Os Planos Municipais de Educação do Estado do Rio de Janeiro: um mapeamento de metas, estratégias e desafios

Jorge Najjar, Marcelo Maia Vinagre Mocarzel, Karine Morgan

Resumo


Este artigo decorre de uma pesquisa realizada com os Planos Municipais de Educação de 89 municípios do Estado do Rio de Janeiro. A partir da abordagem do ciclo de políticas e da análise de conteúdo dos textos legais, foram selecionadas as categorias analíticas Gênero, Educação em Tempo Integral e Qualidade, buscando-se entender como as mesmas eram retratadas nos planos e que filiações ideológicas as amparavam. Ao se analisar o contexto da produção de textos e seus desdobramentos, buscou-se uma perspectiva crítica acerca da função do planejamento de políticas educacionais.


Palavras-chave


lano Municipal de Educação; Ciclo de Políticas; Rio de Janeiro

Referências


AFONSO, A. J. Para uma conceitualização alternativa de accountability em educação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 471-484, abr.-jun. 2012. https://doi.org/10.1590/S0101-73302012000200008 [ Links ]

ALMEIDA, L.; DALBEN, A.; FREITAS, L. C. O Ideb: limites e ilusões de uma política pública educacional. Educação & Sociedade, Campinas, v. 34, n. 125, p. 1153-1174, out.-dez. 2013. https://doi.org/10.1590/S0101-73302013000400008 [ Links ]

BALL, S. J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 539-564, set.-dez. 2005. https://doi.org/10.1590/S0100-15742005000300002 [ Links ]

BALL, S. J. Performatividades e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 37-55, maio-ago. 2010. Disponível em: < https://seer.ufrgs.br/article/view/15865/9445> . Acesso em: 11 nov. 2017.

BALL, S. J.; BOWE, R. Subject departments and the “implementation” of National Curriculum policy: an overview of the issues. Journal of Curriculum Studies, Londres, v. 24, n. 2, p. 97-115, Mar. 1992. https://doi.org/10.1080/0022027920240201 [ Links ]

BALL, S. J.; MAGUIRE, M.; BRAUN, A. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1994.

BAYARDO, B. Sex and the curriculum in Mexico and the United States: a heavy burden in ignorance. In: STROMQUIST, N. P. (ed.). Gender dimensions in education in Latin America. Washington, DC: OEA, 1995. p. 157-186.

BORDIGNON, G. Caminhar da educação brasileira: muitos planos, pouco planejamento. In: SOUZA, D. B.; MARTINS, A. M. Planos de educação no Brasil: planejamento, políticas, práticas. São Paulo: Loyola, 2014. p. 29-53.

BRANCO, V. A política de formação continuada de professores para a educação integral. In: MOLL, J. et al. Caminhos da educação integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012. p. 246-257.

BRASIL. Documento norteador para elaboração de Plano Municipal de Educação – PME. Brasília, DF: Secretaria de Educação Básica, 2005.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as diretrizes e bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, dez. 1961.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 1996.

BRASIL. Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2001.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014.

CAVALIERE, A. M. Tempo de escola e qualidade na educação pública. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1015-1035, out. 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302007000300018 [ Links ]

COELHO, L. M. (org.). Educação integral em tempo integral: estudos e experiências em processo. Petrópolis: DP et Alii, 2009.

DOURADO, L. F.; GROSSI JUNIOR, G.; FURTADO, R. A. Monitoramento e avaliação dos planos de educação: breves contribuições. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Goiânia, v. 32, n. 2, p. 449-461, maio/ago. 2016. https://doi.org/10.21573/vol32n22016.67198 [ Links ]

DOURADO, L. F.; OLIVEIRA, J. F.; SANTOS, C. A qualidade da educação: conceitos e definições. Brasília, DF: Inep, 2007.

ESTEBAN, M. T.; FETZNER, A. R. A redução da escola: a avaliação externa e o aprisionamento curricular. Educar em Revista, Curitiba, n. spe 1, p. 75-92, 2015. https://doi.org/10.1590/0104-4060.41452 [ Links ]

GADOTTI, M. Perspectivas atuais de educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002.

LIMA, L. A escola como organização educativa. São Paulo: Cortez, 2011.

MENDES, D. T. O planejamento educacional no Brasil. Rio de Janeiro: Eduerj, 2000.

MENEZES, J. Educação integral e tempo integral na educação básica: da LDB ao PDE. In: COELHO, L. M. C. C. (Org.). Educação integral em tempo integral: estudos e experiências em processo. Petrópolis, RJ: DP et Alli, 2009. p. 21-37.

MORGAN, K. V. O Programa Mais Educação no Formigueiro das Américas: a política de indução à Educação Integral no município de São João de Meriti. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2015.

NAJJAR, J.; MOCARZEL, M. Políticas públicas para a qualidade: notas sobre a realidade brasileira. In: NAJJAR, J.; CASTAÑO, L.; DIAZ, F. (Orgs.). Desafios e perspectivas na educação para Brasil e Colômbia. Niterói: Intertexto, 2013. p. 77-88.

OLIVEIRA, J. F. Educação escolar e currículo: por que reformas curriculares têm fracassado no Brasil? In: DOURADO, L. F. (org.). Políticas e gestão da educação no Brasil: novos marcos regulatórios? São Paulo: Xamã, 2009. p. 49-58.

PEREIRA, S. M. O Sistema Municipal de Ensino em análise: avanços e desafios. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 26, n. 101, p. 1372-1392, out.-dez. 2018. https://doi.org/10.1590/s0104-40362018002601066 [ Links ]

RAVITCH, D. The death and life of the great american school system: how testing and choice are undermining education. New York: Basic, 2010.

SACRISTÁN, J. G.; PÉREZ GOMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 2007.

SANTOS, M. Educação do Campo no Plano Nacional de Educação: tensões entre a garantia e a negação do direito à educação. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 26, n. 98, p. 185-212, jan.-mar. 2018. https://doi.org/10.1590/s0104-40362018002600965 [ Links ]

SOUZA, D. B.; MARTINS, A. M. (orgs.). Planos de educação no Brasil: planejamentos, políticas, práticas. São Paulo: Loyola, 2014.

TEIXEIRA, L. Planos de educação no contexto brasileiro e a relação com os sistemas de ensino. In: NAJJAR, J. (org.). Políticas públicas em educação (e outras nem tanto): cidadania, trabalho docente e identidade. Niterói: Intertexto, 2012. p. 21-40.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362020002802120

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.