Novos rumos para o ensino medio noturno – Como e por que fazer?

Lia Rodrigues Goncalves, Sara Rozinda Martins Moura Sa dos Passos, Alvaro Mariano dos Passos

Resumo


Este artigo se refere à necessidade de se propiciar um canal de reflexão, discussao e ação junto aos professores que atuam no ensino medio noturno e, conseqüentemente, promover a melhoria de um ensino, que ha muito tempo e apenas um simulacro. Para tal, apresentamos alguns resultados da investigação iniciada em dezembro de 2003 no Colegio Estadual Presidente Kennedy, em Belford Roxo – Baixada Fluminense/RJ, entre alunos e professores, equipe tecnica e gestores. Queremos evidenciar a complexidade do processo de mudanca, pois representa um desafio. Nao se muda por decreto ou querencia deste ou daquele grupo. Mudanca e processo e sendo assim, exige um arduo trabalho de desconstrução e reconstrução a que os atores desse processo terao que se dedicar com competencia, continua e pacientemente. Nao se trata apenas de mudar, mas de inovar.


Palavras-chave


Reflexao; Desconstrução; Reconstrução; Comprometimento

Referências


BRASIL. Decreto nº. 2.208, de 17 de abril de 1997. Regulamenta o § 2º. Do art. 36 e os arts. 39 e 42 da Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educacao nacional. Pedagogia em Foco, S. l. , 1997? Disponivel em: . Acesso em: 5 ago. 2005.

______. Lei nº.9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educacao nacional.Legislacao, Brasilia, DF, 1996. Disponivel em: . Acesso em: 5 ago. 2005.

CARVALHO, C. P. Ensino noturno: realidade e ilusao. 5. ed. Sao Paulo: Cortez, 1986.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCACAO (Brasil).Câmara de Educacao Basica. Parecer CNE/CEB nº. 17, de 3 de dezembro de 1997. Diretrizes operacionais para a educacao profissional, em nivel nacional. Atos normativos, Brasilia, DF, 1997. Disponivel em: < http://portal.mec.gov.Br/cne/index.>. Acesso em: 5 ago. 2005.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCACAO (Brasil).Câmara de Educacao Basica. Resolucao CNE/CEB nº. 4, de 8 de novembro de 1999. Institui as diretrizes curriculares nacionais para a educacao profissional de nivel tecnico. Atos normativos, Brasilia, DF, 1999. Disponivel em: < http://portal.mec.gov.Br/cne/index.>. Acesso em: 5 ago. 2005.

DELORS, J. et al. (Coord.). Educacao: um tesouro a descobrir: relatorio para UNESCO da Comissao Internacional sobre Educacao para o seculo XXI. 2. ed. Sao Paulo: Cortez; Brasilia, DF: UNESCO, 1999.

DRUCKER, P. F. O melhor de Peter Drucker: a sociedade. Sâo Paulo: Nobel, 2001.

GIMENO SACRISTAN, J. O curriculo: uma reflexao sobre a pratica. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

KUENZER, A. Ensino de 2º grau: o trabalho como principio educativo. Sao Paulo: Cortez, 1988.

PACHECO, J. A. Politicas curriculares: referenciais para analise. Porto Alegre, RS: Artmed, 2003.

PARÂMETROS Curriculares Nacionais. Brasilia, DF: MEC, Secretaria de Educacao Fundamental, 1998.

PERRENOUD, P. Pedagogia diferenciada: das intencoes à acao. Porto Alegre: Artmed, 2000.

______. A pedagogia na escola das diferencas: fragmentos de uma sociologia do fracasso. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

REVISTA DO ENSINO MEDIO. Brasilia, DF: MEC, Secretaria de Educacao Media e Tecnologica, ano 1, n. 1, jun./jul. 2003.

RODRIGUES, L. Da pratica a teoria: uma experiencia em educacao basica. 1987. Tese (Doutorado em Educacao)-Universidad Faculdad de Ciencias de la Educacion, Universidad Autônoma de Barcelona, Barcelona, 1987.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre, RS: Artmed, 2000.

TEVES, N. (Org.). Imaginario social e educacao. Rio Janeiro: Gryphus, 1992.

VASCONCELLOS, C. S. Para onde vai o professor?: resgate do professor como sujeito de transformacao. 9. ed. Sao Paulo: Libertad, 2001.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e metodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank