Escolas invisibilizadas: desigualdades nas condições de oferta e limites dos instrumentos de políticas públicas

Daniel Santos Braga, Cecília Coutinho de Miranda

Resumo


Esse artigo discute como o desenho do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) pode resultar em exclusão das escolas públicas de Ensino Fundamental não participantes de políticas públicas educacionais, e em invisibilidade quanto aos seus resultados de aprendizagem. A análise fundamentou-se nos estudos sobre ação pública que concebem os instrumentos de políticas como um tipo particular de instituição na forma de um dispositivo técnico e político que estabiliza modos de regulação. A metodologia consistiu em exploração do Censo Escolar e do Saeb em diálogo com a literatura da área. Como resultado, foi possível apontar os limites desse instrumento como política pública de avaliação dos sistemas de Educação do país. Verificou-se que as escolas não avaliadas, em sua maioria, eram escolas municipais, rurais, localizadas nas regiões menos desenvolvidas do Brasil e as que apresentaram piores indicadores de infraestrutura e de formação adequada dos professores.

Palavras-chave


Avaliação da Educação; Desigualdades Educacionais; Instrumentos de Políticas Públicas

Referências


ALVES, M. T. G. Caracterização das desigualdades educacionaiscom dados públicos: desafios para conceituação e operacionalização empírica. Lua Nova, São Paulo, n. 110, p. 189-214, maio/ago. 2020. https://doi.org/10.1590/0102-189214/110

ALVES, M. T. G. et al. Desigualdades de aprendizado entre alunos das escolas públicas brasileiras: evidências da Prova Brasil (2007 a 2013): educação. Brasília, DF: Unesco, 2017. (Série Debates ED, n. 5).

ALVES, M. T. G. et al. Qualidade da infraestrutura das escolas públicas de Ensino Fundamental no Brasil. Brasília, DF: UNESCO, 2019a. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000368757?posInSet=1&queryId=7990941 a-c4d6-47cc-94a7-f163404e5ce8.

Acesso em: 10 abr. 2021.

ALVES, M. T. G. et al. Indicador de infraestrutura das escolas de Ensino Fundamental 2017 [banco de dados]. Belo Horizonte: Núcleo de Pesquisa em Desigualdades Educacionais (NUPEDE), UFMG, UNESCO, 2019b.

ALVES, M. T. G.; SOARES, J. F. As pesquisas sobre o efeito das escolas:contribuições metodológicas para a sociologia da Educação. Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 22, n. 2, p. 435-473, maio/ago. 2007.

ALVES, M. T. G.; XAVIER, F. P.; PAULA, T. Modelo conceitual para avaliação da infraestrutura escolar no Ensino Fundamental. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, DF, v. 100, n. 255, p. 297-330, maio/ago. 2019. https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.100i255.3866

ARRETCHE, M. T. S. (org.) Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo: Editora Unesp, 2015.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF,23 dez. 1996.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria n° 366, de 29 de abril de 2019. Estabelece as diretrizes de realização do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) no ano de 2019. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2 maio

Era INEP

BRASIL. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988.

BRESSOUX, P. As pesquisas sobre o efeito-escola e o efeito-professor. Educação em Revista, [s. l.], v. 38, p.17-88, dez. 2003.

BROOKE, N.; SOARES, J. F. Pesquisa em eficácia escolar: origem e trajetórias. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

BROOKOVER, W. B. et al. Schools, social systems and student achievement: schools can make a difference. New York: Praeger, 1979.

CAMPELLO, T., et al. Faces da desigualdade no Brasil: um olhar sobre os que ficam para trás. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. n. esp. 3, p. 54-66, nov. 2018. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S305.

CASTRO, M. H. G. As desigualdades regionais no sistema educacional brasileiro. In: BRASIL. Ministério da Educação. Desigualdade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: Ipea, 2000. p. 425-458.

COLEMAN, J. S. et al. Equality of educational opportunity. Washington, DC:US Government Printing Office, 1966.

DUARTE, M. R. T.; GOMES, C. A. T.; GOTELIPE, L. G. O. Condições de infraestrutura das escolas brasileiras: uma escola pobre para os pobres? Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, [s. l.], v. 27, n.70, p. 1-35, jun. 2019. https://doi.org/10.14507/epaa.27.3536

GAUTHIER, C. et al. Ensino explícito e desempenho dos alunos: a gestão dos aprendizados. Petrópolis: Vozes, 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Indicador de adequação de formação docente. Brasília, DF: INEP, 2014. [Nota técnica].

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Censo escolar 2019. Brasília. DF: INEP, 2020a.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Indicador de adequação de formação docente.

Brasília: INEP, 2020b. [Banco de dados]. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/acesso-a-informacao/dados-abertos/indicadores-educacionais/adequacao-da-formacao-docente. Acesso em: 12 maio 2021.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP Relatório de amostragem do Saeb. Brasília, DF, 2019. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/avaliacoes_e_exames_da_educacao_basica/relatorio_de_amostragem_do_Saeb_2019.pdf. Acesso em: 10 abr. 2021. Era Ministério da Educaçã

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Diretoria de Avaliação da Educação Básica. Detalhamento da população e resultados do SAEB 2019. Nota técnica n° 10/2019/GCIM/DAEB. Brasília, DF: INEP, 2014. Disponível em: https://download.inep.gov.br/saeb/outros_documentos/nota_tecnica_detalhamento_populacao_resultados_saeb_2019.pdf. Acesso em: 1 abr. 2023.

JANNUZZI, P. M. Monitoramento e avaliação de programas sociais: uma introdução aos conceitos e técnicas. Campinas: Alínea, 2016.

LASCOUMES, P.; LE GALÈS, P. A ação pública abordada pelos seus instrumentos. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 9, n. 18, p. 19-44, jul./dez. 2012a.

LASCOUMES, P.; LE GALÈS, P. Sociologia da ação pública. Maceió: EdUFAL, 2012b.

LEVINE (1996) apud SOARES; ALVES, 2002 LIMA, M. R.; PRATES, I. Desigualdades raciais no Brasil: um desafio persistente. In: ARRETCHE, M. (org.). Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo: Editora Unesp,

p. 163-189.

MAROY, C.; VOISIN, A. As transformações recentes das políticas de accountability na Educação: desafios e incidências das ferramentas de ação pública. Educação e Sociedade, Campinas, v. 34, n. 124, p. 881-901, jul.-set. 2013. https://doi.org/10.1590/S0101-73302013000300012

MEDEIROS, M.; OLIVEIRA, L. F. B. Desigualdades regionais em Educação: potencial de convergência. Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 29, n. 2, p. 561-585, ago. 2014. https://doi.org/10.1590/S0102-69922014000200012

OLIVEIRA, D. A. Nova gestão pública e governos democrático-populares: contradições entre a busca da eficiência e a ampliação do direito à Educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, nº. 132, p. 625-646, jul.-set., 2015. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015152440

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO – OCDE. Effective teacher policies: insights from PISA. [S. l.]: OECD Publishing, 2018a. Disponível em: https://www.oecd-ilibrary.org/education/effective-teacher-policies_9789264301603-en. Acesso em: 10 abr. 2021.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO – OCDE. Teachers in Ibero-America: insights from PISA and TALIS. [S. l.]: OECD Publishing, 2018b. Disponível em: http://www.oecd.org/pisa/Teachers-in-Ibero-America-Insights-from-PISA-and-TALIS.pdf. Acesso em: 10 abr. 2021.

RIBEIRO, C. C.; CENEVIVA, R.; BRITO, M. M. A. A estratificação educacional entre jovens no Brasil: 1960 a 2010. In: ARRETCHE, M. (org.). Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo: Editora Unesp; CEM, p. 79-108, 2015.

RIGOTTI. A transição da escolaridade no Brasil e as desigualdades regionais. Revista Brasileira de Estudos de População, [s. l.], v. 18, n. 1/2, p. 59-73, 2001.

RUTTER, M. et al. Fifteen thousand hours: secondary schools and their effects on children. Somerset: Open Books, 1979.

SOARES, J. F.; ALVES, M. T. G. Escola Eficaz: um estudo de caso em três escolas da rede pública de ensino do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2002.

SOUZA, A. M.; COSTA, M. A. Reformas do ensino básico: tendências e limites. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 64, p. 477-494, jul./set. 2009. https://doi.org/10.1590/S0104-40362009000300005

UNESCO. A promessa das avaliações de aprendizagem em larga escala: reconhecer os limites para desbloquear oportunidades. Paris, 2019. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000372615. Acesso em: 13 maio 2021.

WELTER, C. B. Os invisíveis da Prova Brasil. Curitiba: Appris, 2019.

WELTER, C. B.; WERLE, F. O. C. Processos de invisibilização na avaliação em larga escala. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v.2 9, n. 111, p. 441-460, abr./jun. 2021. https://doi.org/10.1590/s0104-40362020002802542




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362023003103515

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2023 Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank