Sobre o processo de construção do conhecimento: O papel do ensino e da pesquisa

Vera Rudge Werneck

Resumo


O trabalho enfatiza a necessidade da precisao dos termos utilizados na constituicao dos saberes para a melhor avaliação da aprendizagem, focalizando, em especial, as nocoes de construção do conhecimento, e de conhecimento. Reflete, em seguida, sobre o chamado construtivismo e sobre o papel das instituicoes de ensino quanto aos objetivos do ensino e da pesquisa. Procura demonstrar serem o ensinar e o aprender incumbencias da escola enquanto que o fazer ciencia e tarefa da comunidade cientifica, e que, um procedimento nao se opoe ao outro. Ambos se complementam embora sejam distintos e com caracteristicas proprias. O docente deve buscar excelencia no ensino, assim como o pesquisador, na pesquisa. Considera como ensino nao apenas a transmissao do ja conhecido, mas o processo que leva à capacidade de observação e de reflexão critica. O bom ensino que deve ocorrer nao como um armazenamento de informações, mas como formação de referenciais e desenvolvimento da capacidade de avaliação, o que vai ser fundamental para a produção cientifica e tecnologica. Mostra ainda serem exigencias da pesquisa cientifica, metodologia adequada, originalidade, dedicação e investimento financeiro. Chega entao à conclusao de que o processo da aprendizagem nao se confunde com o da produção cientifica mas que deve antecede-lo necessariamente.

 


Palavras-chave


Construção do conhecimento; Construtivismo; Ensino; Aprendizagem; Pesquisa

Referências


ARCE, A. A formacao de professores sob a otica construtivista. In: DUARTE, N. (Org.). Sobre o construtivismo. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

BACHELARD, S. Logique formelle et logique transcendentale: essai d' une critique de la raison logique. Paris: Presses Universitaires de France, 1957. Première partie.

BAREMBLITT, G. F. Progressos e retrocessos em psiquiatria e psicanalise. Rio de Janeiro: Global, 1978.

COLL, C. S. Entrevista a Faoze Chibli. Revista Educacao, Sao Paulo, ano 7, n. 78, out. 2003.

HUSSERL, E. Meditations cartesiennes. Tr. de l'allemand par Gabrielle Peiffer et Emmanuel Levinas. Paris: J. Vrin, 1980.

JAPIASSU, H. Introducao ao pensamento epistemologico. 2. ed. Rio de Janeiro: F. Alves, 1977.

______. Nascimento e morte das ciencias humanas. Rio de Janeiro: F. Alves, 1978.

KANT, E. Critica da razao pura. Traducao (parcial) de J. Rodrigues Mereja. Rio de Janeiro: Edicoes de Ouro, 1966.

______. La raison pure. Paris: Presses Universitaires de France, 1957.

OLIVEIRA, J. B. A. Construtivismo e alfabetizacao: um casamento que nao deu certo. Ensaio: avaliacao e politicas públicas em educacao: revista da Fundacao Cesgranrio, Rio de Janeiro, v. 10, n. 35, abr./jun. 2002.

PIAGET, J. Epistemologia genetica. 2. ed. Sao Paulo: Martins Fontes, 2002.

______. Psicologia da inteligencia. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.

______. Seis estudos de psicologia. Rio de Janeiro: Forense Universitaria, 1978.

ROSSLER, J. H. Construtivismo e alienacao: as origens do poder de atracao do ideario construtivista. In: DUARTE, N. (Org.). Sobre o construtivismo. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

SUCUPIRA, N. A condicao atual da universidade e a reforma universitaria brasileira. Brasilia, DF: MEC, 1978.

VIGOTSKY, L. S. Psicologia pedagogica. Porto Alegre: Artmed, 2003.

WERNECK, V. R. Cultura e valor. Rio de Janeiro: Forense Universitaria, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank