Politicas curriculares da internacionalização do ensino superior: multiculturalismo ou semiformação?

Manolita Correia Lima, Carolina Machado Saraiva de Albuquerque

Resumo


Uma das premissas basicas presentes nos discursos de apoio à internacionalização do ensino superior e a sua capacidade de promover o multiculturalismo, desencadeando a construção de curricula mais criticos e reflexivos. Esses novos arranjos curriculares transformariam as escolas no epicentro das transformacoes sociais, em busca de condicoes de vida mais igualitaria para todos. No entanto, ao inves da promocao da diversidade cultural, tem-se a defesa de uma forma particular de cultura, que busca sua legitimação atraves da padronização dos curricula , dos programas de curso, dos idiomas e das experiencias culturais. Esse quadro marcoestrutural da educação precisa ser intensamente discutido nas instituicoes de ensino superior. Com base numa leitura critica de relatorios e artigos em defesa do sistema de internacionalização em curso, procurou-se revelar os interesses privados envolvidos, buscando argumentar a importância das funcoes politica e critica da educação superior.

Palavras-chave


Internacionalização do Ensino Superior; Politicas Públicas para o Ensino Superior; Multiculturalismo; Semiformação

Referências


ACADEMIC RANKING OF WORLD UNIVERSITIES. ARWU 2006. Shanghai, 2006. Disponivel em: . Acesso em: 2 ago. 2011. [ Links ]

ADORNO, T. W. Educacao e emancipacao. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003. [ Links ]

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. A dialetica do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985. [ Links ]

ALTHOFF, G. Formas de financiamento para a mobilidade de estudantes e professores: acoes e perspectivas. In: FORUM BRASILEIRO DE EDUCACAO INTERNACIONAL, 1., 2008, Sao Paulo. Trabalhos apresentados... Sao Paulo, 2008. [ Links ]

APPLE, M. Educacao e poder. Porto Alegre: Artes Medicas, 1989. [ Links ]

ASSOCIATION DES UNIVERSITES ET COLLÈGES DU CANADA. Ottawa, Ontario, 2008. Disponivel em: . Acesso em: 20 out. 2008. [ Links ]

BRITISH COUNCIL. Learn, share, connect worldwide. London, 2008. Disponivel em: . Acesso em: 20 out. 2008. [ Links ]

BROUILLETTE, V.; FORTIN, N. La mondialisation neoliberale et l'enseignement superieur. [S. l.], 2004. Mimeografado. [ Links ]

CHARLE, C. et al. Ensino superior: o momento critico. Educacao & Sociedade, Campinas, SP, v. 25, n. 88, p. 961-975, out. 2004. Edicao Especial. [ Links ]

DALE, R. Globalizacao e educacao: demonstrando a existencia de uma 'cultura educacional mundial comum' ou localizando uma 'agenda globalmente estruturada para a Educacao. Educacao & Sociedade, Campinas, SP, v. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago. 2004. [ Links ]

DEPP [SG]: direction de l'evaluation, de la prospective et de la performance. Paris, 2010. Disponivel em: . Acesso em: 2 ago 2011. [ Links ]

DEUTSCHER AKADEMISCHER AUSTAUSCH DIENST. DAAD. Bonn, 2008. Disponivel em: . Acesso em: out. 2008. [ Links ]

EAGLETON, T. Depois da teoria: um olhar sobre os estudos culturais e o pos-modernismo. Rio de Janeiro: Civilizacao Brasileira, 2005. [ Links ]

ESPAÑA. Ministerio De Asuntos Exteriores y de Cooperacion. Agencia Española de Cooperacion Internacional para el Desarrollo. Madrid, 2008. Disponivel em: . Acesso em: 2 ago. 2011. [ Links ]

FILIPPETTI, A. Action exterieure de l'etat rayonnement culturel et scientifique. Paris: Assemblee Netionale, 2007. [ Links ]

FORQUIN, J.-C. O curriculo entre o relativismo e o universalismo. Educacao & Sociedade, Campinas, SP, ano 21, n. 73, dez. 2000. [ Links ]

FULLBRIGHT COMMISSION. Award and advice for US-UK exchange. London, 2008. Disponivel em: . Acesso em: out. 2008. [ Links ]

GIROUX, H. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Medicas, 1997. [ Links ]

GRESH, A. A marcha para a multipolaridade. Le Monde Diplomatique Brasil, Sao Paulo, p.10-11, nov. 2008. [ Links ]

HESA. Cheltenham, GL, 2008. Disponivel em: . Acesso em: out. 2008. [ Links ]

HORKHEIMER, M. Eclipse da razao. Sao Paulo: Centauro, 2002. [ Links ]

HUMBOLDT, W. von. Sobre a organizacao interna e externa das instituicoes cientificas superiores em Berlim. In: ROCHA, J. C. de C. Um mundo sem universidades?. Rio de Janeiro: Eduerj, 1997. p.79-100. [ Links ]

IANNI, O. A sociedade global. 12. ed. Rio de Janeiro: Civilizacao Brasileira, 2005. [ Links ]

INSTITUTE OF INTERNATIONAL EDUCATION. Washington, DC, 2011. Disponivel em: . Acesso em: 2 ago. 2011. [ Links ]

INTERNATIONAL DEVELOPMENT PROGRAMME EDUCATION AUSTRALIA. Melbourne, Victoria, 2008. Disponivel em: . Acesso em: 20 out. 2008. [ Links ]

JAPAN INTERNATIONAL COOPERATION AGENCY. Tokyo, 2008. Disponivel em: . Acesso em: out. 2008. [ Links ]

MAAR, W. L. À guisa de introducao: Adorno e a experiencia formativa. In: ADORNO, T. W. Educacao e mancipacao. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003. [ Links ]

MARCUSE, H. Tecnologia, guerra e facismo. Sao Paulo: UNESP, 1999. [ Links ]

MATTOS, O. O "New Deal" de hoje passa pela reducao da jornada de trabalho. Agencia Carta Maior, 21 out. 2008. Economia. Disponivel em: . Acesso em: out. 2008. [ Links ]

MOREIRA, A. F. B. Curriculo, diferenca cultural e dialogo. Educacao e Sociedade, Campinas, SP, v. 23, n. 79, p. 15-38, ago. 2002. [ Links ]

NOVELLI, G. Curriculo por modulos e educacao profissional tecnica: critica da formacao para o mercado de trabalho. 2006. 208 f. Tese (Doutorado em Educacao)- Pontificia Universidade Catolica, Sao Paulo, 2006. [ Links ]

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Education at a glance: OECD Indicators 2006. Paris, 2006. [ Links ]

______. OECD science, technology and industry: scoreboard 2007. Paris, 2007. [ Links ]

PANIZZI, W. M. Cooperacao internacional: solidariedade e dialogo entre iguais?. In: GAZZOLA, A. L. A.; ALMEIDA, S. G. (Org.). Universidade: cooperacao internacional e diversidade. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2006. p. 61-68. [ Links ]

PAVLOV, O. A teoria do 'mundo bipolar' Le Monde Diplomatique Brasil, Sao Paulo, set. 2000. [ Links ]

PIOT, O. Os subterrâneos da ilegalidade. Le Monde Diplomatique Brasil, Sao Paulo, ano 1, n. 11, p.14-15, jun. 2008. [ Links ]

SANTOS, B. S. Pela mao de Alice: o social e o politico na pos-modernidade. 4. ed. Sao Paulo: Cortez, 1997. [ Links ]

SANTOS, B. S. Os processos da globalizacao. In: ______. (Org.). Globalizacao: fatalidade ou utopia?. 2. ed. Porto: Afrontamento, 2002. p. 31-106. [ Links ]

SANTOS, L. L. Curriculo em tempos dificeis. Educacao em Revista, Belo Horizonte, v. 45. p. 291-306, jun. 2007. [ Links ]

SANTOS, M. Por uma outra globalizacao: do pensamento único à consciencia universal. 13. ed. Rio de Janeiro: Record, 2006. [ Links ]

______. O tempo despotico da lingua universalizante. In: ______. O pais distorcido: o Brasil, a globalizacao e a cidadania. Sao Paulo: PubliFolha, 2002. p.109-114. [ Links ]

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introducao às teorias do curriculo. Belo Horizonte: Autentica, 1999. [ Links ]

TEODORO, A. Globalizacao e educacao: politicas educacionais e novos modos de governacao. Sao Paulo: Cortez, 2003. [ Links ]

UNESCO. Institut de Statistique. Data Centre. Montreal, 2009. Disponivel em: . Acesso em: 2 ago. 2011. [ Links ]

______. Institut de Statistique. Recueil des donnees mondiales sur l'education: statistiques comparees sur l'education dans le monde, 2006; 2007. Montreal, 2008. [ Links ]

VUILLETET, G. Comparaison internationale des politiques d'accueil des etudiants etrangers: quelles finalites? Quelles moyens? Paris: Conseil Economique et Social, 2005. [ Links ]

WISSENSCHAFT WELTOFFEN. Hannover, 2011. Disponivel em: . Acesso em: 2 ago. 2011. [ Links ]

ZUIN, A. A. S.; PUCCI, B.; RAMOS-DE-OLIVEIRA, N. Adorno: o poder educativo do pensamento critico. Rio de Janeiro: Vozes, 2000. [ Links ]


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.