Avaliação de desempenho docente: culpar, punir ou desenvolver profissionalmente?

José Rubens Lima Jardilino, Ana Maria Mendes Sampaio, Andressa Maris Resende Oliveri

Resumo


Esse artigo tem por objetivo discutir a ADD – Avaliação de Desempenho Docente, sob a perspectiva do DPD – Desenvolvimento Profissional Docente, mediante dados levantados em pesquisa realizada junto ao Grupo de Pesquisa Formação e Profissão Docente, do Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade Federal de Ouro Preto. As análises apresentadas são resultados de grupos focais, realizados com 27 professores da rede pública municipal de ensino da cidade de Mariana – MG. Os resultados apontam que a ADD, quando alicerçada na valência formativa com fins de desenvolvimento profissional, configura-se como uma importante política, no contexto educacional. Entretanto, por vezes, a mesma vem sendo restrita a veículo de domínio e de controle do sistema sobre as carreiras dos professores. Realidade que desperdiça a promoção de mudanças nas práticas pedagógicas e no contexto socioeducativo.


Palavras-chave


Avaliação de Desempenho Docente; Desenvolvimento Profissional Docente; Carreira Docente

Referências


AFONSO, A. J. Políticas educativas e avaliação educacional. Braga: Universidade do Minho, 1998.

ANDRÉ, M. Políticas de valorização do trabalho docente no Brasil: algumas questões. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 23, n. 86, p. 213-230, jan./fev. 2015. https://doi.org/10.1590/S0104-40362015000100008

BRASIL. Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 out. 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Referenciais para formação de professores. 2. ed. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 jan. 2002.

DAVIS, C. L. F.; NUNES, M. M. R.; ALMEIDA, P. C. A. Formação continuada de professores: uma análise das modalidades e das práticas em estados e municípios brasileiros. São Paulo: Fundação Victor Civita: Fundação Carlos Chagas, 2011.

DAY, C. Avaliação do desenvolvimento profissional dos professores. In: ESTRELA, A.; NÓVOA, A. (orgs.). Avaliações em educação: novas perspectivas. Porto: Porto Editora, 1999. p. 95-108.

DAY, C. Desenvolvimento profissional de professores: os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora, 2011.

FARIAS, I. M. S.; JARDILINO, J. R. L.; SILVESTRE, M. A. Desenvolvimento profissional docente e inovação pedagógica: estudo exploratório sobre contribuições do PIBID. Brasília, DF: OBEDUC/CAPES, 2012.

FIORENTINI, D.; CRECCI, V. Desenvolvimento profissional docente: um termo guarda-chuva ou um novo sentido à formação? Formação Docente, Belo Horizonte, v. 5, n. 8, p. 11-23, 2013.

HADJI, C. A avaliação dos professores: linhas directivas para uma metodologia pertinente. In: ESTRELA, A.; RODRIGUES, P. (coords.). Para uma fundamentação da avaliação em Educação. Lisboa: Colibri, 1995. p. 27-36.

HIRATA, G.; OLIVEIRA, J. B. A.; MEREB, T. M. Professores: quem são, onde trabalham, quanto ganham. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 27, n. 102, p. 179-203, mar. 2019. https:// doi.org/10.1590/s0104-40362018002701888.

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo: Cortez, 2009.

MARCELO, C. Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Sísifo: Revista de Ciências da Educação, n. 8, p. 7-22, jan./abr. 2009.

MARCELO, C.; VAILLANT, D. Desarrollo profesional docente: ¿Cómo se aprende a enseñar? Madrid: Narcea, 2009.

MARIANA. Lei Complementar nº 139, de 29 de abril de 2014. Dispõe sobre o plano de carreira do pessoal do magistério, secretaria escolar e inspeção de alunos, e do pessoal de monitoria de creche e de monitoria de ensino especial da Secretaria de Educação do município de Mariana. Mariana, Secretaria Municipal de Educação, 2014. Disponível em: http://camarademariana.mg.gov.br/legislacoes/2561/. Acesso em: 5 jan. 2020.

MEDLEY, D. Teacher competency testing and the teacher educator. Charlottesville: Association of Teachers Educators, 1982.

MOURSHED, M.; CHIJIOKE, C.; BARBER, M. How the world’s most improved school systems keep getting better. London: Mckinsey & Company, 2010.

NEVO, D. Normative dimensions of evaluation practice. In: H. J. WALBERG, H. J.. HAERTEL, G. D. (eds.). The international encyclopedia of educational evaluation. Oxford: Pergamon Press, 1990. p. 89-91.

NEVO, D. School-based evaluation: a dialogue for school improvement. Oxford: Pergamon, 1995.

PACHECO, J. A.; FLORES, M. A. Formação e avaliação de professores. Porto: Porto Editora, 1999.

REIFSCHNEIDER, M. B. Considerações sobre avaliação de desempenho. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 58, p. 47-58, jan./mar. 2008. https://doi.org/10.1590/S0104-40362008000100004

SAMPAIO, A. M. M. Demandas de desenvolvimento profissional docente no município de Mariana-MG: PNE (2014-2024) e PME (2015-2024). Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2018.

SCRIVEN, M. A unified theory approach to teacher evaluation.Studies in Educational Evaluation, [s. l.],, v. 21, n. 2, p. 111-129, 1995. https://doi.org/10.1016/0191-491X(95)00009-J

WORLD BANK. Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Brasília, DF, 21 nov. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362021002902701

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.