O direito à diversidade na via da interculturalidade no curriculo escolar

Ana Maria Eyng, Glaucio Luiz Mota, Mônica Luiza Simiao Pinto, Cleumir Sehn

Resumo


No presente texto, problematizamos o direito à diversidade no curriculo, considerando-o como um percurso de constituicao identitaria e de garantia de direitos, mediante práticas que dialoguem com a igualdade e a diferenca via interculturalidade. O metodo dialetico pauta o estabelecimento da relação dialogica entre tracos de estudos teoricos, de politicas públicas e de percepcoes de sujeitos do curriculo na perspectiva dos estudos culturais. Nesse intuito, trazemos as vozes de estudantes e de professores sobre um dos tracos da diversidade, as religiosidades. Historicamente, trata-se de tematica fonte de acirradas disputas, embora seus propositos sejam de conciliação. Os resultados apontam a permanencia do desafio da efetivação do direito à diversidade no curriculo, cuja superação requer luta pelos principios democraticos, pela via da interculturalidade capaz de promover a participação e o reconhecimento, da igualdade e da diferenca. Portanto, a garantia do direito à diversidade requer a pratica de uma pedagogia que favoreca o acesso às fronteiras no terreno contestado do curriculo, por meio de negociacoes culturais justas.


Palavras-chave


Curriculo; Diversidade cultural; Interculturalidade; Garantia de direitos; Educação Basica

Referências


ARROYO, M. G. Outros sujeitos, outras pedagogias. Petroplis: Vozes, 2012.

BERGER, P. L. Rumor de anjos: a sociedade moderna e a redescoberta do sobrenatural. 2. ed. Petroplis: Vozes, 1997.

BERGER, P. L. Dossel Sagrado: elementos para uma teoria sociolgica da religio. 7. reimpr. So Paulo: Paulus, 2001.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

BOBBIO, N. A era dos direitos. 7. reimpr. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil, 2004.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigao qualitativa em educao: uma introduo teoria e aos mtodos. Porto: Porto Ed., 1994.

BONAVIDES, P. A quinta gerao de direitos fundamentais. Revista Brasileira de Direitos Fundamentais e Justia, n. 3, p. 8283, 2008.

BRASIL. Comit Nacional de Educao em Direitos Humanos. Plano nacional de educao em direitos humanos. Braslia, DF: Ministrio da Justia, SEDH : Ministrio da Educao, 2007.

BRASIL. Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3). Braslia, DF: Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidncia da Repblica, 2010.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 8 de 6 de maro de 2012. Diretrizes Nacionais para a Educao em Direitos Humanos. Dirio Oficial da Unio. Braslia, DF, 30 maio 2012. Seo 1, p. 33.

CANDAU, V. M. Sociedade multicultural e educao: tenses e desafios. In: CANDAU, V. M. (Org.). Didtica crtica intercultural: aproximaes. Petrpolis: Vozes, 2012. p. 1954.

CIPRIANI, R. Manual de sociologia da religio. So Paulo: Paulus, 2007.

COSTA, M. V.; WORTMANN, M. L.; BONIN, I. T. Contribuies dos estudos culturais s pesquisas sobre currculo: uma reviso. Currculo sem fronteiras, v. 16, n. 3, p. 509541, set./dez. 2016.

CULLETON, A.; BRAGATO, F. F.; FAJARDO, S. P. Perspectiva Histrica dos Direitos Humanos. In: CULLETON, A.; BRAGATO, F. F.; FAJARDO, S. P. Curso de direitos humanos. So Leopoldo, RS: Unisinos, 2009. p. 2742.

ESTEVO, C. V. Direitos humanos, justia social e educao pblica: repensar a escola pblica como um direito na era dos mercados. In: EYNG, A. M. (Org.). Direitos humanos e violncia nas escolas: desafios e questes em dilogo. Curitiba: CRV, 2013.

EYNG, A. M. Currculo escolar. 2. ed. rev. atual. Curitiba: Intersaberes, 2010.

EYNG, A. M. Educao em Direitos Humanos no currculo escolar: o projeto poltico pedaggico como espao de garantia ou violao de direitos. In: EYNG, A. M. (Org.). Direitos humanos e violncia nas escolas: desafios e questes em dilogo. Curitiba: CRV, 2013. p. 2958.

EYNG, A. M. et al. Diversidade e padronizao nas polticas educacionais: configuraes da convivncia escolar. Ensaio: Avaliao de Polticas Pblicas em Educao, v.21, n. 81, p. 773800, out./dez. 2013. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362013000400007

FOUCAULT, M. O Sujeito e o Poder. In: RABINOW, P; DREYFUS, H. Michel Foucault: uma trajetria filosfica: para alm do estruturalismo e da hermenutica. Rio de Janeiro: Forense Universitria, 1995. p. 231249.

GARCA CANCLINI, N. G. A globalizao imaginada. So Paulo: Iluminuras, 2007.

GIROUX, H. A. Cruzando as fronteiras do discurso educacional: novas polticas em educao. Porto Alegre: Artmed, 1999.

HALL, S. Da dispora: identidades e mediaes culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2009.

MACEDO, E. Currculo como espao-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educao, So Paulo, v. 11, n. 32, p. 285296, 2006. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782006000200007

MACEDO, E. A noo de crise e a legitimao de discursos curriculares. Currculo sem Fronteiras, v. 13, n. 3, p. 436-450, set./dez. 2013.

MOTA, G. L. Currculos e religiosidades: as manifestaes religiosas como campo da diversidade cultural na escola. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAO (EDUCERE), 2015, 12. Anais... Curitiba: PUCPRess, 2015. p. 17613-17624.

NOVAES, R. Os jovens sem religio: ventos secularizantes, esprito de poca e novos sincretismos: notas preliminares. Estudos avanados, v. 18, n. 52, p. 321330, 2004. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142004000300020

ORGANIZAO DAS NAES UNIDAS (ONU). Declarao Universal dos Direitos Humanos. Paris: ONU, 1948.

ORGANIZAO DAS NAES UNIDAS (ONU). Conferncia Mundial dos Direitos Humanos: declaraes e programas de aes de Viena. Viena: ONU, 1993.

ORGANIZAO DAS NAES UNIDAS PARA EDUCAO, CINCIA E CULTURA (UNESCO). Conveno da UNESCO relativa luta contra as discriminaes na esfera do ensino. [S.l]: Unesco, 1960..

ORGANIZAO DAS NAES UNIDAS PARA EDUCAO, CINCIA E CULTURA (UNESCO). Dcada da Educao em matria de Direitos Humanos Genebra: ONU, 1994. Disponvel em < http://direitoshumanos.gddc.pt/pdf/serie_decada_1_b.pdf>. Acesso em 20 fev. 2017.

ORGANIZAO DAS NAES UNIDAS PARA EDUCAO, CINCIA E CULTURA (UNESCO). Programa Mundial de Educao em Direitos Humanos: plano de ao: primeira fase. Braslia, DF: UNESCO / OHCHR, 2006. Disponvel em: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001478/147853por.pdf. Acesso em: 20 fev. 2017.

SANTOS, B. S. A gramtica do tempo: para uma nova cultura poltica. 3. ed. So Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, T. T. (Org.). Aliengenas na sala de aula: uma introduo aos estudos culturais em educao. 6. ed. Petrpolis: Vozes, 2005.

SILVA, T. T. O currculo como fetiche: a potica e a poltica do texto curricular. 1. ed., 4. reimpr. Belo Horizonte: Autntica, 2010.

SILVA, T. T. A produo social da identidade e da diferena. In: SILVA, T. T.; HALL, S.; WOODWARD, K. (Org.). Identidade e diferena: a perspectiva dos estudos culturais. Petrpolis: Vozes, 2014.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introducao s teorias de curriculo. 3. ed. Belo Horizonte: Autentica, 2015.

SIMMEL, G. Religiao: Ensaios. Sao Paulo: Olho dAgua, 2009. v. 1.

TORRES SANTOME, J. Curriculo escolar e justica social: o cavalo de troia da Educacao. Porto Alegre: Penso, 2013.

VEIGA-NETO, A. Cultura, culturas e educacao. Revista Brasileira de Educacao. n. 23, p. 515, 2003. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782003000200002

VIANNA, H. M. Pesquisa em educacao: a observacao. 22. ed. Brasilia, DF: Liber Livro, 2007.

VATTIMO, G. O vestigio do vestigio. In: DERRIDA, J.; VATTIMO, G. (Org.). A religiao: o seminario de Capri. Sao Paulo: Estacao Liberdade, 2000. p. 91107.

WALSH, C. Interculturalidade critica e pedagogia de-colonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: CANDAU, V. M. F. (Org.). Educacao Intercultural na America Latina: entre concepcoes, tensoes e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 1142.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362018002601412

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank