A pesquisa brasileira em Educação sobre o uso das tecnologias no Ensino Médio no início do século XXI e seu distanciamento da construção da BNCC

Alvaro Martins Fernandes Junior, Fernando José de Almeida, Siderly do Carmo Dahle de Almeida

Resumo


Esse estudo tem por objetivo “analisar de que maneira os conhecimentos produzidos pelas pesquisas nacionais fundamentam os argumentos para o uso de tecnologias digitais no Ensino Médio nas concepções teóricas da Base Nacional Comum Curricular”. A fundamentação teórica alicerça-se nos marcos legais que embasam a BNCC e os conceitos de pensamento computacional, de cultura digital e de mundo digital, estabelecendo as conexões entre esses temas. Foi realizado um estudo qualitativo em 295 teses e dissertações do século XXI e aplicadas as metodologias “Estado da Arte” como técnica para coleta de dados, e “Análise de Conteúdos” para a análise dos dados. Baseado no estudo, concluiu-se que, embora a Base deposite muitas expectativas com relação ao uso de tecnologias no Ensino Médio, ela não consegue transmitir isso explicitamente quando discorre sobre o assunto e, embora os jovens demandem uma escola mais moderna, não sabem reagir a atividades que demandem deles autonomia.


Palavras-chave


Currículo; Base Nacional Comum Curricular – BNCC; Ensino Médio; Tecnologias na Educação

Referências


ALMEIDA, F. J.; ALMEIDA, S. C. D.; FERNANDES JUNIOR, A. M. Cultura digital na escola: um estudo a partir dos relatórios de Políticas Públicas no Brasil. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 18, n. 58, p. 603-623, jul./set. 2018. http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.18.058.DS01

ALMEIDA, M. E. B.; VALENTE, J. A. Políticas de tecnologia na educação brasileira: histórico, lições aprendidas e recomendações. São Paulo: Centro de Inovação para a Educação Brasileira, 2016 (CIEB Estudos, #4). Disponível em: http://cieb.net.br/wp-content/uploads/2019/04/CIEB-Estudos-4-Politicas-de-Tecnologia-na-Educacao-Brasileira-v.-22dez2016.pdf Acesso em: 12 out. 2019

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. CAPES. Catálogo de teses e dissertações. Disponível em: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/ Acesso em: 10 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular: educação é a base. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2018. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf Acesso em: 5 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais gerais da educação básica. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2013. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15548-d-c-n-educacao-basica-nova-pdf&Itemid=30192 Acesso em: 2 nov. 2019.

CABEZAS-GONZALEZ, M. C.; CASILLAS-MARTIN, S. Las educadoras y educadores sociales ante la sociedad red. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 27, n. 104, p. 521-542, Sept. 2019. https://doi.org/10.1590/S0104-40362019002701360

CENTRO DE INOVAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA – CIEB. Currículo de referência em tecnologia e computação: da educação infantil ao ensino fundamental. São Paulo, 2018. Disponível em http://curriculo.cieb.net.br/assets/docs/Curriculo_de_Referencia_em_Tecnologia_e_Computacao.pdf Acesso em: 23 maio 2019.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2014.

FUZA, A. F.; MIRANDA, F. D. S. S. Tecnologias digitais, letramentos e gêneros discursivos nas diferentes áreas da BNCC: reflexos nos anos finais do ensino fundamental e na formação de professores. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 25, e250009, 2020. https://doi.org/10.1590/S1413-24782019250009

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. Pesquisa revela que 20 milhões de jovens nem estudam nem trabalham na América Latina e no Caribe. Ipea na Mídia, 3 dez. 2018. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=34460 Acesso em: 9 dez. 2019.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 2000.

PINTO, A. V. O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2007.

SOARES, L. H. et al. A autoridade docente e a sociedade da informação: o papel das tecnologias informacionais na docência. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 28, n. 106, p. 88-109, mar. 2020. https://doi.org/10.1590/S0104-40362019002701655

WING, J. M. Computational thinking. Comunications of the ACM, [s. l.], v. 49, n.3, p. 33-35, Mar. 2006. Disponível em: https://www.cs.cmu.edu/~15110-s13/Wing06-ct.pdf Acesso em: 12 ago. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-403620220003002943

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank