Gestao Pública da Educação Especial e Formalismo nas Politicas Públicas Inclusivas – o caso do Brasil

Bruno Luiz Americo, Fagner Carniel, Adriana Roseli Wünsch Takahashi

Resumo


A ideia de Educação Inclusiva tem adquirido proeminencia no contexto atual. Desse modo, a analise em questao versa sobre a compreensao de como a Educação Inclusiva no Brasil tem sido gerida a partir do Decreto n° 6.571/2008, considerando a perspectiva de analise do formalismo. Duas etapas de pesquisa foram realizadas, sendo a primeira com o conjunto das Secretarias de Educação do Brasil (pesquisa de levantamento) e outra com a Secretaria do Estado do Rio Grande do Norte (estudo de caso). Verificou-se que, apesar da pressao legal para um isomorfismo das práticas dentre as Secretarias, ha particularidades dentre elas, justificadas pelos aspectos contextuais e culturais. No caso em especifico da Secretaria estudada, foi possivel concluir que a pratica formalistica permite interrogar a eficácia das politicas do “conhecimento oficial” e suas outras formas de narrar nao somente a educação especial, mas a propria pluralidade de logicas e vivencias sociais.

Palavras-chave


Gestao Pública; Educação Especial; Politicas Públicas Inclusiva; Formalismo

Referências


APAE BRASIL. AssociaA§A£o de Pais e Amigos dos Excepcionais. HistA³rico da APAE no Brasil. DisponA­vel em: . Acesso em: 28 maio 2011.

APPLE, M. W. Conhecimento oficial: a educaA§A£o democrA¡tica numa era conservadora. Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

ARELARO, L. R. G. Direitos sociais e polA­tica educacional: alguns ainda sA£o

mais iguais que outros. In: SILVA, S.; VIZIN, M. (Org.). PolA­ticas pAºblicas:

educaA§A£o, tecnologias e pessoas com deficiAancias. Campinas: Mercado das Letras, 2003.

AZEVEDO, A.; ALBERNAZ, R.O. A ReduA§A£o SociolA³gica em Status Nascendi: os estudos literA¡rios de Guerreiro Ramos publicados na revista Cultura PolA­tica. Revista OrganizaA§Aµes & Sociedade, Bahia, v. 17, n. 52, p. 47-68, jan./mar. 2010.

BERG, B. L. Qualitative research methods for the social sciences. Boston: Allyn and Bacon, 2001.

BOAVA et al. Guerreiro Ramos e a Fenomenologia: reduA§A£o, mundo e existencialismo. Revista OrganizaA§Aµes & Sociedade, Bahia, v. 17, n. 52, p. 69-83, jan./mar. 2010.

BRASIL. ConstituiA§A£o (1988). ConstituiA§A£o da RepAºblica Federativa do Brasil. DiA¡rio Oficial da RepAºblica Federativa do Brasil, BrasA­lia, DF, 5 out., 1988.

______. Decreto no. 3.298, de 20 de dezembro de 1999. DispAµe sobre a PolA­tica Nacional para a IntegraA§A£o da Pessoa Portadora de DeficiAancia, consolida as normas de proteA§A£o, e dA¡ outras providAancias. DiA¡rio Oficial da RepAºblica Federativa do Brasil, BrasA­lia, DF, 21 dez. 1999.

______. Decreto no. 3.956, de 08 de outubro de 2001. Promulga a ConvenA§A£o Interamericana para a EliminaA§A£o de Todas as Formas de DiscriminaA§A£o contra as Pessoas Portadoras de DeficiAancia. DiA¡rio Oficial da RepAºblica Federativa do Brasil, BrasA­lia, DF, 09 dez. 2001a.

______. Lei n. 10.172, de 09 janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de EducaA§A£o e dA¡ outras providAancias. DiA¡rio Oficial da RepAºblica Federativa do Brasil, BrasA­lia, DF, 10 jan. 2001b.

______. Decreto n º 5.296, de 02 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis 10.048 e 10.098, que estabelece normas gerais e critA©rios bA¡sicos para a promoA§A£o da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiAancia ou com mobilidade reduzida, e dA¡ outras providAancias.DiA¡rio Oficial da RepAºblica Federativa do Brasil, BrasA­lia, DF, 03 dez. 2004.

______. Decreto n º 6.094, de 24 de abril de 2007. DispAµe sobre a implementaA§A£o do Plano de Metas Compromisso Todos pela EducaA§A£o. DiA¡rio Oficial da RepAºblica Federativa do Brasil, BrasA­lia, DF, 25 abr. 2007a.

______. Decreto n º 6.253, de 13 de novembro de 2007. DispAµe sobre o Fundo de ManutenA§A£o e Desenvolvimento da EducaA§A£o BA¡sica e de ValorizaA§A£o dos Profissionais da EducaA§A£o - FUNDEB. DiA¡rio Oficial da RepAºblica Federativa do Brasil, BrasA­lia, DF, 14 nov. 2007b.

BRASIL. Lei n º 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a PolA­tica Nacional de ProteA§A£o dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3º do art. 98 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. DiA¡rio Oficial da RepAºblica Federativa do Brasil, BrasA­lia, DF, 28 dez. 2012.

______. Lei n º 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as diretrizes e bases da educaA§A£o nacional. DiA¡rio Oficial da RepAºblica Federativa do Brasil, BrasA­lia, DF, 27 dez. 1961 e retificada em 28 dez. 1961.

______. Lei n º 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa as diretrizes e bases para o ensino de 1º. e 2º. Graus, e dA¡ outras providAancias. DiA¡rio Oficial da RepAºblica Federativa do Brasil, BrasA­lia, DF, 12 ago. 1971.

CASTOR, B. V. O Brasil nA£o A© para amadores: estado, governo e burocracia na terra do jeitinho. Curitiba: Ebel; IBQP-PR, 2000.

CRESWELL, J. W. Research design: qualitative, quantitative and mixed methods approaches. London: Sage, 2003.

______. Projeto de pesquisa: mA©todos qualitativos, quantitativo e misto. Porto Alegre: Editora Artmed; 2007.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. MA©todos de pesquisa em administraA§A£o. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

CORAZZA, S. M. Labirintos da pesquisa, diante dos ferrolhos. In: COSTA, M. V. Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educaA§A£o. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

DECLARAA‡AƒO DE SALAMANCA. DeclaraA§A£o de Salamanca: sobre princA­pios, polA­ticas e prA¡ticas na A¡rea das necessidades educativas especiais. BrasA­lia, DF: MinistA©rio da EducaA§A£o, 1994.

EISENHARDT, K. M. Building theories from case study research. The Academy of Management Review, v. 14, n. 4, p. 532-550, 1989.

FELDFEBER, M. InternacionalizaA§A£o da educaA§A£o, Tratados de Livre ComA©rcio e polA­ticas educativas na AmA©rica Latina. In: FERREIRA, E.; OLIVERIA, D. A. (Org.). Crise da Escola e PolA­ticas Educativas. Belo Horizonte: AutAantica, 2009.

FERREIRA, E.; OLIVERIA, D. A. (Org.). Crise da Escola e PolA­ticas Educativas. Belo Horizonte: AutAantica, 2009.

FREITAS, A. B. TraA§os brasileiros para uma anA¡lise organizacional. In: MOTTA, F. P.; CALDAS, M.P. (Org.). Cultura organizacional e cultura brasileira. SA£o Paulo: Atlas, 1997. p. 38-54.

FRIGOTTO, G. PolA­tica e gestA£o educacional na contemporaneidade. In: FERREIRA, E.; OLIVERIA, D. A. (Org.). Crise da Escola e PolA­ticas Educativas. Belo Horizonte: AutAantica, 2009.

HOLANDA, S. B. RaA­zes do Brasil. 26 ed. SA£o Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MACHADO DA SILVA, C. L. et al. InstitucionalizaA§A£o da mudanA§a na sociedade brasileira: o papel do formalismo. In: VIEIRA, M. M. F.; CARVALHO, C. A. OrganizaA§Aµes, instituiA§Aµes e poder no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

MINISTA‰RIO DA EDUCAA‡AƒO. Secretaria de EducaA§A£o Especial. PolA­tica Nacional de EducaA§A£o Especial na Perspectiva da EducaA§A£o Inclusiva: documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria Ministerial nº 555, de 5 de junho de 2007, prorrogada pela Portaria nº 948, de 09 de outubro de 2007. Brasilia, DF: MEC, 2007. DisponA­vel em: < http://peei.mec.gov.br/arquivos/politica_nacional_educacao_especial.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2010.

OLIVEIRA, D. A. PolA­tica Educativa, crise da escola e promoA§A£o de justiA§a social. In: FERREIRA, E.; OLIVERIA, D. A. (Org.). Crise da Escola e PolA­ticas Educativas. Belo Horizonte: AutAantica, 2009.

OLIVEIRA, C. B. de; PINTO, R. M. N. Um olhar para polA­ticas educacionais inclusivas e educaA§A£o infantil no Brasil. Revista Digital, Bueno Aires, ano 10, n. 70, mar. 2004. DisponA­vel em: . Acesso em: 15 jul. 2010.

PINHEIRO, H. L. As polA­ticas pAºblicas e as pessoas portadoras de deficiAancia. In: SILVA, S.; VIZIN, M. (Org.). PolA­ticas pAºblicas: educaA§A£o, tecnologias e pessoas com deficiAancias. Campinas: Mercado das Letras, 2003.

PRATES, M. A. S., BARROS, B. T. O Estilo Brasileiro de administrar: sumA¡rio de um modelo de aA§A£o cultural brasileiro com base na gestA£o empresarial. In: MOTTA, F. P.; CALDAS, M. P. (Org). Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. Editora Atlas: SA£o Paulo, 1997.

PRESTES MOTTA, F. C.; CALDA, M. P. Cultura organizacional e cultura brasileira. SA£o Paulo, Atlas, 1997.

RAMOS, A. G. AdministraA§A£o e contexto brasileiro: esboA§o de uma teoria geral da administraA§A£o. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1983.

______. AdministraA§A£o e estratA©gia de desenvolvimento. Rio de Janeiro: FundaA§A£o GetAºlio Vargas, 1966.

RAMOS, A. G. A reduA§A£o sociolA³gica: introduA§A£o ao estudo da razA£o sociolA³gica. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1965. p. 45-46.

RIGGS, F. W. A ecologia da administraA§A£o pAºblica. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1964.

SAUNDERS et al. Research methods for business students. Harlow: Prentice Hall, 2000.

SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenA§as. 3. ed. Porto Alegre:

MediaA§A£o, 2005.

SILVA, S. A. polA­tica educacional brasileira e as pessoas com deficiencias. Como difundir o discurso de uma polA­tica pAºblica de direitos e praticar a privatizaA§A£o. In: SILVA, S.; VIZIN, M. (Org.). PolA­ticas pAºblicas: educaA§A£o, tecnologias e pessoas com deficiAancias. Campinas: Mercado das Letras, 2003.

VEIGA-NETO, A.; WORTMANN, M. L. C. IntroduA§A£o. In: COSTA, M. V. Caminhos Investigativos: novos olhares na pesquisa em educaA§A£o. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

VERGARA, S. C. MA©todos de pesquisa em administraA§A£o. SA£o Paulo: Atlas, 2005.

WEBER, M. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1963.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank