Aprendizagens e tempo integral: entre a efetividade e o desejo

Maria Celeste Reis Fernandes Souza

Resumo


O artigo se insere no debate sobre a ampliação da jornada escolar no Brasil, e apresenta resultados de um estudo cujo objetivo e compreender as relacoes que os/as estudantes dos últimos anos do ensino fundamental estabelecem com o saber e com a escola, no contexto da Escola em Tempo Integral – ETI. O referencial teorico e metodologico sao as contribuicoes de Bernard Charlot sobre a relação com o saber. O material empirico foi produzido por meio do balanco de saber, e consistiu na elaboração de um texto sobre a experiencia de cada sujeito na ETI. A analise concentrou-se nas aprendizagens evocadas pelos/as estudantes no tempo integral e sobre o que gostariam de aprender no tempo a mais que permanecem na escola. As conclusoes do estudo destacam o peso das aprendizagens intelectuais e escolares as quais os/as estudantes valoram e atribuem diferentes sentidos. O peso dessas aprendizagens expoe tensoes no tempo integral entre a racionalidade de matriz cartesiana e a corporeidade. 


Palavras-chave


Tempo Integral; Aprendizagens; Relação com o Saber

Referências


BRASIL, Ministerio da Educacao. Plano Nacional de Educacao. Lei n. 13.005 de 25 de Junho de 2014. Brasilia, DF: MEC, 2014.

______Ministerio da Educacao. Educacao integral/educacao integrada e(m) tempo integral: concepcoes e praticas na educacao brasileira. Mapeamento das experiencias de jornada escolar ampliada no Brasil: estudo qualitativo. Brasilia: MEC, 2010a. Disponivel em: < http://portal.mec.gov.br .> Acesso em: 05 dez. 2014.

_______, Ministerio da Educacao. Educacao integral/educacao integrada e(m) tempo integral: concepcoes e praticas na educacao brasileira. Mapeamento das experiencias de jornada escolar ampliada no Brasil: estudo quantitativo. Brasilia: MEC, 2010b. Disponivel em: < http://portal.mec.gov.br .> Acesso em: 05 dez. 2014.

CABEZUDO, A. Cidade Educadora: uma proposta para os governos locais. In: GADOTTI, M.; PADILHA, P. R.; CABEZUDO, A. (orgs.). Cidade Educadora: principios e experiencias. Buenos Aires: Ciudades Educadoras. America Latina, 2004.

CARVALHO, M. P. de. Teses e Dissertacoes sobre genero e desempenho escolar no Brasil (1993-2007) – Qual o lugar das familias? In: ROMANELLI, Geraldo; NOGUEIRA, M. A.; ZAGO, N. (orgs). Familia & Escola: novas perspectivas de analise. Petropolis, RJ: Vozes, 2013, p. 61-82.

CAVALIERE, A. M. V. Tempo de escola e qualidade na educacao pública. Educacao & Sociedade. Campinas, v.28, n.100- Especial, p. 1015-1035, out. 2007.

CAVALIERE, A. M. V. As zonas de educacao prioritaria francesas: repercussoes e paralelos no Brasil. In: MAURICIO, Lúcia Velloso(org). Tempos e espacos escolares: experiencias, politicas e debates no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: Ponteio: FAPERJ, 2014.

CHARLOT, B. Da Relacao com o Saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Medicas, 2000.

_______, B. (Org.). Os jovens e o saber: perspectivas mundiais. Porto Alegre: Artes Medicas, 2001.

_______, B. Relacao com o saber, Formacao dos Professores e Globalizacao. Questoes para a educacao hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005.

_______, B. A Relacao com o saber nos meios populares. Uma investigacao nos liceus profissionais de subúrbio. Porto: Livpsic, 2009.

________, B. Da relacao com o saber às praticas educativas. Sao Paulo: Cortez, 2013a.

________, B. “Classica”, “moderna”, “contemporânea”: encontros e desencontros ente Educacao e Arte. DUMAS, G. A. CHARLOT, B. (org.). Educacao e Artes Cenicas: interfaces contemporâneas. Rio de Janeiro: Walk Editora, 2013b, p. 23-45.

CHÂTELET, F. Uma Historia da Razao: entrevistas com Emile Noël. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

COELHO, L. M. C. C. Alunos no Ensino Fundamental, ampliacao da jornada escolar e Educacao Integral. Educar em Revista, Curitiba: Editora UFPR, n. 45, p. 73-89, jul./set. 2012.

DAVIS, P. J.; HERSH, R. O sonho de Descartes. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

DIEB, M. (Org.) Relacoes e saberes na escola: os sentidos do aprender e do ensinar. Belo Horizonte: Autentica, 2008.

MAURICIO, L. V. Ampliacao da jornada escolar: configuracoes proprias para diferentes contextos – Brasil e Europa. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.22, n. 85, p. 875-898, out./dez. 2014

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepcao. Sao Paulo: Martins Fontes, 1994.

MOLL, J. A agenda da educacao integral: compromissos para sua consolidacao como politica pública. In: MOLL, J. et al. Caminhos da educacao integral no Brasil: direito a outros tempos e espacos educativos. Porto Alegre: Penso, 2012, p. 129-146.

PARO, V. H. Educacao Integral em tempo integral: uma concepcao de educacao para a modernidade. In: COELHO, L. M. C. C. (Org.). Educacao Integral em tempo integral: estudo e experiencias em processo. Petropolis, RJ: DP ET Alii, Rio de Janeiro: FAPERJ, 2009, p. 13-20.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS – UFMG. Faculdade de Educacao. GRUPO TEIA – Territorios, Educacao Integral e Cidadania. Relatorio do Projeto de Avaliacao e Monitoramento do Programa Escola de Tempo Integral (ETI) da Secretaria Municipal de Educacao de Governador Valadares – MG. Belo Horizonte, 2012, 128, p.

WALKERDINE, V. The mastery of reason. London: Routledge, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362017002500483

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank