“Educar para crescer” ou auditar para crescer? Governando para o desenvolvimento

Simone Barreto Anadon, Maria Manuela Alves Garcia

Resumo


Analisa o funcionamento de uma secao do site “Educar para crescer”, que divulga os resultados do IDEB (Indice de Desenvolvimento da Educação Basica), a partir dos Estudos Culturais e da nocao de discurso foucaultiana. Argumenta que o artefato poe em movimento discursos que atuam enquanto regimes de verdade e tecnologias que capturam a subjetividade dos internautas, de modo a responsabiliza-los e autorresponsabiliza-los pela auditoria dos desempenhos escolares. Mesclando aspectos da tradicao pedagogica com discursos de carater gerencial e desenvolvimentista, e recursos imageticos da telenovela brasileira, o artefato compoe uma pedagogia empresarial que convoca todos e cada um para serem os fiscais da qualidade da educação basica, instituindo esta como a mola propulsora do desenvolvimento do pais e de sua insercao no mercado global.


Palavras-chave


Educação basica; Indice de Desenvolvimento da Educação Basica (IDEB); Discurso; Responsabilização e autorresponsabilização

Texto completo:

SciElo

Referências


ADRIAO, T.; PERONI, V. M. V. A educacao pública e sua relacao com o setor privado: implicacoes para a democracia educacional. Retratos da Escola, Brasilia, v. 3, p. 107?116, 2009.

AMARAL, M. B. Natureza e representacao na pedagogia da publicidade. In: COSTA, M. V. Estudos Culturais em educacao: midia, brinquedo, biologia, literatura, cinema. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2000. p. 143-171.

ANADON, S. B. Prova Brasil uma estrategia de governamentalidade. 2012. 169 f. Tese (Doutorado em Educacao)-Programa de Pos-Graduacao em Educacao, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2012.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educacao Nacional. Diario Oficial da Uniao da República Federativa do Brasil, Brasilia, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Todos pela Educacao. Disponivel em: . Acesso em: 2 fev. 2011.

CASTRO, M. H. G. Sistemas Nacionais de Avaliacao e de Informacoes Educacionais. Sao Paulo em Perspectiva, Sao Paulo, v. 14, n. 1, p. 121-128, 2000.

COSTA, M. V. Midia, magisterio e politica cultural. In: COSTA, M. V.; VEIGA-NETO, A. (Org.). Estudos Culturais em educacao: midia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2000. p. 73-91.

ELLSWORTH, E. Modos de enderecamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educacao tambem. In: SILVA, T. T. (Org.). Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autentica, 2001. p. 7-76.

FABRIS, E. H. Hollywood e a producao de sentido sobre o estudante. In: COSTA, M. V.; VEIGA-NETO, A. (Org.).Estudos Culturais em educacao: midia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2000. p. 257-286.

FISCHER, R. M. B. Adolescencia em discurso: midia e producao de subjetividade. 1996. 297 f. Tese (Doutorado em Educacao)-Programa de Pos-Graduacao em Educacao, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1996.

______. Foucault e a analise do discurso em educacao. Cadernos de Pesquisa, Porto Alegre, n. 114, p. 197-223, 2001.

FOLHA DE S. PAULO. Veja o ranking do Prova Brasil em cidades com mais de 100 mil habitantes. Folha de S. Paulo, Sao Paulo, 11 fev. 2007. Disponivel em: . Acesso em: 5 fev. 2011.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitaria, 1995.

______. A ordem do discurso. Sao Paulo: Edicoes Loyola, 2009.

FRANCO, C.; ALVES, F.; BONAMINO, A. Qualidade do Ensino Fundamental: politicas, suas possibilidades, seus limites. Educacao e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 989-1014, 2007.

GRUPO ABRIL. Educar para Crescer. Disponivel em: . Acesso em: 5 fev. 2011.

GRUPO RBS. O X da Educacao. Disponivel em: . Acesso em: 2 fev. 2011.

KEHL, M. R. Um so povo, uma so cabeca, uma so nacao. In: CARVALHO, E.; KEHL, M. R.; RIBEIRO, S. N. Anos 70: televisao. Rio de Janeiro: Europa, 1980. p. 5-29.

LESSARD, C. Regulacao múltipla e autonomia profissional dos professores: comparacao entre o Quebec e o Canada. Educacao em Revista, Belo Horizonte, n. 44, p. 143-163, 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982006000200008

MARZOLA, N. Os sentidos da alfabetizacao na revista Nova Escola. In: COSTA, M. V.; VEIGA-NETO, A. (Org).Estudos Culturais em educacao: midia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2000. p. 93-115.

OLIVEIRA, D. A. As politicas educacionais no governo Lula: rupturas e permanencias. Revista Brasileira de Politica e Administracao da Educacao, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p. 197-209, maio/ago. 2009.

PERONI, V. M. V. Avaliacao institucional em tempos de redefinicao do papel do Estado. Revista Brasileira de Politica e Administracao da Educacao, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p. 285-300, maio/ago. 2009.

PERONI, V. M. V.; OLIVEIRA, R. T. C.; FERNANDES, M. D. E. Estado e terceiro setor: as novas regulacoes entre o público e o privado na gestao da educacao basica brasileira. Educacao & Sociedade, Sao Paulo, v. 30, n. 108, p. 761?778, 2009.

POPKEWITZ, T. S. A reforma como administracao social da crianca: a globalizacao do conhecimento e do poder. In: BURBULES, N.; TORRES, C. A. (Org.). Globalizacao e educacao: perspectivas criticas. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 107-125.

RIOPEL, M. Novas regulacoes escolares: quais os impactos sobre as preocupacoes dos professores. Educacao em Revista, Belo Horizonte, n. 44, dez. 2006.

ROCHA, C. F. O espaco escolar em revista. In: COSTA, M. V.; VEIGA-NETO, A. (Org.). Estudos Culturais em educacao: midia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema... Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2000. p. 117-142.

ZERO HORA. O X da Educacao. Disponivel em: . Acesso em: 2 fev. 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank