Politicas de ampliação da jornada escolar para o Ensino Medio no Rio Grande do Sul: um estudo sobre o conhecimento escolar

Roberto Rafael Dias da Silva

Resumo


O presente artigo objetiva fazer um mapeamento das estrategias politicas de constituicao do conhecimento escolar nas politicas de ampliação da jornada para o Ensino Medio no Estado do Rio Grande do Sul, considerando o cenario das politicas curriculares da última decada (2002-2012). Com essa intencao, o estudo inscreve-se no campo dos Estudos Curriculares, sobretudo aqueles vinculados à tradicao critica, seja por meio dos estudos sociologicos do conhecimento escolar, seja pelos estudos politicos sobre a instituicao escolar em sociedades neoliberais. Sob diferentes formatos, percebeu-se que a protecao social, o desenvolvimento econômico e a personalização dos percursos sao algumas das racionalidades politicas orientadoras das referidas politicas. Em comum nas diferentes politicas, podemos indicar a ausencia de uma concepcao do conhecimento escolar dimensionada em sua objetividade e, ao mesmo tempo, justificada pelo seu carater formativo. Os processos de selecao dos conhecimentos sao regidos por sistemas de raciocinio pedagogico produzidos de forma exogena aos processos escolares, direcionando-os para o atendimento de demandas sociais e econômicas

Palavras-chave


Politicas curriculares; Conhecimento escolar; Ensino Medio

Referências


BALL, S. Privatising education, privatising education policy, privatising educational research: network governance and the “competition state”. Journal of Educational Policy, London, v. 24, n. 1, p. 83-99, 2009.

BALL, S. Performatividades e fabricacoes na Economia Educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educacao e Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 37-55, maio. 2010.

BALL, S.; MAINARDES, J. (Orgs.). Politicas educacionais: questoes e dilemas. Sao Paulo: Cortez, 2011.

BAUMAN, Z. Modernidade Liquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

BAUMAN, Z. Vigilância liquida: dialogos com David Lyon. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

BOMENY, H. Salvar pela escola: programa especial de educacao. Sociologia, problemas e praticas, Coimbra, n. 55, p. 41-67, 2007.

BRANDAO, Z. Escola de tempo integral e cidadania escolar. Em Aberto, Brasilia, v. 22, n. 80, p. 97-108, abril. 2009.

BRASIL. Programa Ensino Medio Inovador: documento orientador. Brasilia: MEC, 2009.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Medio. Brasilia: CNE, 2012.

CAMBI, F. Historia da Pedagogia. Sao Paulo: Ed. UNESP, 1999.

CASTRO, M.; SOUZA, M.; WERLE, F.; MORAIS,V. Escola Estadual Neusa Mari Pacheco: a Scholl Where Participation Makes a Difference. JISTE. Journal of the International Society for Teacher Education, v. 15, p. 76-81, 2011.

CATABRINNI, U. L'Ecole du tempo pieno em Italie. In: COMPÈRE, M. Historie du temps scolaire em Europe. Paris: Editions Economica, 1997, p. 313-342.

CAVALIERE, A. Tempo de escola e qualidade na educacao pública. Educacao e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1015-1035, outubro. 2007.

CAVALIERE, A. Escolas de tempo integral versus alunos em tempo integral. Em Aberto, Brasilia, v. 22, n. 80, p. 51-83, abril. 2009.

CHARLOT, B. A escola e o trabalho dos alunos. Sisifo – Revista de ciencias da educacao, Lisboa, n. 10, p. 89-96, setembro. 2009.

COELHO, L. Historia(s) da educacao integral. Em Aberto, Brasilia, v. 22, n. 80, p. 83-96, abril. 2009.

CONNEL, R. W. Escuelas y justicia social. Madrid: Ediciones Morata, 1997.

DALE, R. Globalizacao e educacao: demonstrando a existencia de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “uma agenda globalmente estruturada para a educacao”?. Educacao e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 87, p. 423-460, maio. 2004.

DIAZ-BARRIGA, A. Curriculo, escuelas de pensamiento y su expresion en la tension entre saberes conceptuales y praticos. Curriculo sem Fronteiras, v. 13, n. 3, p. 346-360, setembro. 2013.

DUSSEL, I. A transmissao cultural assediada: metamorfoses da cultura comum na escola. Cadernos de Pesquisa, Sao Paulo, v. 39, n. 137, p. 351-365, maio. 2009.

FABRIS, E. A escola contemporânea: um espaco de convivencia?. Anais da 30º Reuniao Anual da ANPED. Rio de Janeiro: ANPED, 2007.

FABRIS, E.; TRAVERSINI, C. Conhecimentos escolares sob outras configuracoes: efeitos das movimentacoes disciplinares e de controle. Anais da 34º Reuniao Anual da ANPED. Rio de Janeiro: ANPED, 2011.

FINOCCHIO, S. Una cartografia de saberes escolares en movimiento para America Latina. Propuesta Educativa, Buenos Aires, n. 34, v. 2, p. 65-76, 2010.

GABRIEL, C.; CASTRO, M. Conhecimento escolar: objeto incontornavel da agenda politica educacional contemporânea. Educacao em Questao, Natal, v. 45, n. 31, p. 82-110, 2013.

LIBÂNEO, J. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educacao e Pesquisa, Sao Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, abril. 2012.

LIMA, L. Aprender para ganhar, conhecer para competir. Sao Paulo: Cortez, 2012.

LOPES, A.; MACEDO, E. Teorias do curriculo. Sao Paulo: Cortez, 2011.

MAURICIO, L. Literatura e representacoes da escola pública de horario integral. Revista Brasileira de Educacao, Rio de Janeiro, n. 27, p. 40-56, setembro. 2004.

MIRANDA, M. Sobre tempos e espacos da escola: do principio do conhecimento ao principio da socialidade. Educacao e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 638-651, maio. 2005.

MOLL, J. Caminhos da educacao integral no Brasil. Porto Alegre: Penso, 2012.

MOREIRA, A. F. B. A importância do conhecimento escolar em propostas curriculares alternativas. Educacao em Revista, Belo Horizonte, v. 45, p. 265-290, junho. 2007.

MOREIRA, A. F. B. Qualidade na educacao e no curriculo: tensoes e desafios. Revista Educacao On-line (PUCRJ), Rio de Janeiro, v. 4, p. 1-14, 2009.

MOREIRA, A. F. B. Lendo Stella: um mote para pensar o fundamental na escola de ensino fundamental. Revista da FAEEBA – Educacao e Contemporaneidade, Salvador, v. 19, n. 34, p. 193-205, 2010.

MOREIRA, A. F. B.; CANDAU, V. Indagacoes sobre curriculo: curriculo, conhecimento e cultura. Brasilia: MEC/SEB, 2008.

MOREIRA, A. F. B. Curriculo e gestao: propondo uma parceria. Ensaio, Rio de Janeiro, v. 21, n. 80, p. 547-562, julho. 2013.

MULLER, J. Reclaiming knowledge: social theory, curriculum and education policy. Londres: Routledge, 2000.

MULLER, J. Revisitando o progressivismo: Ethos, politica, Pathos. In: GARCIA, R. L.; MOREIRA, A. F. B. (Orgs.). Curriculo na contemporaneidade: incertezas e desafios. Sao Paulo: Cortez, 2003, p. 293-318.

NARODOWSKI, M.; BRAILOVSKI, D. La cuestion del fin de la razon de estado en la historia de la escolarizacion. In: NARODOWSKI, M.; BRAILOVSKI, D. (Orgs.). Dolor de escuela. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2006, p. 61-80.

NOVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

OLIVEIRA, D. A nova regulacao de forcas no interior da escola: carreira, formacao e avaliacao docente. Revista Brasileira de Politica e Administracao Educacional, Porto Alegre, v. 27, n. 1, p.25-38, janeiro. 2011.

PACHECO, J.; PEREIRA, N. Estudos curriculares: das teorias aos projectos de escola. Educacao em Revista, Belo Horizonte, v. 45, p. 197-221, junho. 2007.

PACHECO, J. Politicas curriculares: referenciais para analise. Porto Alegre: Artmed, 2003.

PACHECO, J. Uma perspectiva actual sobre a investigacao em Estudos Curriculares. Perspectiva, Florianopolis, v. 24, n. 1, p. 247-272, janeiro. 2006.

POPKEWITZ, T. Reforma, conhecimento pedagogico e administracao social da individualidade: a educacao escolar como efeito de poder. In: IMBERNON, F. (Org.). A educacao no seculo XXI: os desafios do futuro imediato. Porto Alegre: Artmed, 2000, p. 141-170.

POPKEWITZ, T. El cosmopolitismo y la era de la reforma escolar. Madrid: Morata, 2009.

RIO GRANDE DO SUL. Proposta Pedagogica para o Ensino Medio Politecnico. Porto Alegre: SE, 2012a.

RIO GRANDE DO SUL. Ensino Medio Politecnico: sintese da proposta. Porto Alegre: SE, 2012b.

ROBERTSON, S. A estranha nao morte da privatizacao neoliberal na Estrategia 2020 para a educacao do Banco Mundial. Revista Brasileira de Educacao, Rio de Janeiro, v. 17, n. 50, p. 283-302, maio. 2012.

SACRISTAN, G. El valor del tiempo en educacion. Madrid: Morata, 2008.

SARLO, B. Tempo presente: notas sobre a mudanca de uma cultura. Rio de Janeiro: Jose Olympio, 2005.

SENNETT, R. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SENNETT, R. A corrosao do carater: consequencias pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 1999.

SHIROMA, E.; GARCIA, R.; CAMPOS, R. Conversao das 'almas' pela liturgia da palavra: uma analise do discurso do movimento Todos pela Educacao. In: BALL, S.; MAINARDES, J. (Orgs.). Politicas educacionais: questoes e dilemas. Sao Paulo: Cortez, 2011, p. 222-248.

SILVA, R. R. D. da. Universitarios S/A: estudantes universitarios nas tramas de Vestibular/ZH. Sao Leopoldo: UNISINOS, 2008. Dissertacao (Mestrado em Educacao), Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2008.

SILVA, R. R. D. da; FABRIS, E. O jogo produtivo da educabilidade/governamentalidade na constituicao de sujeitos universitarios. Revista Brasileira de Educacao, Rio de Janeiro, v. 15, n. 44, p. 352-363, setembro. 2010.

SILVA, R. R. D. da. A constituicao da docencia no Ensino Medio no Brasil contemporâneo: uma analitica de governo. Sao Leopoldo: UNISINOS, 2011. Tese (Doutorado em Educacao), Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2011a.

SILVA, R. R. D. da. A universidade e a formacao de professores na contemporaneidade: contribuicoes para um critica politica. In: BENINCA, D. (Org.). Universidade e suas fronteiras. Sao Paulo: Outras Expressoes, 2011b, p. 149-169.

SILVA, R. R. D. da. Empreendedorismo e gestao dos talentos na constituicao do universitarios contemporâneos. Linhas Criticas, Brasilia, v. 17, p. 545-560, setembro. 2011c.

SILVA, R. R. D. da. Politicas de constituicao do conhecimento escolar para o Ensino Medio no Rio Grande do Sul (1996-2011). Projeto de Pesquisa em andamento. Universidade Federal da Fronteira Sul, 2012a.

SILVA, R. R. D. da. Educacao e tecnociencia no Brasil contemporâneo: perspectivas investigativas aos estudos curriculares. Ensaio: Pesquisa em Educacao em Ciencias, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 47-60, janeiro. 2012b.

SILVA, R. R. D. da. Politicas de constituicao do conhecimento escolar para o Ensino Medio no Rio Grande do Sul: uma analitica de curriculo. Educacao em Revista, Belo Horizonte, v.30, n.1, p. 127-158, janeiro. 2014a.

SILVA, R. R. da. Comunidades como espaco de intervencao pedagogica: um estudo da docencia no Ensino Medio. Revista Brasileira de Educacao, Rio de Janeiro, v. 19, n. 59, p. 945-966, outubro. 2014b.

SILVA, R. R. D. da; PEREIRA, A. Politicas de constituicao do conhecimento escolar na pesquisa educacional brasileira. Cadernos de Pesquisa, Sao Paulo, v. 43, n. 150, p. 884-905, setembro. 2013.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introducao às teorias do curriculo. 2a ed. Belo Horizonte: Autentica, 2007.

SIMONS, M.; MASSCHELEIN, J. The Leaning Society and Governmentality: an introduction. Educational Philosophy and Theory, Auckland, v. 39, nº. 4, p. 417-430, 2006.

SLOTERDJIK, P. Sobre la mejora de la buena nueva: el “quinto” evangelio según Nietzsche. Madrid: Siruela, 2005.

TEIXEIRA, A. Pequena introducao à filosofia da educacao. Sao Paulo: Editora Nacional, 1978.

TEIXEIRA, A. Educacao nao e privilegio. 5a ed. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1994.

UNESCO. Reforma da educacao secundaria: rumo à convergencia entre a aquisicao de conhecimento e o desenvolvimento de habilidade. Brasilia: UNESCO, 2008.

UNESCO. Prototipos curriculares de Ensino Medio e Ensino Medio Integrado: resumo executivo. Brasilia: UNESCO, 2011.

YATES, L.; COLLINS, C. A ausencia de conhecimento nas reformas curriculares australianas. Revista E-curriculum, Sao Paulo, v. 8, n. 2, p. 1-23, maio. 2012.

YOUNG, Michael. Para que servem as escolas?. Educacao e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 101, p. 1287-1302, setembro. 2007.

YOUNG, M. Conhecimento e curriculo: do socioconstrutivismo ao realismo social na sociologia da educacao. Porto: Porto Editora, 2010.

YOUNG, M. O futuro da educacao em uma sociedade do conhecimento: a defesa radical de um curriculo disciplinar. Cadernos de Educacao, Pelotas, v. 38, p. 395-416, setembro. 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362015000400004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.