Mudancas tecnologicas e suas implicacoes na politica de formação do professor

Alda Maria Duarte Araújo Castro

Resumo


O artigo discute as transformacoes ocorridas no mundo do trabalho, provocadas pela globalização da economia, pelas inovacoes tecnologicas e pela reestruturação produtiva, procurando evidenciar o impacto dessas transformacoes no perfil dos trabalhadores e, conseqüentemente, nos processos formativos. Em especial, o artigo enfoca a influencia dessa nova logica do mercado na politica de formação de professores da educação basica. Para tanto, tomou-se, como referencia, os documentos oficiais, entre eles, Referenciais para Formação de Professores, elaborado pelo Ministerio da Educação e Cultura e o Parecer nº 09/2001, do Conselho Nacional de Educação, que trata das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Basica, nos quais fica evidente a necessidade de mudar os modelos tradicionais de formação para se ajustar às novas demandas do mercado, utilizando, para isso, modelos formativos mais modernos e flexiveis. Na analise dos documentos, privilegiam-se dois eixos considerados fundamentais para a formação do professor nesse novo cenario: a formação reflexiva e a formação por competencia, os mesmos estao articulados com as exigencias empresariais e dos organismos internacionais, que acreditam em uma formação mais pratica e instrumental capaz de promover a melhoria da qualidade da educação basica.

Palavras-chave


Mudancas tecnologicas; Politica de formação; Professor reflexivo; Formação por competencias

Referências


ANDERSON, P. Balanco do neoliberalismo. In: SADER, E.; GENTILI, P. (Org.). Pos-neoliberalismo: as politicas sociais e o estado democratico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. [ Links ]

ARCE, A. Compre um kit neoliberal para a educacao infantil e ganhe gratis os dez passos para se tornar um professor reflexivo. Educacao e Sociedade, Campinas, SP, v. 22, n.74, abr. 2001. [ Links ]

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educacao nacional. Diario Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasilia, DF, 23 dez. 1996. Disponivel em: . Acesso em: 10 jun. 2005. [ Links ]

______. Ministerio da Educacao e do Desporto. Secretaria do Ensino Fundamental. Referenciais para formacao de professores. Brasilia, DF, 1998. [ Links ]

CABRAL NETO, A. (Org.). Flexibilizacao curricular: cenarios e desafios. Natal, RN: EDUFRN, 2004. (Colecao pedagogica). [ Links ]

CEPAL. UNESCO. OREALC. Educacao e conhecimento: eixo da transformacao produtiva com equidade. Brasilia, DF: IPEA: INEP, 1995. [ Links ]

CONSELHO NACIONAL DE EDUCACAO (Brasil). Parecer CNP/CP nº. 9/2001, de 8 de maio de 2001. Dispoe sobre as diretrizes curriculares para a formacao de professores da educacao basica em nivel superior, curso de licenciatura, de graduacao plena. Brasilia, DF, 2001. [ Links ]

_______. Resolucao CNP/CP nº. 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duracao e a carga horaria dos cursos de licenciatura, de graduacao plena, de formacao de professores da educacao basica em nivel superior. Brasilia, DF, 2002. [ Links ]

DELORS, J. et al. (Coord.). Educacao: um tesouro a descobrir: relatorio para a UNESCO da Comissao Internacional sobre Educacao para o Seculo XXI. Traducao Jose Carlos Eufrazio. Sao Paulo: Brasilia, DF; Cortez; UNESCO, 1998. [ Links ]

______. La educacion encierra um tesoro: informe a la UNESCO de la Comission Internacional sobre la Educacion para el siglo XXI. Madrid: Santillana: Ediciones UNESCO, 1996. [ Links ]

DEWEY, J. Vida e educacao. Sao Paulo: Melhoramentos, 1967. [ Links ]

DIAS, R. E.; LOPES, A. C. Competencias na formacao de professores no Brasil: o que (nao) ha de novo. Educacao e Sociedade, Campinas, SP, v. 24, n. 85, dez. 2003. [ Links ]

FREITAS, L. C. Em direcao a uma politica para a formacao de professores. Em Aberto, Brasilia, DF, v.12, n. 54, abr./jun. 1992. [ Links ]

FRIGOTTO, G. Educacao como capital humano: uma teoria mantenedora do senso comum. In: ______. A produtividade da escola improdutiva. 4. ed. Sao Paulo: Cortez, 1993. [ Links ]

GARCIA, C. M. A formacao de professores: novas perspectivas baseadas na investigacao sobre o pensamento do professor. In: NOVOA, A. (Org.). Os professores e sua formacao. Lisboa: Dom Quixote, 1995. [ Links ]

GIMENO SACRISTAN, J. Educacao pública: um modelo ameacado. In: GENTILI, P.; SILVA, T. T. (Org.). Escola S.A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasilia, DF: CNTE, 1996. [ Links ]

HARVEY, D. A condicao pos-moderna. Sao Paulo: Loyola, 1992. [ Links ]

HIRATA, H. Da polarizacao das qualificacoes ao modelo da competencia. In: FERRETTI, C. J. et al (Org.). Novas tecnologias, trabalho e educacao: um debate multidisciplinar. 4 ed. Petropolis: Vozes, 1994. [ Links ]

KUENZER, A. Z. As politicas de formacao: a construcao da identidade do professor sobrante. Educacao e Sociedade, Campinas, SP, v. 20, n. 68, dez. 2000. [ Links ]

MACHADO, L. R. S. Educacao e os desafios das novas tecnologias. In: FERRETI, C. J. (Org). Novas tecnologias, trabalho e educacao: um debate multidisciplinar. Petropolis: Vozes, 1998. [ Links ]

MAUES, O. As politicas de formacao e a pedagogia das competencias. In: REUNIAO DA ANPED, 27., 2004, Caxambu. Sociedade democratica e educacao: qual universidade? Caxambu, MG: ANPED, 2004. 1 CD-ROM. [ Links ]

MELLO, G. N. Educacao escolar brasileira: o que trouxemos do seculo XX? Porto Alegre: Artmed, 2004. [ Links ]

NUÑEZ, I. B.; RAMALHO, B. L. Competencia: uma reflexao sobre o seu sentido. In: OLIVEIRA, V. Q. S. F. (Org.). O sentido das competencias no projeto politico-pedagogico. Natal, RN: EDUFRN, 2002. [ Links ]

PARÂMETROS Curriculares Nacionais. Brasilia, DF: MEC, SEF, 1997. Disponivel em:. Acesso em: 10 jun. 2005. [ Links ]

PEREZ GOMEZ, A. A funcao e a formacao do professor/a no ensino para a compreensao: diferentes perspectivas. In: GIMENO SACRISTAN, J.; PEREZ GOMEZ, A. (Org.). Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artes Medicas, 1998. [ Links ]

______. O pensamento pratico do professor: a formacao do professor como profissional reflexivo. In: NOVOA, A. (Org.). Os professores e sua formacao. Lisboa: Dom Quixote, 1995. [ Links ]

PERRENOUD, P. Praticas pedagogicas, profissao docente e formacao: perspectivas sociologicas. Lisboa: Dom Quixote, 1993. [ Links ]

ROMAINVILLE, M. L'irresistible ascencion du terme "competence" en education. Revue de Didactique du Francais, Paris, n. 37/38, mars/juin 1995. [ Links ]

SCHÖN, D. A . Formar professores como profissionais reflexivos. In: NOVOA, A. (Org.). Os professores e sua formacao. Lisboa: Dom Quixote, 1995. [ Links ]

SCHULTZ, T. W. O capital humano. Rio de Janeiro: Zahar, 1973. [ Links ]

TOSCHI, M. S. Formacao de professores reflexivos e TV Escola: equivocos e potencialidades em um programa governamental de educacao a distância. 1999. Tese (Doutorado em Educacao) – Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, 1999. [ Links ]

ZEICHNER, K. A formacao reflexiva de professores: ideias e praticas. Lisboa: Educa, 1993. [ Links ]


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank