Selecao de Docentes em Universidades Federais: uma analise dos regulamentos

Elisabete Stradiotto Siqueira, Erlaine Binotto, Fabiula Meneguete Vidas da Silva, Debora Nayar Hoff

Resumo


A selecao de pessoal constitui-se em um processo complexo, na medida em que envolve criterios subjetivos, alem dos objetivos presentes nos regulamentos e editais. Neste artigo, objetiva-se analisar se a metodologia do concurso público avalia o candidato naquilo que lhe e demandado no contexto do trabalho docente. E uma pesquisa documental dos regimentos que regem concursos, com uso de metodo qualitativo e quantitativo. As categorias de analise foram: a) composicao das bancas examinadoras; b) formas de avaliação; c) criterios de pontuação dos instrumentos de avaliação. Na analise, percebe-se que os criterios de escolha dos pares que avaliarao os candidatos nao estao descritos claramente nos regulamentos. A questao da competencia esta restrita à atuação no ensino e as dimensoes pesquisa e extensao tendem a ser avaliadas de forma pontual na analise do curriculo dos candidatos.

Palavras-chave


Selecao; Avaliação; Criterios; Concurso

Referências


BECK, U. Capitalismo sem trabalho. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 18, n. 1, 1997, p. 41-56.

BENCE, V.; OPPENHEIM, C. The influence of peer review on the research assessment exercise. Journal of Information Science. v. 30, n. 4, 2004. p. 347-368.

BOHLANDER, G.; SNELL, S.; SHERMAN, A. AdministraA§A£o de recursos humanos. SA£o Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

BRASIL. ConstituiA§A£o da RepAºblica Federativa do Brasil de 1988. DiA¡rio Oficial da UniA£o, BrasA­lia, out. 1988.

______. Lei no 10.172, de 9 de Janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de EducaA§A£o e dA¡ outras providAancias. DiA¡rio Oficial da UniA£o, BrasA­lia, DF, n.7, p.1, 10 jan. 2001. SeA§A£o 1.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. SA£o Paulo: Paz e Terra, 1999.

DAFT, R. L. AdministraA§A£o. SA£o Paulo: Thomson Learning, 2007.

DAVEL, E.; VERGARA, S. C. GestA£o com pessoas, subjetividade e objetividade nas organizaA§Aµes. In: ______. GestA£o com pessoas e subjetividade. SA£o Paulo: Atlas, 2001. p. 31-56.

DAVYT, A; VELHO, L. A avaliaA§A£o da ciAancia e a revisA£o por pares: passado e presente: como serA¡ o futuro. HistA³ria, CiAancias e SaAºde – Manguinhos, v. 7, n. 1, Rio de Janeiro, mar./jun. 2000.

DEMO, P. AvaliaA§A£o sob o olhar propedAautico. SA£o Paulo: Papirus, 1996.

______. Educar pela pesquisa. Campinas: Autores Associados, 2003.

DUTRA, J. S. GestA£o de pessoas: modelo, processos, tendAancias e perspectivas. SA£o Paulo: Atlas, 2002.

FERNANDEZ, A. A inteligAancia aprisionada: abordagem psicodedagA³gica da crianA§a e sua famA­lia. Porto Alegre: Artes MA©dicas, 1990.

FLEURY, M. T. L.; FLEURY, A. Construindo o conceito de competAancias. RAC, Rio de Janeiro, EdiA§A£o Especial, p. 183-196, 2001.

FA“RUM DE PRA“-REITORES DE GRADUAA‡AƒO DAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS. Diretrizes para a formaA§A£o de professores: concepA§Aµes e implementaA§A£o. JoA£o Pessoa: ForGRAD, 2002.

GATTI, B. A. AvaliaA§A£o institucional e acompanhamento de instituiA§Aµes de ensino superior. SA£o Paulo: FundaA§A£o Carlos Chagas, 2000.

GIL, A. C. GestA£o de pessoas: enfoque nos papA©is profissionais. SA£o Paulo: Atlas, 2001.

GRIVELL, L. Through a glass darkly. EMBO reports, v. 7, n. 6, p. 566-570, 2006.

HANASHIRO, D.; TEIXEIRA, M.; ZACCARELLI, L. GestA£o do fator humano: uma visA£o baseada nos stakeholders. SA£o Paulo: Saraiva, 2007.

HELOANI, J. R. OrganizaA§A£o do trabalho e administraA§A£o: uma visA£o multidisciplinar. SA£o Paulo. Cortez, 1994.

IVANCEVICH, J. M. GestA£o de recursos humanos. SA£o Paulo: Mc Graw-Hill, 2008.

JONES, G.; GEORGE, J. AdministraA§A£o contemporA¢nea. SA£o Paulo: McGraw-Hill, 2008.

LIMA, P. A. A formaA§A£o de professores e pesquisadores para a educaA§A£o inclusiva. SA£o Paulo: Avercamp, 2006.

LIMONGI-FRANA‡A, A. C. PrA¡ticas de recursos humanos – PRH. SA£o Paulo: Atlas, 2007.

MANZINI-COVRE, M.L. Professores universitA¡rios – acenos reflexivos para um ensino formando professores “responsA¡veisâ€. In: MANZINI-COVRE, M.L (org). FormaA§A£o do professor, formaA§A£o do aluno. SA£o Paulo: ExpressA£o e Arte Editora, 2007.

MARRAS, J. P. AdministraA§A£o de recursos humanos: do operacional ao estratA©gico. SA£o Paulo: Futura, 2000.

MICHAELS, E.; HANDFIELD-JONES, H.; AXELROD, B. A guerra pelo talento: o talento como diferencial estratA©gico entre as empresa. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

MORIN, E. IntroduA§A£o ao pensamento complexo. Lisboa: Inst. Piaget, 1990.

______. O mA©todo IV – as idA©ias: a sua natureza, vida, habitat e organizaA§A£o. Portugal: Europa-AmA©rica, 1991.

MINISTA‰RIO DO PLANEJAMENTO. Decreto no 94.664, de 23 de julho de 1987. DisponA­vel em:. Acesso em: maio 2009.

______. Portaria no 475, de 26 de Agosto de 1987. DisponA­vel em:. Acesso em: maio 2009.

RODRIGUES, M. E. F. Resgatando espaA§os e construindo ideias: ForGRAD 1997 a 2002. NiterA³i: EdUFF, 2002.

RUAS, R. Mestrado executivo, formaA§A£o gerencial e a noA§A£o de competAancias: provocaA§Aµes e desafios. In: ENANPAD, 2001, Campinas, SP. Anais… Rio de Janeiro: ENANPAD, 2001.

RUSAW, A. C.; RUSAW, M. F. The Role of HRD in Integrated Crisis Management: a public sector approach. Developing Human Resources, v. 10, n. 3, p. 380-396, June, 2008,.

SANTAELLA, L. ComunicaA§A£o e pesquisa. SA£o Paulo: Hacker Editores, 2001.

SENNETT, R. A corrosA£o do carA¡ter: consequAancias pessoais do trabalho no novo. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SERRES, M. Filosofia mestiA§a: le tiers instruit. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

TOFFLER, A. A riqueza revolucionA¡ria. SA£o Paulo: Futura, 2007.

ULRICH, D. (Org.). Recursos humanos estratA©gicos: novas perspectivas para os profissionais de RH. 3.ed. SA£o Paulo: Futura, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank