Das politicas ao cotidiano: entraves e possibilidades para a educação do campo alcancar as escolas no rural

Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante

Resumo


O presente artigo visa a trazer para o debate os questionamentos em torno da viabilidade das politicas de educação do campo nos territorios do rural brasileiro. Entre a politica de direitos e a cultura de direitos, vale a reflexão de como a "educação do campo", ao alcancar o universo retorico e legalista das politicas educacionais brasileiras ja no seculo XXI, pode de fato ser apropriada pelos (significativos) pedacos do rural que nao se encontram em "movimento" (este rural ainda sob a logica da produção capitalista, muitas vezes inerte ao mundo de lutas e labutas dos movimentos sociais em diferentes cantos do Brasil nos últimos vinte anos). O texto aponta para a necessidade de agucar o debate sobre questoes importantes que circundam a educação do rural que se transforma em "campo" e que, ironicamente, pode estar ainda longe de ser implementada entre a nocao de um campo ou outro.

Palavras-chave


Educação rural; Educação do campo; Politicas públicas

Referências


ANDRE, M. E. D. A.; LUDKE, M. Pesquisa em educacao: abordagens qualitativas. Sao Paulo: EPU, 1986. [ Links ]

ARROYO, M.; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. (Org.). Por uma educacao do campo. Petropolis, RJ: Vozes, 2004. [ Links ]

BRASIL. Ministerio da Educacao. Grupo Permanente de Trabalho de Educacao do Campo. Referencias para uma politica nacional de educacao do campo: caderno de subsidios. Brasilia, DF, 2003. Disponivel em: . Acesso em: 22 out. 2010. [ Links ]

CALDART, R. S. Por uma educacao do campo: tracos de uma identidade em construcao. In: KOLLING, E. J.; CERIOLI, P. R.; CALDART, R. S. (Org.). Educacao do campo: identidades e politicas públicas. Brasilia, DF: Unesco: Unicef: Incra, 2002. (Colecao Por uma Educacao do campo; n. 4). [ Links ]

CAVALCANTE, L. O. H. Escola familia agricola do sertao: entre percursos sociais, trajetorias pessoais e implicacoes ambientais. 2007. 152 f. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educacao da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007. [ Links ]

______. Sintonias entre a pedagogia radical de Henry Giroux e a Educacao Ambiental critica: rumo a uma ambientalizacao da pedagogia. In: PAZ, R. J. (Org.). Fundamentos, reflexoes e experiencias em Educacao Ambiental. Joao Pessoa: Ed. Universitaria, UFPB, 2006. [ Links ]

CONSELHO NACIONAL DE EDUCACAO (Brasil). Câmara de Educacao Basica. Parecer nº 36, de 4 dezembro de 2001. Diretrizes Operacionais para Educacao Basica nas Escolas do Campo. Arquivos, Brasilia, DF, 2001. Disponivel em: . Acesso em: 8 out. 2010. [ Links ]

DAMASCENO, M. N.; BESERRA, B. Estudos sobre a educacao rural no Brasil: estado da arte e perspectivas. Educacao e Pesquisa, Sao Paulo, v. 30, n.1, p. 73-89, jan./abr. 2004. [ Links ]

FERNANDES, B. M. Questao agraria, pesquisa e MST: questoes da nossa epoca. Sao Paulo: Cortez, 2001. [ Links ]

FREIRE, P. Extensao ou comunicacao?. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983. [ Links ]

FRIGOTTO, G. Educacao e a construcao democratica no Brasil: da ditadura civil-militar à ditadura do capital. In: FAVERO, O.; SEMERARO, G. (Org.). Democracia e construcao do público no pensamento educacional brasileiro. Petropolis, RJ: Vozes, 2002. [ Links ]

GIANOTTEN, V.; WIT, T. Pesquisa participante em um contexto de economia camponesa. In: BRANDAO, C. R. (Org). Repensando a pesquisa participante. Sao Paulo: Brasiliense, 2000. [ Links ]

INEP. Referencias para uma politica nacional de educacao do campo. Brasilia, DF, 2003. (Caderno de Subsidios). [ Links ]

GOHN, M. G. Teoria dos movimentos sociais: paradigmas classicos e contemporâneos. 3. ed. Sao Paulo: Loyola, 2002. [ Links ]

LEHER, R. Tempo, autonomia, sociedade civil e esfera pública: uma introducao ao debate a proposito dos "novos" movimentos sociais na educacao. In: GENTILI, P.; FRIGOTTO, G. (Org.). A cidadania negada: politicas de exclusao na educacao e no trabalho. 2. ed. Sao Paulo: Cortez, 2001. [ Links ]

MARTINS, J. S. A militarizacao da questao agraria no Brasil. Petropolis, RJ: Vozes, 1985. [ Links ]

NAGLE, J. Educacao e sociedade na Primeira República. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. [ Links ]

OLIVEIRA, A. U. A geografia das lutas no campo. 10. ed. Sao Paulo: Contexto, 2001. [ Links ]

PALUDO, C. Educacao popular em busca de alternativas: uma leitura desde o campo democratico e popular. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2001. [ Links ]

PAIVA, V. Historia da educacao popular no Brasil: educacao popular e educacao de adultos. 6. ed. Sao Paulo: Loyola, 2003. [ Links ]

PRADO JUNIOR, C. A questao agraria. Sao Paulo: Brasiliense, 1979. [ Links ]

SANTOS, M. Por uma outra globalizacao: do pensamento único à consciencia universal. Rio de Janeiro: Record, 2007. [ Links ]

SHERER-WARREN, I. Movimentos sociais e educacao. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPED, 21., 1998, Caxambu. Anais... Caxambu, MG: ANPED, 1998. [ Links ]

______. Redes de movimentos sociais. Sao Paulo: Loyola, 1996. [ Links ]

TELLES, V. S. Direitos sociais: afinal do que se trata?. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999. [ Links ]

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-acao. Sao Paulo: Cortez, 2000. [ Links ]

TOURAINE, A. Poderemos viver juntos?: iguais e diferentes. 2. ed. Petropolis, RJ: Vozes, 1998. [ Links ]

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e metodos. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. [ Links ]

WANDERLEY, L. E. Educar para transformar: educacao popular, igreja catolica e politica no movimento de educacao de base. Petropolis, RJ: Vozes, 1984. [ Links ]

WELLER, W. Grupos de discussao na pesquisa com adolescentes e jovens: aportes teorico-metodologicos e analise de uma experiencia com o metodo. Educacao e Pesquisa, Sao Paulo, v. 32, n. 2, p. 241-260, maio/ago. 2006. Disponivel em: . Acesso: dez. 2009. [ Links ]


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank