Rupturas urgentes em educação

Pedro Demo

Resumo


Inovar a educação e promessa eterna, porque – segundo se cre – educação e uma das fontes principais de mudanca, com o toque ulterior de ser mudanca apropriada, aquela mais bem feita. Inspirando-se em Christensen, o texto discute armadilhas da inovação, entre elas: pretender inovar sem inovar-se; buscar controlar o processo de inovação; viver de promessas impossiveis ou de promessas mesquinhas. Os dados sugerem que nosso sistema educacional e inepto: as criancas nao aprendem, os professores tendem a ser muito mal formados e mal pagos, a escola esta ficando para tras, novas tecnologias nao tem chance, e os alunos reclamam cada vez mais. Assim, “reformar” este sistema ja nao e o caso, porque o sistema ja nao possui razao suficiente para continuar existindo. Imprescindivel seria mudar profundamente, quase comecar de novo, em parte para poder estar à altura das necessidades dos alunos em novos tempos, em parte para corresponder aos cuidados pedagogicos da aprendizagem reconhecida crescentemente como desafio continuado. Referencia fundamental e o professor, que, afinal, e o agente principal da mudanca. Mudar o professor e crucial, porque praticamente todas as mudancas na escola sao mudancas docentes. Criticar apenas nao basta (nunca basta). E fundamental garantir novas oportunidades. 


Palavras-chave


Mudanca; Controle da mudanca; Transformação social; Inovação disruptiva

Referências


BAUERLEIN, M. The dumbest generation: how the digital age stupefies Young Americans and jeopardizes our future (or, don't trust anyone under 30). New York: Tarcher, 2008.

BAUMAN, Z. Tempos liquidos. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2007.

BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, E. The new spirit of capitalism. London: Verso, 2005.

CABRERA, R. C. Docencia e desespero: avaliacao da aprendizagem na escola ciclada. Brasilia, DF: LiberLivro, 2010.

CASTELLS, M. (Ed.). The Network Society: a cross-cultural perspective. Northampton; Edward Elgar, 2004.

CHRISTENSEN, C. M. The innovator’s dilemma. Harvard: Harper Collins Publishers, 2002. (Collins Business Essentials).

DEMO, P. Aposta no professor: cuidar de viver e de trabalhar com dignidade. Porto Alegre; Mediacao, 2007.

______. Aprendizagem no Brasil: ainda muito por fazer. Porto Alegre: Mediacao, 2004a.

______. Argumento de autoridade X autoridade do argumento. Rio de Janeiro; Tempo Brasileiro, 2005.

DEMO, P. Complexidade e aprendizagem: a dinâmica nao linear do conhecimento. Sao Paulo: Atlas, 2002a.

______. Introducao à sociologia: complexidade, interdisciplinaridade e desigualdade social. Sao Paulo: Atlas, 2002b.

______. Educacao hoje: “novas” tecnologias, pressoes e oportunidades. Sao Paulo: Atlas, 2009.

______. Sociologia da educacao: sociedade e suas oportunidades. Brasilia, DF: LiberLivro, 2004b.

DUDERSTADT, J. J. A university for the 21st Century. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 2003.

EMIGH, W.; HERRING, S. C. Collaborative authoring on the web: a genre analysis of online encyclopedias. Los Alamitos: IEEE Press, 2005. Disponivel em: . Acesso em: 12 jan. 2011.

EVANS, R. The human side of school change: reform, resistance, and the real-life problems of innovation. San Francisco; Jossey-Bass, 2001.

FRIED, R. L. The game of school. New York: Jossey-Bass, 2005.

HOLLOWAY, J. Mudar o mundo sem tomar o poder. Sao Paulo: Viramundo, 2003.

IOSCHPE, G. A ignorância custa um mundo: o valor da educacao no desenvolvimento do Brasil. Sao Paulo: Francis, 2004.

KUHN, T. S. A estrutura das revolucoes cientificas. Sao Paulo: Perspectiva, 1975.

LIH, A. The Wikipedia Revolution. New York: Hyperion, 2009.

MASSUMI, B. Parables for the virtual: movement, affect, sensation. London: Duke University Press, 2002.

MATURANA, H. Cognicao, ciencia e vida cotidiana. Organizacao de C. Magro e V. Paredes. Belo Horizonte: Ed. Humanitas/UFMG, 2001.

MEIER, M.; GARCIA, S. Mediacao da Aprendizagem - Contribuicoes de Feuerstein e de Vygotsky. Curitiba, Edicao do Autor, 2007.

MOE, T. M.; CHUBB, J. E. Liberating learning: technology, politics, and the future of American education. Jossey-Bass, New York, 2009.

O’NEIL, M. Cyber chiefs: autonomy and authority in online tribes. New York: Pluto Press, 2009.

PIAGET, J. La construction du reel chez l’enfant. Paris: Delachaux & Niestle, 1990.

PLANT, S. Mulher digital: o feminino e as novas tecnologias. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1999.

SCHNEIDER, J. Chalkbored: what’s wrong with school & how to fix it. Peace of Mind, USA, 2007.

SHIRKY, C. Here comes everybody. New York: Penguin, 2008.

SOUZA, P. R. A Revolucao Gerenciada: educacao no Brasil, 1995-2002. Sao Paulo: Pearson/Prentice Hall, 2004.

TAPSCOTT, D. Growing up digital: how the net generation is changing your world. New York: McGraw Hill, 2009.

WEINBERGER, D. Everything is miscellaneous: the power of the new digital disorder. New York: Times Book, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank