Agronegocio e educação ambiental: uma analise critica

Rodrigo Lamosa, Carlos Frederico B. Loureiro

Resumo


Desde 2001, a Associação Brasileira do Agronegocio (ABAG) passou a difundir o agronegocio por meio do programa de educação ambiental “Agronegocio na escola”, desenvolvido na rede pública de ensino de diversos municipios do estado de Sao Paulo. Neste artigo, discutem-se, a partir da entrada de projetos de educação ambiental de organizacoes privadas nas escolas públicas, as implicacoes para as estrategias empresariais e para a comunidade escolar. A investigação se traduziu em um estudo de caso, cujo recorte se justifica à medida que a ABAG se insere em um conjunto de entidades empresariais que desenvolvem programas educacionais em escolas públicas. A argumentação sustentada neste trabalho e que as escolas públicas e a educação ambiental, por meio de projetos empresariais, sao utilizadas como espaco e instrumento de difusao da nova sociabilidade do patronato rural e da ideologia do desenvolvimento sustentavel. O artigo concluiu que e possivel identificar que o programa garante elementos indispensaveis à qualidade da escola pública: formação de professores, material didatico e projetos educacionais. Entretanto, a insercao do programa organizado por uma entidade privada retira a possibilidade de existencia do carater público da escola, dado que o ensino promovido neste espaco passa a ser mediado por interesses do mercado.

Palavras-chave


Educação ambiental; Escola pública; Associação Brasileira do Agronegocio; Programa Agronegocio na escola

Referências


ALIER, J. M. O ecologismo dos pobres. Rio de Janeiro: Contexto, 2009.

ABAG. Associação Brasileira do Agronegócio. 15 anos ABAG: uma história de realizações em benefício do agronegócio brasileiro. São Paulo: ABAG, 2008.

______. Associação Brasileira do Agronegócio. Segurança alimentar: uma abordagem de agribusiness. São Paulo: ABAG, 1993.

______. Associação Brasileira do Agronegócio. Agribusiness Brasileiro: a história. São Paulo: Evoluir, 2002.

______. Associação Brasileira do Agronegócio. Site oficial. 2012. Disponível em:. Acesso em: 10 de fevereiro de 2012.

BRUNO, R. Senhores da terra, senhores da guerra: a nova face política das elites agroindustriais no Brasil. Rio de Janeiro: Forense Universitária-UFRRJ, 1997.

FOLADORI, G. Limites do desenvolvimento sustentável. Campinas: Edunicamp, 2001.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2010. (volume 2).

______. O Leitor de Gramsci. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2011.

GIDDENS, A. Para além da esquerda e da direita: o futuro da política radical. São Paulo: Editora da UNESP, 1996.

______. A Terceira Via e seus críticos. Rio de Janeiro: Record, 2001.

______. (Org.). O debate global sobre a Terceira Via. São Paulo: Editora Unesp, 2007.

KAPLAN, L., SERRÃO, M., LAMOSA, R.; LOUREIRO, C. F. B. Aproximações entre os discursos do Estado e do empresariado: os exemplos da sustentabilidade e da responsabilidade social. In: LOUREIRO, C. F. B. (Org.). Gestão pública do ambiente e educação ambiental: interfaces e caminhos. São Carlos: RIMA, 2012.

LAMOSA, R. A Educação Ambiental e a reorganização do padrão de sociabilidade do capital: um estudo de caso na rede municipal de Teresópolis. Dissertação (Mestrado)–

Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. Mapeando as macro-tendAancias político-pedagógicas da educação ambiental contemporânea no Brasil. In: ENCONTRO DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL, 6., Ribeirão Preto. Anais...Ribeirão Preto, 2011.

LEHER, R. Desafios para uma educação além do capital. In: JINKINGS, I.; NOBILE, R. (Org.). István Mészáros e os desafios do tempo histórico. São Paulo: Ed. Boitempo, 2011.

LOUREIRO, C. F. B. (Org.) Repensar a educação ambiental: um olhar crítico. São Paulo: Cortez, 2009.

LOUREIRO, C. F. B. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo: Cortez, 2012.

MARTINS, A. S. A direita para o social: a educação da sociabilidade no Brasil Contemporâneo. Juiz de Fora: UFJF, 2009.

MENDONÇA, S. R. Ruralismo brasileiro. São Paulo: Hucitec, 1997.

MENDONÇA, S. R. O patronato rural no Brasil recente (1964-1993). Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2010.

MULLER, G. O complexo agroindustrial brasileiro. São Paulo: FGV, 1981.

NEVES, L. M. W. A nova pedagogia da hegemonia: estratégia do capital para educar o consenso. São Paulo, Ed. Xamã, 2005.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização do trabalho docente. Revista Educação e Sociedade, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set./dez. 2004.

PINTO, R. G. O novo empresariado rural no Brasil: uma análise das origens, projetos e atuação da Associação Brasileira do Agribusiness (1990-2002). Dissertação (Mestrado)–Programa em Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Geografia da riqueza, fome e meio ambiente: pequena contribuição crítica ao atual modelo agrário/agrícola de uso dos recursos naturais. Inter Thesis, Florianópolis, 2004.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e método. 4. ed. Porto Alegre: Bookman Companhia Ed., 2010.

ZYLBERSTAJN, D. Estudos de casos em agribusiness. Porto Alegre, RS: Ed. Ortiz, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank