gratis os dez passos para se tornar um professor reflexivo. Educacao & Sociedade, ano XXII, nº 74, p.251-283, abril/2001.

AZEVEDO, J. M. L. Implicacoes da nova logica de acao do Estado para a educacao municipal. Educacao & Sociedade: Revista de Ciencia da Educacao. V. 23, nº 80, p.49-71, 2002.

BRASIL. Ministerio da Educacao e Cultura. Secretaria de Educacao Especial. Programa Educacao Inclusiva: direito à diversidade. Documento Orientador. Brasilia/DF, 2004-2006.

DALE, R. Globalizacao e educacao: demonstrando a existencia de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educacao? Revista Educacao e Sociedade. Campinas, vol.25, nº 87, p.423-460, maio/agosto, 2004.

DORZIAT, A. Politicas e praticas inclusivas: estudo comparativo Brasil-Portugal. 2009.115fls. Relatorio de Estagio Pos-Doutoral (Pos-Doutorado). Faculdade de Ciencias da Educacao da Universidade de Lisboa/ Lisboa, Portugal, 2008.

______. O Outro da Educacao: pensando a surdez com base nos temas Identidade/Diferenca, Curriculo e Inclusao. Petrolis, RJ: Vozes, 2009.

DUSCHATZKY, S.; SKLIAR, C. O nome dos outros. Narrando alteridade na cultura e na educacao. In: LARROSA, J.; SKLIAR, C. (Orgs.) Habitantes de Babel: politicas e poeticas da diferenca. Belo Horizonte: Autentica, 2001.p.119-138.

FACCI, M.G.D. Valorizacao ou esvaziamento do trabalho do professor?: um estudo critico-comparativo da teoria do professor reflexivo, do construtivismo e da psicologia vigotskiana. Campinas, SP; Autores Associados, 2005. (Colecao formacao de professores).

GARCIA, R.M.C. Politicas inclusivas na educacao: do global ao local. In: BAPTISTA, C.R.; CAIADO, K.R.M.; JESUS, D.M. (Orgs) Educacao Especial: dialogo e pluralidade. Porto Alegre: Mediacao, 2008.p.11-24

KASSAR, M.C.M. Matriculas de criancas com necessidades educacionais na rede de ensino regular: do que e de quem se fala? In: GOES, M.C.R.; LAPLANE, A.L.F. (Orgs.). Politicas e praticas de educacao inclusiva. Campina-SP: Autores Associados, 2004. p. 49-68

MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 7. ed. Sao Paulo: Hucitec/Rio de Janeiro: Abrasco, 2000.

MORIN, E. Meus demônios. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

NOVOA, A. Formacao de professores e profissao docente. In: NOVOA, A. (Coord.). Os professores e sua formacao. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 14-33

PERRENOUD, P. Dez novas competencias para ensinar. Porto Alegre: Artes Medicas Sul, 2000.

PIMENTA, S.G. Professor reflexivo: construindo uma critica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: genese e critica de um momento. 3. ed. Sao Paulo: Cortez, 2005.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINA GRANDE. Relatorios dos Seminarios Municipio-Polo de Campina Grande para formacao continuada de educadores do Programa Educacao Inclusiva: direito à diversidade. Secretaria de Educacao, Esporte e Cultura (SEDUC), 2004- 2006.

SANTOS, B.S. A globalizacao e as Ciencias Sociais. Cortez: Sao Paulo, 2002.

SILVA, T.T. A producao social da identidade e da diferenca. In: SILVA, T.T.; HALL, S.; WOODWARD, K. (Orgs.) Identidade e diferenca: A perspectiva dos estudos culturais. Rio de Janeiro: Vozes, 2000. p. 73-102

______. A “nova” direita e as transformacoes na pedagogia da politica e na politica da pedagogia. In: GENTILLI, P.A.A.; SILVA, T.T. (Orgs.). Neoliberalismo, qualidade total e educacao. Petropolis: Vozes, 2001. p. 9-29

SKLIAR, C. A invencao e a exclusao da alteridade deficiente a partir dos significados da normalidade. Educacao e Realidade, Porto Alegre, v. 24, n. 2, 1999.

______. A inclusao que e “nossa” e a diferenca que e do “outro”. In: RODRIGUES, David (org.). Inclusao e educacao: doze olhares sobre a educacao inclusiva. Sao Paulo: Sumus, 2006. p. 15-34

TORRES, R. M. Melhorar a qualidade da educacao basica? As estrategias do Banco Mundial. In: TOMMASI, L.; WARDE, M.J.; HADDAD, S. (Orgs.). O Banco Mundial e as politicas educacionais. 4. ed. Sao Paulo: Cortez, 2003. p. 125-193

TRIVIÑOS, A.N.S. Introducao à pesquisa em ciencias sociais: a pesquisa qualitativa em educacao. Sao Paulo: Atlas, 1987.

UNESCO. Declaracao de Salamanca e linha de acao sobre necessidades educativas especiais. Brasilia: CORDE, 1994.

______. Convencao sobre a protecao e promocao da Diversidade de Expressoes Culturais. 33a Reuniao da UNESCO. Paris, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank