Plano Municipal de Educação e a afirmação de principios para a educação local

Flavia Obino Correa Werle, Jorge Alberto Soares Barcellos

Resumo


O texto discute um elemento de politica pública, o Plano Municipal de Educação (PME) da cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Analisa o Plano em suas diferentes partes e a tramitação no Legislativo e no Conselho Municipal de Educação/POA. Considera os atores envolvidos nos diferentes momentos do processo, os discursos afirmados e os negados, ideologias e visoes de mundo. O conteúdo do texto e importante pois, sugere elementos para avaliar o PME como um documento de politica educacional numa perspectiva reflexiva. Indica como sao sustentados/articulados os discursos no PME, a forma ambigua com que os atores registram sua presenca/escrita e responsabilizam-se pelo PME em suas diferentes fases. O Plano Nacional de Educação como um paradigma dilui e abafa uma possivel abordagem cognitivo-interpretativa mais peculiar do mundo que o PME possa representar no âmbito do municipio.


Palavras-chave


Politica educacional; Planejamento; Educação municipal

Referências


Prefeitura Municipal de Porto Alegre, Secretaria Municipal de Educacao, Conselho Municipal de Educacao. Plano Municipal de Educacao de Porto Alegre. Aprovado no III Congresso Municipal de Educacao. Porto Alegre, 26 a 30 de novembro de 2004.

______. Parecer 008/2004 do Conselho Municipal de Educacao. Manifesta-se favoravel ao disposto no Plano Municipal de Educacao de Porto Alegre.

______. Projeto de Lei do Executivo 62/2004. Institui o Plano Municipal de Educacao e da outras providencias.

Plano Nacional de Educacao (PNE). Apresentacao de DIDONET, Vital.. Brasilia: Porto, 2000.

MULLER, Pierre & SUREL, Yves. A Analise das Politicas Públicas. Traducao: Agemir Bavaresco, Alceu R. Ferraro. Pelotas: Educat, 2002.

PARO, Victor. Reprovacao Escolar. Sao Paulo, Xama, 2002.

DELEUZE, Gilles. Logica de Sentido. Sao Paulo, Perspectiva, 2002.

COSTA, Beatriz Morem da . Condicoes de vida em Porto Alegre: o que mostram os dados do censo demografico 2000. In: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Secretaria do Governo Municipal. Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Seguranca Urbana. Relatorio de Indicadores sociais de Porto Alegre. Ano V. Beatriz Moren da Costa (Coord). Porto Alegre, 2003, p. 07-26

LOPES, Alice Casimiro. Politicas curriculares: continuidade ou mudanca de rumos? Revista Brasileira de Educacao. n.26, p. 109 – 118, maio/ago. 2004.

BALL, Stephen J. Diretrizes politicas globais e relacoes politicas locais em educacao. Curriculo sem Fronteiras, v.1, n.2, p. 99 – 116, jul./dez. 2001.

CORTESAO, Luiza, MAGALHAES, Antonio, STOER, Stephen. Mapeando decisoes no campo da educacao no âmbito do processo da realizacao das politicas educativas. Educacao, Sociedade & Culturas. N.15, p. 45 – 58, 2001.

PECHEUX, Michel. Semântica do discurso. Uma critica a afirmacao do obvio. Campinas: Unicamp, 1995.

AZEVEDO, Jose Clovis de. A democratizacao da escola no contexto da democratizacao do estado: a experiencia de Porto Alegre. In: SILVA, Luiz Heron. Escola Cidada: teoria e pratica. Porto Alegre, Editora Vozes, 1999, p. 12-30


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank