Uso de equacoes estruturais para validar um modelo explicativo da relação entre dominio tecnologico, interação e aprendizagem colaborativa na Educação a Distância (EaD)

Andrea Soares Rocha da Silva, Wagner Bandeira Andriola

Resumo


Objetivou-se estudar a relação entre as variaveis dominio tecnologico dos alunos, interacoes tutor-aluno e aluno-aluno e aprendizagem colaborativa em aprendizes de cursos de Educação a Distância (EaD), atraves do emprego de equacoes estruturais. Para tal, foram abordados 217 alunos (8,6% da população) oriundos de um universo de 2511 aprendizes de cursos da modalidade EaD. Verificou-se que a frequencia de navegação e de pesquisa na Internet, bem como a frequencia de utilização de softwares aplicativos, de ferramentas de comunicação e de participação em comunidades virtuais, realmente contribui para o desenvolvimento do dominio tecnologico dos alunos de EaD. Constatou-se, ainda, que as interacoes tutor-aluno e aluno-aluno contribuem para a aprendizagem “colaborativa”, ratificando, assim, a relevância das interacoes tutor-aluno e aluno-aluno para a aprendizagem na EaD, o que reforca a importância da atuação do tutor nessa modalidade de ensino.

Palavras-chave


Educação a Distância (EaD); Equacoes estruturais. Aprendizagem colaborativa; Avaliação educacional

Referências


ALVES, R. M.; ERRICO, L.; MESQUITA, R.C. Um modelo informacional para avaliações de alunos no ensino a distância via Web. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMATICA NA EDUCAÇÃO, 13., 2002, São Leopoldo, Anais... São Leopoldo, UNISINOS, 2002. p. 464-473.

BELLONI, M. L. Educação A distância. Campinas: Autores Associados, 2003.

BIELSCHOWSKY, C. E. O crescimento da educação A distância no brasil. In: ANUARIO Brasileiro Estatístico de Educação Aberta e A Distância. 4. ed. São Paulo: Instituto Monitor, 2008.

BYRNE, B. M. Structural equation modeling with AMOS: basic concepts, applications, and programming. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2001.

CASTRO FILHO, J. A.; LOPES, L. C.; SOUZA, C. F. Lista de discussão como uma ferramenta para aprendizagem colaborativa. Unopar Científica Ciências Humanas e Educação, Londrina, v. 5, n. 1, p. 55-61, 2004.

CORDEIRO, L. M. Principais atores envolvidos em um modelo de sistema para EAD. Campinas: Centro de Computação da UNICAMP, 2006. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2007.

DAVID, P. B. et. al. GAaneros assíncronos: instrumentos de interação em ambientes virtuais de aprendizagem. In: WORKSHOP DE INFORMATICA NA ESCOLA, 2006, Campo Grande, MS. Anais... Campo Grande: WIE/SBC, 2006. p. 206-214.

FILATRO, A. Design instrucional na prática. São Paulo: Pearson Education, 2008.

FUKS, H. et. al. Novas estratégias de avaliação online: aplicações e implicações em um curso totalmente A distância através do ambiente AulaNet. In: SILVA, M.; SANTOS, E. (Orgs.). Avaliação da aprendizagem em educação online. São Paulo: Loyola, 2006. p. 370-385.

GOMEZ, M. V. Educação em rede: uma visão emancipatória. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2004.

HACK, L. E. Mecanismos complementares para avaliação do aluno na educação A distância. 1999. 84 f. Dissertação (Mestrado)-Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 1999.

HAGUENAUER, C.; MARTINS, F.; LOPES, M. Avaliação no programa de capacitação em SMS – DR Distribuidora. In: SILVA, M.; SANTOS, E. (Orgs.) Avaliação da aprendizagem em educação online. São Paulo: Loyola, 2006. p. 523-531.

HOLDER, D. E. Three dimensional model of interaction: combining interactivity’s three primary elements into a singular concept. [S.l., 2005?]. Disponível em: < http://courseweb.unt.edu/gjones/fall2008/cecs6230/pdf/Three_Dimensional_Model_of_Interaction.pdf> Acesso em: 31 dez. 2008.

IMMIG, H. Avaliação da aprendizagem em ambientes de educação A distância. 2002. 102 f. Monografia (Graduação em Ciência da Computação)-Escola de Ciência e Computação, Faculdade de Ciência da Computação do Centro Universitário FEEVALE, Novo Hamburgo, RS., 2002.

JACOBSEN, A. L. Interação aluno-aluno em ambientes de educação convencional e A distância: um estudo de caso no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da UFSC. 2004. 275 f. Tese (Doutorado)-Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

KENSKI, V. M. Tecnologias e ensino presencial e A distância. Campinas: Papirus, 2003.

KENSKI, V. M.; OLIVEIRA, G. P.; CLEMENTINO, A. Avaliação em movimento: estratégias formativas em cursos online. In: SILVA, M.; SANTOS, E. (Orgs.). Avaliação da aprendizagem em educação online. São Paulo, SP: Loyola, 2006. p. 70-90.

KERLINGER, F. N.; PEDHAZER, E. Multiple Regression in Behavioral Research. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1973.

KLINE, R. B. Principles and practices of structural equation modeling. 2nd . ed. New York: The Guilford Press, 2005.

LEWIS, B. A. The effectiveness of discussion forums in on-line learning. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e A distância, Florida, v. 1, ago. 2002. Disponível em: < http://www.abed.org.br/revistacientifica/Revista_PDF_Doc/2002_The_Effectiveness_Discussion_Barbara_Lewis.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2008.

MASETTO, M. T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000. p. 133-173.

MATTAR, J. Interatividade e aprendizagem. In: LITTO, F. M. (Org.) Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education, 2009. p. 112-120.

MOGOLLA“N, I. El chat y otros procedimientos de evaluación a distancia aplicables en sistemas mixtos. Venezuela, [2004]. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2008.

MOORE, M. G.; KEARSLEY, G. Educação A distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson Learnig, 2007.

______. Distance education: a systems view. Belmont: Wadsworth Publishing Company, 1989. 290 p.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000. p. 11-66.

MOTA, R. Perspectivas para a educação A distância no Brasil. In: ANUARIO Brasileiro Estatístico de Educação Aberta e A Distância. São Paulo: Instituto Monitor, 2006.

PALLOF, R.; PRATT, K. O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudantes on-line. Porto Alegre: Artmed, 2004.

POLAK, Y. N. S. A avaliação do aprendiz em EAD. In: LITTO, F. M. (Org.) Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education, 2009. p.153-160.

SA, I. Educação A distância: processo contínuo de inclusão social. Fortaleza: CEC, 1998, p. 47.

SNYDER, P.; LAWSON, S. Evaluating results using corrected and uncorrected effect size estimates. Journal of experimental education, [Washington, DC], v. 61, n. 4, summer, 1993.

SOUSA, E. C. B. M. Panorama internacional da educação A distância. Em aberto: educação A distância, Brasília, DF, ano 16, n. 70, p. 9-16, abr./jun. 1996.

TAKAHASHI, T. (Org.). Sociedade da informação no Brasil: livro verde. Brasília, DF: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2000.

UFCVIRTUAL. Curso de Formação de Tutores de EAD. [2008]. Disponível em: . Acesso em 01 jul. 2008.

VALENTE, J. A. A espiral da aprendizagem e as tecnologias da informação e comunicação: repensando conceitos. In: JOLY, M.C. (Ed.) Tecnologia no ensino: implicações para a aprendizagem. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. p.15-37.

______. Educação A distância no ensino superior: soluções e flexibilizações. . Interface, Botucatu, v. 7, n. 12, p. 139-142, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank