A MORADA DA LINGUA PORTUGUESA

Arnaldo Niskier

Resumo


Temos raizes latinas muito solidas, o que nao foi suficiente para que o Acordo Ortografico de Unificação da Lingua Portuguesa, assinado em 1990, alcancasse a unanimidade desejavel. Em Lisboa ha um movimento sincronizado para colocar em dúvida as razoes lexicograficas das pequenas mudancas propostas. A escritora Lygia Fagundes Telles, falando na Academia Brasileira de Letras, pediu que liderassemos uma cruzada favoravel à lingua portuguesa. Devemos melhorar o atual indice de leitura (2,4 livros por habitante) e ampliar significativamente o número de bibliotecas públicas em todo o Pais. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 1996, e muito sobria em relação aos cuidados com a nossa lingua. De nada adianta ensinar a ler e a escrever sem a garantia da permanencia dos alunos nas escolas, lugar de “leitura critica” e interpretativa do que lhe chega por intermedio da imagem e do som. Temos um dado positivo que e a publicação, em alguns dos maiores jornais brasileiros, de colunas de valorização da lingua portuguesa. Este e um movimento extremamente saudavel. Devemos prestar atencao à introjecao de termos ligados ao nosso desenvolvimento científico e tecnologico. E um crescimento expressivo. A Academia Brasileira de Letras, a Casa de Machado de Assis, cumpre o que esta no artigo 1º do seu Estatuto: zelar pela integridade da lingua portuguesa. Para isso conta com o seu Vocabulario Ortografico (600 mil verbetes) e o Dicionario da Lingua Portuguesa, na versao escolar, ambos trabalho da sua ativa Comissao Lexicografica, que tem à frente a figura respeitavel do filologo e gramatico Evanildo Bechara. Cuida-se para que a invasao de estrangeirismos nao se torne excessiva e se evite o que o critico Wilson Martins chamou muito apropriadamente de “desnacionalização linguistica”.

Palavras-chave


Lingua Portuguesa; Estrategias da unificação; Indices de leitura

Referências


ABL. Academia Brasileira de Letras. Dicionário Escolar da Língua Portuguesa. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 2008.

______. Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 5. ed. São Paulo: Global Editora, 2009.

BECHARA, E. Minidicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2009.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2011.

CAVALCANTI FILHO, J. P. Fernando Pessoa, o livro das citações. Rio de Janeiro: Editora Record, 2013.

NISKIER, A. Língua Portuguesa, uma paixão. João Pessoa: A União Editora, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank