Estudantes quilombolas na Educação Superior: políticas afirmativas de acesso e permanência

Marina Graziela Feldmann, Andréia Regina Silva Cabral Libório

Resumo


O presente artigo versa a respeito de um estudo acerca do acesso dos/as estudantes quilombolas na Educação Superior, a partir de pesquisas (teses e dissertações) na área e da análise de relatos de estudantes quilombolas no contexto da pandemia de Covid-19, em uma Instituição da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Apresenta como objetivo geral investigar políticas afirmativas de acesso e permanência para estudantes quilombolas e específico, refletir sobre a vivência desses estudantes, durante o Ensino remoto em tempos pandêmicos. A metodologia fundamenta-se na abordagem qualitativa de cunho bibliográfico e análise de documentos, com base no mapeamento de estudos já realizados e narrativas de estudantes quilombolas. Os resultados apontam para a invisibilidade de determinados grupos sociais, como os quilombolas, nas pautas, dados e políticas públicas tanto de acesso quanto de permanência. Além disso, evidenciou-se a insuficiência no atendimento desses estudantes por meio do Programa de Bolsa Permanência do Ministério da Educação, dificultando ainda mais sua presença na universidade, sobretudo no período de crise sanitária.


Palavras-chave


Educação Superior; Políticas Públicas; Acesso; Permanência

Referências


ARROYO, M. G. Os coletivos empobrecidos repolitizam os currículos. In: GIMENO SACRISTÁN, J. (org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013.

BOLÍVAR; A. B. “¿De nobis ipsis silemus?”: epistemología de la investigación biográfico-narrativa en educación. Revista Electrónica de Investigación Educativa, Baja California, v. 4, n. 1, p. 1-26, May 2002. Disponível em: https://redie.uabc.mx/redie/article/download/49/91 Acesso em: 2 jan. 2022.

BRASIL. Decreto n.º 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 nov. 2003.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 ago. 2012a.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução n.º 1, de 17 de junho de 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/res012004.pdf Acesso em: 9 maio 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 389, de 9 de maio de 2013. Cria o Programa de Bolsa Permanência e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 maio 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n.º 8, de 20 de novembro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. 2012b. Disponível em: http://www.seppir.gov.br/portal-antigo/arquivos-pdf/diretrizes-curriculares Acesso em: 6 out. 2022.

BRASIL DE FATO. Apenas 20% das universidades públicas têm cotas para quilombolas. 2021. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2021/08/19/apenas-20-das-universidades-publicas-tem-cotas-para-quilombolas#:~:text=Ao%20todo%20as%20universidades%20p%C3%BAblicas,por%20cotas%20a%20popula%C3%A7%C3%A3o%20quilombola Acesso em: 2 mar. 2022.

CHAGAS, E. DataSenado: quase 20 milhões de alunos deixaram de ter aulas durante a pandemia. Senadonotícias, 12 ago. 2020. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/08/12/datasenado-quase-20-milhoes-de-alunos-deixaram-de-ter-aulas-durante-pandemia Acesso em: 2 out. 2020.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR– Capes. Catálogo de teses e dissertações. Brasília, DF, 2022. Disponível em: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/ Acesso em: 22 maio. 2022.

COORDENAÇÃO NACIONAL DE ARTICULAÇÃO DAS COMUNIDADES NEGRAS RURAIS QUILOMBOLAS – CONAQ. M . A . N . I . F . E . S . T . O: Pela efetiva implementação da Educação Escolar Quilombola, pela democracia e pelo direito à vida! 2020. Disponível em: http://conaq.org.br/wp-content/uploads/2021/08/Manifesto-final-educacao-escolar-quilombola.pdf . Acesso em: 1 mar. 2021.

CORDEIRO, M. J. J.A. Ações afirmativas: políticas de acesso e permanência nas instituições de ensino superior. Revista de Ciências Sociais. Política e Trabalho, n. 33, p. 97-115, out. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/politicaetrabalho/article/view/9035/4750 Acesso em: 20 maio 2022.

FELDMANN, M. G. Formação de professores e cotidiano escolar. In: FELDMANN, M. G. (org.). Formação de professores e escola na contemporaneidade. São Paulo: Editora Senac, 2009. p. 71-81.

FREITAS, J. B. et al. Políticas de Ação Afirmativa para quilombolas nas universidades públicas brasileiras (2019). Rio de Janeiro: Grupos de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa, 2021. Disponível em: https://gemaa.iesp.uerj.br/wp-content/uploads/2021/08/L.-Quilombola-110821b.pdf Acesso em: 24 fev. 2023.

FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES. Quadro geral de comunidades remanescentes de quilombos (CRQS). Disponível em: https://www.palmares.gov.br/wp-content/uploads/2015/07/quadro-geral-por-estados-e-regioes-22-08-2022.pdf Acesso em: 18 maio 2023.

GIMENO SACRISTÁN, J. Educar e conviver na cultura global: as exigências da cidadania. Porto Alegre: Artmed, 2002.

GOMES, N. L. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. Educação antirracista: caminhos abertos pela Lei Federal n.º 10.639/2003. Brasília, DF: Ministério da Educação e Cultura, 2005a. p. 39-62.

GOMES, N. L. Educação e relações raciais: refletindo sobre algumas estratégias de atuação. Superando o racismo na escola. Brasília, DF: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetizada e Diversidade, 2005b. p. 143-154.

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IBICT. BDTD – Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações. Brasília, DF, 2022. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/Search/Results?lookfor=%E2%80%9Cquilombolas%E2%80%9D+and+%E2%80%9Censino+superior%E2%80%9D%2C+&type=AllFields Acesso em: 22 maio 2022.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO – IFSP. Pró-Reitoria de Ensino. Estudos e cenários Covid-19. São Paulo, 2020. Disponível em: https://drive.ifsp.edu.br/s/6vT5SJ5ewO0WIJ1? Acesso em: 20 jan. 2021.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Censo da Educação Superior 2020: principais resultados. Brasília, DF, 2020. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/documentos/tabelas_de_divulgacao_censo_da_educacao_superior_2020.pdf Acesso em: 3 mar. 2021.

MOURA, C. Quilombos: resistência ao escravismo. São Paulo: Expressão Popular, 2020.

O’DWEYER, E. C. Etnicidade e direitos territoriais no Brasil contemporâneo. Revista Iberoamericana, v. 11, n. 42, p. 111-146, 2011. https://doi.org/10.18441/ibam.11.2011.42.111-126

RAMOS, M. A. S.; FARIA, P. M. M.; FARIA, A. F. L. Revisão sistemática de literatura: contributo para inovação na investigação. Revista Diálogo Educacional, v. 14, n. 41, p. 17-36, 2014.

SANTOMÉ, J. T. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, T. T. (org.). Alienígenas na sala de aula. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 155-172.

SANTOS, P. S. Relatório Técnico Científico – RTC – Quilombo de Peropava. São Paulo: Instituto de Terras do Estado de São Paulo, 2011.

SANTOS, R. E. Política de cotas raciais nas universidades brasileiras: o caso da UERJ. In: GOMES, N. L. (org.). Tempos de lutas: as ações afirmativas no contexto brasileiro. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006.

SANTOS, T. C. Universidade, território e emancipação: Quilombolas estudantes no Ensino Superior. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares Sobre a Universidade) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

SOUSA, A. C.; LIMA, D. G.; SOUSA, A. R. Da comunidade à universidade: trajetórias de luta e resistência de mulheres quilombolas universitárias no Tocantins. In: DEALDINA, S. S. (org.). Mulheres quilombolas: territórios de existências negras femininas. São Paulo: Sueli Carneiro: Jandaíra, 2021. p. 87-96.

SOUZA, B. O. Aquilombar-se: panorama histórico, identitário e político do Movimento Quilombola Brasileiro. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) –Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

SOUZA, E. S. Impactos do programa de bolsa permanência na vida acadêmica de estudantes oriundos de comunidades quilombolas: um estudo na UFRB. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Salvador, 2017.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Anuário brasileiro da educação básica 2021. São Moderna, 2021. p. 93-98. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/17YP3vbuMpBQsXvVZWKFrhF8DL4vc_GTj/view?usp=sharing Acesso em: 23 ago. 2021.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362023003103911

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2024 Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank