Formação de professores e currículo: questões em debate

Antonio Flavio Barbosa Moreira

Resumo


O presente artigo traz uma análise teórica sobre a formação inicial docente e suas relações com o currículo. Busca-se, a partir dos argumentos levantados, configurar uma concepção de qualidade na escola e na formação docente, analisando a formação inicial de modo abrangente, para que se evitem parcialidades e fracionamentos. Como conclusões, aponta-se que essa formação não pode ser vista apenas como uma atividade prática, baseada na racionalidade instrumental, mas como atividade intelectual, pautada pelo exercício consciente da crítica e por uma postura humanista.


Palavras-chave


Formação de professores; Currículo; Humanismo

Referências


BAUMAN, Z. Modernidade líquida . Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BERNSTEIN, B. Pedagogia, control simbólico e identidad . Madrid: Morata, 1998.

DURKHEIM, E. The evolution of educational thought: Lectures on the formation and development of secondary education in France . London: Routledge & Kegan Paul, 1977.

FREITAS, L. C. Em direção a uma política para a formação de professores. Em Aberto , Brasília, DF, v. 12, n. 54, p. 3-22, abr./jun. 1992.

GIROUX, H. Teachers as intellectuals: toward a critical pedagogy of learning. Westport: Bergin & Garvey, 1988. (Critical studies in educativo series).

LUCKMANN, T. Condiciones estruturales necesarias para la constitución de la identidad personal. In: DREHER, J. et al. (orgs.). Construcción de identidades em sociedades pluralistas . Buenos Aires: Lumiere, 2007.

MOREIRA, A. F. O currículo como política cultural e a formação docente. In: SILVA, T. T.; MOREIRA, A. F. (orgs.). Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 7-20.

MOREIRA, A. F. Currículo e gestão: propondo uma parceria. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação , Rio de Janeiro, v. 21, n. 80, p. 547-562, jul./set. 2013. https://doi.org/10.1590/S0104-40362013000300009

MOREIRA, A. F.; MACEDO, E. F. Em defesa de uma orientação cultural na formação de professores. In: CANEN, A.; MOREIRA, A. F. B. (orgs.). Ênfases e omissões no currículo . Campinas: Papirus, 2001. p. 117-145.

MORGADO, J. C. Currículo e educação comparada: perspectivas e desafios. Revista Teias , Rio de Janeiro, v. 20, n. 57, p. 12-19, 2019. https://doi.org/10.12957/teias.2019.40262

PACHECO, J. A.; MENDES, G. M. L.; SOUSA, J. R. F. O conhecimento escolar em termos de uma pluralidade de saberes e novas formas de aprendizagem. Educação Unisino s, São Leopoldo, v. 22, n. 4, p. 268-277, out./dez. 2018. https://doi.org/10.4013/edu.2018.224.04

PINAR, W, F. A equivocada educação do público nos Estados Unidos. In: GARCIA, R. L.; MOREIRA, A. F. B. (orgs.). Currículo na contemporaneidade: incertezas e desafios. São Paulo: Cortez, 2003. p. 139-157.

PINAR, W. F. What is curriculum theory? Mahwah: Lawrence Erlbaum Associates, 2004.

SAID, E. Humanismo e crítica democrática . São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SARLO, B. Escenas de la vida posmoderna: intelectuales, arte y videocultura em la Argentina. Buenos Aires: Ariel, 1999.

SARLO, B. Tiempo presente: notas sobre el cambio de una cultura. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2001.

YOUNG, M. F. D. Bringing knowledge back in: from social constructivism to social realism in the sociology of education. London: Routledge, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362020002802992

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank