Processos de invisibilização na avaliação em larga escala

Cristiane Backes Welter, Flávia Obino Corrêa Werle

Resumo


Resultados das avaliações em larga escala da Educação Básica são divulgados intensamente na mídia. Há, entretanto, desconhecimento quanto a temas como metodologia dessas avaliações, critérios de cálculo, de agregação dos resultados dos dados, dentre outros. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável por essa avaliação, emite muitas notas técnicas, portarias, notas informativas, pareceres que formatam e estabelecem normas para a mesma. Este artigo analisa regulamentações do Inep referentes a processos de avaliação em larga escala da Educação Básica. Destacamos trechos de documentos que normatizam tais avaliações, concluindo que muitos estudantes são por ela invisibilizados, o que permite questionar os indicadores alcançados e divulgados relativos ao nível de qualidade e de desenvolvimento da Educação Básica brasileira.


Palavras-chave


Qualidade; Indicadores; Documentos Legais

Referências


BALL, S. J. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em Educação. Currículo sem Fronteiras, [s. l.], v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001.

BALL, S. J. Educação global S.A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: UEPG, 2014.

BALL, S. J. Education reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press. 1994.

BALL, S. J. Novos Estados, nova governança e nova política educacional. In: APPLE, M. W.; BALL, S. J.; GANDIN, L. A. (org.). Sociologia da educação: análise internacional. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 177-189.

BALL, S. J.; BOWE, R. Subject departments and the “implementation” of National Curriculum policy: an overview of the issues. Journal of Curriculum Studies, London, v. 24, n. 2, p. 97-115, Mar. 1992. https://doi.org10.1080/0022027920240201

BASSANI, E. As políticas quantificadoras da Educação e as “novas” formas de exclusão: os “inclassificáveis”. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2013.

BONAMINO, A. C. Avaliação educacional no Brasil 25 anos depois. In: BAUER, A.; GATTI, B. A. (org.). Vinte e cinco anos de avaliação de sistemas educacionais no Brasil: implicações nas redes de ensino, no currículo e na formação de professores. Florianópolis: Insular, 2013. v. 2, p. 43-60.

BONAMINO, A. C. Tempos de avaliação educacional: o SAEB, seus agentes, referências e tendências. Rio de Janeiro: Quartet, 2002.

BONAMINO, A. C.; SOUSA, S. Z. Três gerações de avaliação da Educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 373-388, abr./jun. 2012. https://doi.org/10.1590/S1517-97022012005000006

BRANDÃO, A. A. Conceitos e coisas: Robert Castel, a “desfiliação” e a pobreza urbana. Revista Emancipação, Ponta Grossa, v. 2, n. 1, p. 141-157, 2002.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Educação: 2014-2024: Lei nº. 13.005 Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências: atualizada em 1/12/2014. Brasília, DF, 2014. (Legislação, n. 125). Disponível em: http://www.proec.ufpr.br/download/extensao/2016/creditacao/PNE%202014-2024.pdf. Acesso em: 3 jun. 2020.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 out. 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2001a.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/RESOLUCAOCNE_CP222DEDEZEMBRODE2017.pdf. Acesso em: 3 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais gerais da Educação básica. Brasília, DF, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file. Acesso em: 10 jun. 2015.

BUARQUE, C. Os instrangeiros: a aventura da opinião na fronteira dos séculos. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 2015.

CURY, C. R. J. A Educação nas constituições brasileiras. In: STEPHANOU, M.; BASTOS, M. H. C. (org.). Histórias e memórias da Educação no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 2005. v. 3, p. 19-29.

CURY, C. R. J. Conselhos de Educação: fundamentos e funções. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Goiânia, v. 22, n. 1, p. 41-67, jan./jun. 2006. https://doi.org/10.21573/vol22n12006.18721

FERNANDES, R. Nota técnica: Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB. Brasília, DF: INEP, 2008. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/portal_ideb/o_que_e_o_ideb/Nota_Tecnica_n1_concepcaoIDEB.pdf. Acesso em: 31 mar. 2020.

FERREIRA, S. L.; BERKENBROCK-ROSITO, M. M.; ALMEIDA, J. G. Teaching and researching quality indicators: a partnership with middle school students. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 26, n. 101, p. 1240-1261, out./dez. 2018. https://doi.org/10.1590/s0104-40362018002601570

GOBBI, B. C. et al. Uma boa gestão melhora o desempenho da escola, mas o que sabemos acerca do efeito da complexidade da gestão nessa relação? Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 28, n. 106, p. 198-220, jan./mar. 2020. https://doi.org/10.1590/s0104-40362019002701786

GUBA, E. G.; LINCOLN, Y. S. Avaliação de quarta geração. Campinas: Ed. Unicamp, 2011.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Nota explicativa resultados SAEB/Prova Brasil. Brasília, DF, 2011a.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Nota informativa do IDEB 2013. Brasília, DF, 2013a.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Nota informativa do IDEB 2011. Brasília, DF, 2011c. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/portal_ideb/o_que_e_o_ideb/nota_informativa_ideb_2011.pdf. Acesso em: 30 ago. 2020.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Nota metodológica sobre a compatibilização de desempenhos do PISA com a escala do SAEB. Brasília, DF, 2015b.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Nota técnica metodologia utilizada para o estabelecimento das metas intermediárias para a trajetória do IDEB no Brasil, Estados, Municípios e Escolas. Brasília, DF, 2015a. Era 2015b

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Portaria nº 149, de 16 de junho de 2011b. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 jun. 2011.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Portaria nº 304, de 21 de junho de 2013b. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 jun. 2013.

KLEIN, R. Uma solução para a divergência de diferentes padrões no SAEB. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 27, n. 103, p. 229-249, abr./jun. 2019. https://doi.org/10.1590/s0104-40362019002702060

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006. https://doi.org/10.1590/S0101-73302006000100003

MAINARDES, J.; MARCONDES, M. I. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 106, p. 303-318, jan./abr. 2009. https://doi.org/10.1590/S0101-73302009000100015

OLIVEIRA, A. C. P.; WALDHELM, A. P. S. Liderança do diretor, clima escolar e desempenho dos alunos: qual a relação? Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 24, n. 93, p. 824-844, out./dez. 2016. https://doi.org/10.1590/S0104-40362016000400003

SANTIAGO, M. C.; AKKARI, A.; MARQUES, L. P. Educação intercultural: desafios e possibilidades. Petrópolis: Vozes, 2013.

SANTOS, A. A.; HORTA NETO, J. L.; JUNQUEIRA, R. D. Sistema Nacional de Avaliação de Educação Básica (SINAEB): proposta para atender ao disposto no Plano Nacional de Educação. Brasília, DF: INEP, 2017. Disponível em: https://anped.org.br/sites/default/files/images/sistema_nacional_de_avaliacao_da_educacao_basica_sinaeb_-_proposta_para_atender_ao_disposto_no_plano_nacional_de_educacao_1.pdf. Acesso em: 16 mar. 2020.

SPOSATI, A. Cidade em pedaços. São Paulo: Brasiliense, 2001.

WELTER, C. B. Os invisíveis da Prova Brasil. Curitiba: Appris, 2019.

WERLE, F. O. C. (Org.) Avaliação em larga escala: foco na escola. São Leopoldo: OIKOS; Brasília, DF: Liber Livro, 2010.

WERLE, F. O. C. Avaliação em larga escala: questões polêmicas. Brasília, DF: Liber Livro, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362020002802542

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.