Vinte anos de avaliação da educação basica no Brasil*: aprendizagens e desafios

Maria Ines Matos Coelho

Resumo


O artigo analisa como a avaliação nacional da educação escolar basica insere-se historicamente na administração do sistema educacional brasileiro, de modo articulado à construção cientifica dos fatores de qualidade, eficiencia, eqüidade e produtividade. Considera a trajetoria ao longo de vinte anos que constituiu o Sistema de Avaliação da Educação Basica – Saeb, estabelecido desde a segunda metade dos anos 90. Usando as revisoes bibliograficas e os estudos do estado da arte na area tematica, a pesquisa analisa os enfoques e aperfeicoamentos do Saeb. Argumentamos que essa politica de avaliação foi desenvolvida como uma parte de uma nova politica de regulação e de administração competitiva no contexto do Estado Avaliador. Finalmente, propomos questoes para a reflexão sobre condicoes ou possibilidades de mudanca. 


Palavras-chave


Avaliação de Sistemas de Ensino; Politicas públicas e avaliação da Educação Basica; Estado-avaliador e Educação

Referências


AFONSO, A. J. Reforma do Estado e politicas educacionais: entre a crise do Estado-nacao e a emergencia da regulacao supranacional. Educacao e Sociedade, Campinas, n. 75, p. 15-32, ago. 2001.

ANDRE, M. E. D. A. A avaliacao na escola e da escola. Cadernos de Pesquisa, Sao Paulo, n. 74, p. 68-70, ago. 1990.

______. Avaliacao escolar: alem da meritocracia e do fracasso. Cadernos de Pesquisa, Sao Paulo, n. 99, p. 16-20, nov. 1996.

AZEVEDO, J. M. L.. O Estado, a politica educacional e a regulacao do setor educacao no Brasil: uma abordagem historica. In: FERREIRA, N. S. C.; AGUIAR, M. A. S. (Org.). Gestao da educacao: impasses, perspectivas e compromissos. Sao Paulo: Cortez, 2000.

BALL, S. J. Diretrizes politicas globais e relacoes politicas locais em educacao. Curriculo sem Fronteiras, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001.

______. Performatividade, privatizacao e o pos-Estado do Bem-Estar. Educacao e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, set./dez. 2004.

______. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, Sao Paulo, v. 35, n. 126, set./dez. 2005.

BARBOSA, M. E. F.; FERNANDES, C. A escola brasileira faz diferenca? Uma investigacao dos efeitos da escola na proficiencia em Matematica dos alunos da 4a serie. In: FRANCO, C. (Org.). Promocao, ciclos e avaliacao educacional. Curitiba: ArtMed, 2001.

BARRETTO, E. S. S. A avaliacao na educacao basica: entre dois modelos. In: REUNIAO ANUAL DA ANPED, 23., 2000 , Caxambu. Anais... Caxambu: ANPED, 2000.

BARRETTO, E. S. S.; PINTO, R. P. Estado da arte: avaliacao na educacao basica (1990-1998). Brasilia, DF: MEC, INEP, COMPED, 2001.

BICKEL, W. E. Effective schools: knowledge, dissemination, inquiry. Educational Researcher, v. 12, n. 4, p. 3-5, 1983.

BLOOM, B. S. Caracteristicas humanas e aprendizagem escolar. Porto Alegre: Globo, 1981.

BONAMINO, A.C. Tempos de avaliacao educacional: o SAEB, seus agentes, referencias e tendencias. Rio de Janeiro: Quartet, 2002.

BONAMINO, A.; MARTINEZ, S. A. Diretrizes e Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino fundamental: a participacao das instâncias politicas do Estado. Educacao e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 371-388, set. 2002.

BRASIL. Constituicao (1988). Constituicao da República Federativa do Brasil. Brasilia, DF: Senado, 1988.

______. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educacao nacional. Diario Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasilia, DF, 23 dez. 1996.

______. Ministerio da Educacao. Projeto BRA/96/026 - PNUD. Brasilia, DF, 1997.

______. Parecer CNE/CEB nº. 4, de 29 de janeiro de 1998. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Diario Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasilia, DF, 30 dez. 1998a.

______. Parecer CNE/CEB nº. 15, de 1º de junho de 1998. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Medio. Diario Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasilia, DF, 26 jun. 1998b.

BROADFOOT, P. Un noveau mode de regulation dans un système decentralize: l’etat evaluateur. Revue Francaise de Pedagogie, Paris, n. 130, p. 43-55, 2000.

BROOKOVER, W. B. et. al. Elementary school social climate and school achievement. American Educational Research Journal, n. 15, p. 301-318, 1978.

CASTRO, M. H. G. Palestra inaugural. In: SEMINARIO INTERNACIONAL DE AVALIACAO EDUCACIONAL, 1997, Rio de Janeiro. Anais... Brasilia, DF: MEC, 1998.

CEPAL. Formulacion y evaluacion de proyectos sociales. Chile: Proposal, 1995.

CEPAL; UNESCO. Educacao e conhecimento: eixo da transformacao produtiva com equidade. Brasilia, DF, 1995.

CESAR, C. C; SOARES, J. F. Desigualdades academicas induzidas pelo contexto escolar. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

COELHO, M. I. M. Avaliacao da educacao basica. Belo Horizonte: UNA, 2005.

________. Educacao e poder: a escola efetiva em discussao. In: SEMINARIO INTERNACIONAL DE SOCIOLOGIA DA EDUCACAO, 1984, Rio de Janeiro. Trabalhos apresentados... Rio de Janeiro: PUC-Rio, 1984. Mimeografado.

COLEMAN, J. S. et. al. Equality of educational opportunity. Washington, DC: U.S. Government Printing Office, 1966.

COSTA, S. L. (Des)governo, (in)governabilidade ou (des)governanca? Revista de Administracao Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 1, p. 42-74, mar./abr. 1997.

DEMO, P. Qualidade da educacao: tentativa de definir conceitos e criterios de avaliacao. Estudos em Avaliacao Educacional, Sao Paulo, n. 2, p. 11-26, jul./dez. 1990.

DURAN, M. C. G. Avaliacao: reguladora ou emancipatoria? Revista Dialogo Educacional, Curitiba, v. 4, n. 8, p. 97-110, jan./abr. 2003.

EDMONDS, R. R. Effective schools the urban poor. Educational Leadership, v. 3, n. 1, p. 15-27, Oct. 1979.

EGAN, K. Tools for enhancing imagination in teaching. In: GRIMMETT, P. P.; NUEFELD, J. (Ed.). Teacher development and the struggle for authenticity. New York: Teachers College Press, 1994.

FLETCHER, P.; CASTRO, C. M. Mitos, estrategias e prioridades para o ensino de primeiro grau. Estudos em Avaliacao Educacional, Sao Paulo, n. 8, p. 39-56, jul./dez.. 1993.

FORQUIN, J. C. Escola e cultura. Porto Alegre: Artes Medicas, 1993.

FRANCO, C. O SAEB: Sistema de Avaliacao da Educacao Basica: potencialidades, problemas e desafios. Revista Brasileira de Educacao, Rio de Janeiro, n. 17, p. 127-133, maio/jun./jul./ago. 2001a.

FRANCO, C. (Org.). Promocao, ciclos e avaliacao educacional. Curitiba: ArtMed, 2001b.

FRANCO, C. et. al. A eficacia escolar no Brasil: investigando praticas e politicas escolares moderadoras de desigualdades educacionais. In: SEMINARIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE NA EDUCACAO, 2005, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: Fundacao Getúlio Vargas, 2005.

______. Qualidade e eqüidade em educacao: reconsiderando o significado de "fatores intra-escolares". Ensaio: avaliacao e politicas públicas em educacao, Rio de Janeiro, v. 15, n. 55, p. 277-298, abr./jun. 2007.

FRANCO, M. L. B. Pressupostos epistemologicos da avaliacao educacional. Cadernos de Pesquisa, Sao Paulo, n. 74, p. 63-67, ago. 1990.

______. Qualidade de ensino: criterios e avaliacao de seus indicadores. Ideias, Sao Paulo, n. 22, p. 81-87, 1994.

FREITAS, D. N. T. A avaliacao da educacao basica no Brasil: dimensao normativa, pedagogica e educativa In: REUNIAO ANUAL DA ANPED, 28., 2005, Caxambu . Anais... Caxambu, MG: ANPED, 2005 .

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Educacao basica no Brasil na decada de 1990: subordinacao ativa e consentida à logica do mercado. Educacao e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 82, p. 93-130, abr. 2003.

GOIS, A.; TAKAHASHI, F.; SELIGMAN, F. Ranking escolar aprova so 0,8% das cidades. Folha Online, Sao Paulo, 26 abr. 2007. Disponivel em:

. Acesso em: 13 maio 2008.

HANUSHEK , E. The failure of input-based schooling policies. Stanford, CA: Stanford University, 2002. NBER Working Paper No. 9040.

HANUSHEK E. et al. The market for teacher quality . Stanford, CA: Stanford University, 2005 . NBER Working Paper No. 11154.

INEP. Indice de Desenvolvimento da Educacao Basica (Ideb). Brasilia, DF, 2007. (Serie Documental . Texto para Discussao; 26).

______. SAEB 2001: novas perspectivas. Brasilia, DF, 2002.

______. SAEB 2003. Brasilia, DF, 2004.

JENCKS, C. et al. Inequality: a reassessment of the effect of family and schooling in America. New York: Basic Books. 1972.

KLEIN, R. A boa escola. O Globo, Rio de Janeiro, p. 7, 31 mar. 2005.

______. Como esta a educacao no Brasil? O que fazer? Ensaio: avaliacao e politicas públicas em educacao, Rio de Janeiro, v.14, n. 51, p. 139-172, abr./jun. 2006.

KLEIN, R.; RIBEIRO, S. C. O censo educacional e o modelo de fluxo: o problema da repetencia. Revista Brasileira de Estatistica, Rio de Janeiro, v. 52, n. 197/198, p. 5-45, 1991.

______. A pedagogia da repetencia ao longo das decadas. Ensaio: avaliacao e politicas públicas em educacao, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, p. 55-62, jan./mar. 1995.

LAWN, M. Os professores e a fabricacao de identidades. Curriculo sem Fronteiras, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 117-130, jul./dez. 2001.

LE GRAND, J. Quasi-markets and social policy. Economic Journal, Londron, v. 101, n. 408, p. 1256-1267, 1991.

LOCATELLI, I. Construcao de instrumentos para a avaliacao de larga escala e indicadores de rendimento: o modelo Saeb. Estudos em Avaliacao Educacional, Sao Paulo, n. 25, p. 3-21, jan./dez. 2002.

LUCKESI, C. Avaliacao da aprendizagem escolar: apontamentos sobre a pedagogia do exame. Tecnologia Educacional. Rio de Janeiro, v. 20, n. 101, p. 82-6, jul./ago. 1991.

______.Avaliacao educacional: pressupostos conceituais. Tecnologia Educacional. Rio de Janeiro, v. 25, n. 130-131, p. 26-29, maio/ago. 1996.

______. Planejamento e avaliacao na escola: articulacao e necessaria determinacao ideologica. Ideias, Sao Paulo, n. 15, p. 115-125, 1992.

LUDKE, M. O administrador escolar entre o mito da avaliacao e os desafios de sua pratica. Estudos em Avaliacao Educacional, Sao Paulo, n. 12, p. 51-7, jul./dez. 1995.

MADAUS, G. F. et al. Schools effectiveness: a reassessment of the evidence. New York: Mc Graw Hill, 1980.

MELLO, G. N. Escolas eficazes: um tema revisitado. In: XAVIER, A. C. et al. (org.). Gestao escolar: desafios e tendencias. Brasilia: Ipea, 1994, p. 329-369.

MURPHY, J. et al. Academic Press: translating high expectations into school policies and classroom practices. Educational Leadership, Baltimore, v. 40, n. 3, p. 22-26, Dec. 1982.

NEAVE, G. On the cultivation of quality, efficiency and enterprise: an overview of recent trends in higher education in Western Europe, 1986-1988. European Journal of Education, Oxford, v. 23, n. 1/2, p. 7-23, 1988.

______. The evaluative state reconsidered. European Journal of Education, Oxford, v. 33, n. 3, p. 265-284, 1998.

NEPP. O sistema de protecao social no Brasil. Campinas: NEPP, UNICAMP, 1991.

PACHECO, E.; ARAUJO, C. H. Boa escola: evidencias do Saeb. Brasilia, DF: INEP, 2004.

PERRENOUD, P. Praticas pedagogicas, profissao docente e formacao. Lisboa: Dom Quixote, 1993.

RIBEIRO, S. C. A pedagogia da repetencia. Estudos em Avaliacao Educacional, Sao Paulo, n. 4, p. 73-86, jul./dez. 1991.

SAMMONS, P. School effectiveness and equity: making connections. In: INTERNATIONAL CONGRESS FOR SCHOOL EFFECTIVENESS AND IMPROVEMENT, 2006, Florida. Embracy diversity: new challenges for school improvement in a global learning society. Fort Lauderdale, Florida, 2006.

SAMMONS, P.; HILLMAN, J.; MORTIMORE, P. Key characteristics of effective schools: a review of school effectiveness research. London: Office for Standards in Education [OFSTED], 1998.

SAUL, A. M. Avaliacao emancipatoria: uma abordagem critico-transformadora. Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro, v. 21, n. 104, p. 24-31, jan. /fev. 1992.

SLAVIN, R. E. Salas de aula eficazes, escolas eficazes: uma base de pesquisa para reforma da Educacao na America Latina. Rio de Janeiro: Fundacao Getúlio Vargas, 2003. (PREAL; n. 4).

SOARES, J. F. Qualidade e eqüidade na educacao basica Brasileira: a evidencia do SAEB-2001. Archivos Analiticos de Politicas Educativas, Florida, v. 12, n. 38, Aug. 2004.

SOARES, J. F. et al. Escola eficaz: um estudo de caso em tres escolas da rede pública de ensino do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte UFMG, FAE, GAME: Fundacao Ford, 2002.

______. Fatores explicativos do desempenho em lingua portuguesa e matematica: a evidencia do SAEB-99. [S. l.: s. n.], 2001. Mimeografado.

SOARES, J. F.; CESAR, C. C.; MAMBRINI, J. Determinantes de desempenho dos alunos do ensino basico brasileiro: evidencias do Saeb de 1997. In: FRANCO, C. Promocao, ciclos e avaliacao educacional. Porto Alegre: ArtMed, 2001.

SOUSA, S. M. Z. L. Avaliacao do rendimento escolar como instrumento de gestao educacional. In: OLIVEIRA, D. A. (Org.) . Gestao democratica da educacao: desafios contemporâneos. Petropolis: Vozes, 1997.

SOUSA SANTOS, B. Reinventar a democracia: entre o pre-contratualismo e o pos-contratualismo. In: HELLER, A. et al. A crise dos paradigmas em ciencias sociais e os desafios para o seculo XXI. Rio de Janeiro: Contraponto, 1999.

SOUZA, P. R. Avaliacao a servico da qualidade educativa: reescrevendo a educacao. Disponivel em : . Acesso em: 27 abr. 2007.

TORRES, R. M. Melhorar a qualidade da educacao basica? As estrategias do Banco Mundial. In: TOMASI, L. et al. (Org.). O Banco Mundial e as politicas educacionais. 4. ed. Sao Paulo: Cortez, 2003.

UNICEF . Aprova Brasil: o direito de aprender: boas praticas em escolas públicas avaliadas pela Prova Brasil. Brasilia, DF, 2006.

VEJA o ranking do Prova Brasil em cidades com mais de 100 mil habitantes. Folha Online, Sao Paulo, 11 fev. 2007. Disponivel em: . Acesso em: 13 maio 2008.

VIANNA, H. M. Avaliacoes nacionais em larga escala: analises e propostas. Sao Paulo: FCC, 2003.

WAISELFISZ, J. O Sistema Nacional de Avaliacao do Ensino Público de 1º grau. Estudos em Avaliacao Educacional, Sao Paulo, n. 4, p. 65-72, 1991.

WENGLINSKY, H. How schools matter: the link between teacher classroom practices and student academic performance. Education Policy Analysis Archives, Florida, v. 10, n. 12, Feb. 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank