Teoria e Prática na Formação de Professores: Brasil, Escócia e Inglaterra

Menga Lüdke, Ana Ivenicki

Resumo


A visão sobre nossos caminhos para a formação de professores da Educação Básica, ao lado dos que vêm sendo seguidos em dois países, Escócia e Inglaterra, suscitou uma série de questões para discussão. As reflexões se desenvolveram sobre vários problemas que enfrentamos nesse aspecto tão importante da nossa Educação. Entre tais problemas, destaca-se o difícil equilíbrio entre os componentes teóricos e práticos dessa formação, muito ligado à articulação entre o trabalho formador da Universidade e o da escola de Educação Básica, as duas instituições responsáveis pela formação de nossos professores. Neste texto trazemos análises e sugestões a respeito dessa relevante temática.


Palavras-chave


Formação de Professores; Articulação teoria prática; Brasil, Escócia e Inglaterra

Referências


ANDRÉ, M. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995.

ANDRÉ, M. (org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas: Papirus, 2001.

ANDRÉ, M. (org.). Práticas inovadoras na formação de professores. Campinas: Papirus, 2016.

BAMBINO, V. P. O estágio supervisionado e as instituições responsáveis em diálogo. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica de Petrópolis, Petrópolis, 2012.

BARRA, V. M. L. O estatuto do trabalho do professor/escola nas políticas de formação de professores no Brasil (1969-2019): balanço do cinquentenário do estágio e perspectivas. In: DOURADO, L. F. (org.). PNE, Políticas e gestão da educação: novas formas de organização e privatização. Brasilia, DF: Anpal, 2020. p. 295-318.

BEILLEROT, J. A “pesquisa”: esboço de uma análise. In: ANDRÉ, M. (org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas: Papirus, 2001. p. 71-90.

CANDAU, V. M. F. Diferenças, educação intercultural e decolonialidade: insurgências. Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 13, n. eso, p. 678-686, dez. 2020. https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13nEspecial.54949

ELLIOT, J. Educational theory and the professional learning of teachers: an overview. Cambridge Journal of Education, Cambridge, v. 19, n. 1, p. 81-101, 1989. https://doi.org/10.1080/0305764890190110

ELLIOT, J. Quality criteria for lesson and learning studies as forms of action research. International Journal for Lesson and Learning Studies, Bingley, v. 9, n. 1, p. 11-17, 2019. https://doi.org/10.1108/IJLLS-02-2019-0018

ELLIOT, J. Recolocando a pesquisa-ação em seu lugar original e próprio. In: GERALDI, C. M. G.; FIORENTINI, D.; PEREIRA, E. M. A. (orgs). Cartografias do trabalho docente. Campinas: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil, 1998. p. 137-152.

ERICKSON, F. Metodos cualitativos de investigación sobre la enseñanza. In: WITTROCK, M. C. La investigación de la enseñanza. II. Metodos cualitativos y de observación. Barcelona: Paidos, 1989.

ESCÓCIA. Policy schools, initial teacher education, 2021.Disponível em: https://www.gov.scot/policies/schools/teachers/#initialeducation Acesso em: maio 2021.

FIORENTINI, D. Grupo de sábado: uma história de reflexão, investigação e escrita sobre a prática escolar em matemática. In: FIORENTINI, D.; CRISTOVÃO, E. M. (orgs.). História e investigações de/em aulas de matemática. Campinas: Alínea, 2006. p. 207-214.

FIORENTINI, D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M. C; ARAÚJO, J. L. (orgs.). Pesquisa qualitativa em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 112-120.

FIORENTINI, D. et al. Práticas de formação e de pesquisa de professores que ensinam matemática. Campinas: Mercado de Letras, 2009.

FURLONG, J. Education: an anatomy of the discipline: rescuing the university project? Abingdon: Routledge, 2013.

GABRIEL, C. T.; SENNA, B. Complexo de formação de professores: espaço-tempo produtor de políticas de currículo. Série-Estudos, Campo Grande , v. 25, n. 55, p. 133-153, set./dez. 2020. https://doi.org/10.20435/serie-estudos.v0i0.1491

GRANT, N. D. C. Multicultural societies in the European Community: the odd case of Scotland. European Journal of Intercultural Studies, Bucareste, v. 5, n. 1, p. 51-59, 1994. https://doi.org/10.1080/0952391940050106

IVENICKI, A. Multiculturalismo e formação de professores: dimensões, possibilidades e desafios na contemporaneidade. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 26, n. 100, p. 1151-1167, jul./set. 2018. https://doi.org/10.1590/S0104-40362018002601186

LÜDKE, M. Explorando o campo de conhecimento da Educação em perspectiva internacional. In: CANDAU, V. M.; CRUZ, G. B..; FERNANDES, C. (orgs.). Didática e fazeres-saberes pedagógicos: diálogos, insurgências e políticas. Petrópolis: Vozes, 2020. p. 272-291.

LÜDKE, M; SCOTT, D. O lugar do estágio na formação de professores em duas perspectivas: Brasil e Inglaterra. Educação e Sociedade, Campinas, v. 39, n. 142, p. 109-125, jan./-mar., 2018. https://doi.org/10.1590/es0101-73302018183505

MILLS, C. W. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1965.

MOREIRA, A. F. B., Formação de professores e currículo: questões em debate. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 29, n. 110, p. 35-50, jan./mar. 2021. https://doi.org/10.1590/S0104-40362020002802992

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação num tempo de metamorfose da escola. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 44, n. 3, p. 1-15, 2019. https://doi.org/10.1590/2175-623684910

RAFFE, D. Policy borrowing or policy learning? How (not) to improve educational systems. 37 Briefing, Centre for Educational Sociology, University of Edinburgh. Edinburgh: Centre for Educational Sociology, 2011. Disponível em: https://www.ces.ed.ac.uk/old_site/PDF%20Files/Brief057.pdf Acesso: jun. 2021.

STENHOUSE, L. An introduction to curriculum research and development. London: Heinemann Educational Books, 1975.

WHITTY, G.; FURLONG, J. (eds.). Knowledge and the study of education: an international exploration. Oxford: Symposium Books, 2017.

YOUNG, M. Powerful knowledge or the powers of knowledge: a dialogue with history educators. In: CHAPMAN, A. (ed.). Knowing history in schools: Power knowledge and the powers of knowledge. London: UCL Press, 2021. p. 234-259.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362022003003648

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank