Uso das avaliações de larga escala na formulação de políticas públicas educacionais

Flavia Viana Basso, Rodrigo Rezende Ferreira, Adolfo Samuel Oliveira

Resumo


O objetivo do estudo é analisar os usos dos resultados das avaliações de larga escala na formulação de políticas públicas educacionais no Brasil, com base no Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB). A pesquisa foi desenvolvida em três etapas: pesquisa documental; aplicação de um questionário sobre o uso dos resultados; e entrevistas com representantes estaduais, aprofundando as informações coletadas na etapa anterior. Apresenta-se como resultado uma matriz classificatória na qual as políticas educacionais identificadas estão relacionadas, principalmente, ao uso dos dados como instrumento de gestão, à formação de professores, à disseminação de informações sobre o sistema educacional, à produção de materiais pedagógicos, a critério de distribuição de recursos e a políticas de incentivo salarial. Conclui-se que os resultados gerados estão sendo, de fato, utilizados na formulação de políticas educacionais, contudo, é necessário ampliar o uso das informações disponibilizadas para além do desempenho dos alunos nos testes cognitivos.

Palavras-chave


Políticas Públicas; Políticas Educacionais; Avaliação Educacional; Educação Básica

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo . 6. ed. Lisboa: 70, 2009.

BASTOS, R. M. B. O papel dos testes padronizados na política educacional para o ensino básico nos Estados Unidos. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação , Rio de Janeiro, v. 26, n. 99, p. 418-444, abr./jun. 2018. https://doi.org/10.1590/S0104-403620180026000993

BONAMINO, A. A evolução do SAEB: desafios para o futuro. Em Aberto , Brasília, v. 29, n. 96, p. 113-126, maio/ago. 2016. https://doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.29i96.%25p

BRASIL. Decreto nº 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do plano de metas compromisso todos pela educação, pela união federal, em regime de colaboração com municípios, Distrito Federal e estados, e a participação das famílias e da comunidade, mediante programas e ações de assistência técnica e financeira, visando a mobilização social pela melhoria da qualidade da educação básica. Diário Oficial da União , Brasília, DF, 24 abr. 2007.

BROOKE, N.; CUNHA, M. A. A.; FALEIROS, M. A avaliação externa como instrumento da gestão educacional dos estados . São Paulo: Fundação Victor Civita, 2011.

CAMPBELL, C.; LEVIN, B. Using data to support educational improvement. Educational Assessment, Evaluation and Accountability , London, v. 21, n. 1, p. 47-65, dez. 2009. https://doi.org/10.1007/s11092-008-9063-x

COELHO, M. I. M. Vinte anos de avaliação da educação básica no Brasil: aprendizagens e desafios. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação , Rio de Janeiro, v. 16, n. 59, p. 229-258, abr./jun. 2008. https://doi.org/10.1590/S0104-40362008000200005

FARIA, C. A. P.; FILGUEIRAS, C. A. C. As políticas dos sistemas de avaliação da educação básica do Chile e do Brasil. In: HOCHMAN, G.; ARRETCHE, M.; MARQUES, E. (org.). Políticas públicas no Brasil . Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2007. p. 327-368.

FERNANDES, R. Índice de desenvolvimento da educação básica (IDEB): metas intermediárias para a sua trajetória no Brasil, estados, municípios e escolas. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2007. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/portal_ideb/metodologias/Artigo_projecoes.pdf Acesso em: 24 mar. 2017.

HOWLETT, M.; RAMESH, M.; PERL, A. Política pública: seus ciclos e subsistemas; uma abordagem integral. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

JANNUZZI, P. M. Indicadores para diagnóstico, monitoramento e avaliação de programas sociais no Brasil. Revista do Serviço Público , Brasília, v. 56, n. 2, p. 137-160, abr./jun. 2005. https://doi.org/10.21874/rsp.v56i2.222

KELLAGHAN, T.; GREANEY, V.; MURRAY, T. S. O uso dos resultados da avaliação do desempenho educacional . Brasília, DF: World Bank, 2011. (Pesquisas do banco mundial sobre avaliações de desempenho educacional, v. 5).

KLEIN, R. Uma solução para a divergência de diferentes padrões no SAEB. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação , Rio de Janeiro, v. 27, n. 103, p. 229-249, abr./jun. 2019. https://doi.org/10.1590/S0104-40362019002702060

LOUREIRO, M. R.; ABRUCIO, F. L.; PACHECO, R. S. Burocracia e política no Brasil: desafios para o estado democrático no século XXI. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2010.

OLIVEIRA, R. P. Da universalização do ensino fundamental ao desafio da qualidade: uma análise histórica. Educação & Sociedade , Campinas, v. 28, n. 100, p. 661-690, out. 2007. https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000300003

PESTANA, M. I. Trajetória do SAEB: criação, amadurecimento e desafios. Em Aberto , Brasília, v. 29, n. 96, p. 71-84, maio/ago. 2016. https://doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.29i96.%25p

ROSISTOLATO, R.; PRADO, A. P.; MARTINS, L. R. A “realidade” de cada escola e a recepção de políticas educacionais. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação , Rio de Janeiro, v. 26, n. 98, p. 112-132, jan./mar. 2018. https://doi.org/10.1590/S0104-40362018002601074

SCHNEIDER, M. P. Pesquisa em política educacional: desafios na consolidação de um campo. Revista de Educação , Campinas, v. 19, n. 1, p. 5-13, jan./abr. 2014. https://doi.org/10.24220/2318-0870v19n1a2610

SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública , Rio de Janeiro, v. 43, n. 2, p. 347-369, abr. 2009. https://doi.org/10.1590/S0034-76122009000200004

SHEPARD, L. A checklist for evaluating large-scale assessment programs . Kalamazoo: Western Michigan University, 1977.

SILVA, V. et al. Uso da avaliação externa por equipes gestoras e profissionais docentes: um estudo em quatro redes de ensino público. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2013.

THOMAS, H. G. Towards a new higher education law in Lithuania: reflections on the process of policy formulation. Higher Education Policy , Paris, v. 14, n. 3, p. 213-223, set. 2001. https://doi.org/10.1016/S0952-8733(01)00015-0

TURNER, S. P. The concept of face validity. Quality & Quantity , Cham, v. 13, n. 1, p. 85-90, fev. 1979. https://doi.org/10.1007/BF00222826

WEISS, C. H. Have we learned anything new about the use of evaluation? The American Journal of Evaluation , Washington, v. 19, n. 1, p. 21-33, jan. 1998. https://doi.org/10.1177/109821409801900103

WISEMAN, A. W. The uses of evidence for educational policymaking: global contexts and international trends. Review of Research in Education , Washington, v. 34, n. 1, p. 1-24, mar. 2010. https://doi.org/10.3102/0091732X09350472

WU, X. et al. Guia de políticas públicas: gerenciando processos. Brasília, DF: Escola Nacional de Administração Pública, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362021002902436

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank