Os aspectos metodologicos da pratica pedagogica no 1º ano do Ensino Fundamental

Thalita Folmann da Silva, Evelise Maria Labatut Portilho

Resumo


A partir de 2010, em todas as escolas brasileiras o Ensino Fundamental de nove anos foi efetivado. Com a ampliação do ensino percebeu-se a necessidade de analisar a percepcao e a atuação dos professores de 1° ano em relação a ampliação do ensino fundamental de nove anos, em duas escolas do municipio de Curitiba/Parana, com enfase nos aspectos metodologicos e relacionais de sala de aula. Os participantes deste estudo foram quatro professoras, duas da rede privada e duas da rede pública. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas com as professoras, Diarios das Professoras, Diario da Pesquisadora e Protocolo de Observação. Dentre os autores que contribuiram para a analise dos dados, estao Zabalza (2004), Pozo (2002), Freire (1996), Arroyo (2004), Claxton (2005), Soares (2007), entre outros. Durante a investigação foi possivel perceber a preocupação governamental em oferecer subsidios teoricos e metodologicos para a ação docente. Entretanto, verificou-se que ha muitos desafios em relação ao 1º ano do Ensino Fundamental, especialmente no tocante a pratica pedagogica no processo de alfabetização/letramento. Para que um ensino seja significativo no ambiente formal de aprendizagem que e a escola, a pratica pedagogica precisa estar de acordo com as caracteristicas e necessidades das criancas, bem como pautada em concepcoes que favorecam o desenvolvimento e a aprendizagem infantil, e possam influenciar as experiencias posteriores dos aprendizes.

Palavras-chave


Aprendizagem; 1° ano do ensino fundamental; Ensino

Referências


ARROYO, M. G. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. Petrópolis: Vozes, 2004.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez.1996.

CLAXTON, G. O desafio de aprender ao longo da vida. Porto Alegre: Artmed, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários A prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

MARCELO, C. G. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

MINISTAÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Básica. Ensino Fundamental de nove anos: orientações gerais. Brasília, DF: MEC/SEB, 2004. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/noveanorienger.pdf>. Acesso em: 20 de set. 2008.

______. Secretaria de Educação Básica. A ampliação do Ensino Fundamental para nove anos: relatório do programa. Brasília, DF: MEC/SEB, 2006. Disponível em:< http://portal.mec.gov.br/seb>. Acesso em: 20 de set. de 2008.

______. Secretaria de Educação Básica. A criança de seis anos, a linguagem escrita e o Ensino Fundamental de nove anos. Brasília, DF: MEC/SEB, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 de mar 2010.

PARANA (Estado). Deliberação nº 3, de 9 de julho de 2006. Normas para a implantação do Ensino Fundamental de 9 (nove) anos de duração no Sistema Estadual de Ensino do Estado do Paraná. Conselho Estadual de Educação do Estado do Paraná, Paraná, processo n.° 707/06, 9 jul. 2006. Disponível em: < http://www.educacao.pr.gov.br/arquivos/File/deliberacoes/deliberacao032006.PDF>. Acesso em: 20 de setembro de 2008.

POZO, J. I. Aprendizes e mestres: a nova cultura da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2002.

SOARES, M. Alfabetização e letramento. São Paulo: Cortez, 2007.

VEIGA, I. P. A. Formação de professores: políticas e debates. Campinas: Papirus, 2002.

ZABALZA, M. A. Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: Artmed, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank