Processos de liderança no Projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular

Nuno Fraga, Gorete Pereira, Ana Isabel Gouveia, Fernanda Gouveia

Resumo


Considerando os pressupostos que, em Portugal, enquadram o Projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular (PAFC) elencados no Despacho nº 5908/2017, de 5 de julho que, em “regime de experiência pedagógica, define os princípios e regras orientadores da conceção, operacionalização e avaliação do currículo dos Ensinos Básico e Secundário, de modo a alcançar o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória” (Artigo 1º), este artigo procura desvelar na voz de cinco diretores (líderes escolares) de escolas públicas do 1º Ciclo do Ensino Básico, as primeiras evidências da implementação do PAFC. Embora se trate de um processo curricular e pedagógico recente, importa compreender nessas narrativas se as escolas experienciam, de facto, tempos e espaços de uma autonomia construída e contextualizada. Neste sentido, partindo de um estudo de caso múltiplo a partir da aplicação de um inquérito por questionário, convertem-se em eixos temáticos de análise de conteúdo, as seguintes dimensões: autonomia de escola, flexibilidade curricular, prática pedagógica e avaliação. Da triangulação dos dados conclui-se que os diretores de escola assumem o PAFC como uma política educativa que abre espaço pedagógico a uma mudança de paradigma, pelo nível de autonomia outorgado às escolas, permitindo-lhes uma gestão curricular mais contextualizada, por conseguinte mais humanista, mais sensível às realidades locais e às particularidades dos seus públicos.


Palavras-chave


Autonomia de Escola; Flexibilidade Curricular; Prática Pedagógica; Pedagogia da Autonomia; Avaliação; Liderança

Referências


ALVES, J. M. Autonomia e flexibilidade: pensar e praticar outros modos de gestão curricular e organizacional. In: PALMEIRÃO, C.; ALVES, J. M. (orgs.). Construir a autonomia e a flexibilização curricular: os desafios da escola e dos professores. Porto: Universidade Católica Editora, 2017. p. 6-14.

AUSUBEL, D. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano, 2003.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1995.

COSME, A. Autonomia e flexibilidade curricular. propostas e estratégias de ação. Porto: Porto, 2018.

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “Cultura Educacional Mundial Comum” ou localizando uma “Agenda Globalmente Estruturada para a Educação”? Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 87, p. 423-460, ago. 2004. https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000200007

DEWEY, J. Democracia e educação. Lisboa: Plátano, 2007.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. São Paulo: Artmed, 2009.

FORMOSINHO, J. Organizar a escola para o (in)sucesso educativo: contributos para uma outra prática educativa. Porto: ASA, 1992.

FORTIN, M. O processo de investigação: da concepção à realização. 5. ed. Loures: Lusociência, 2009.

FREIRE, P. Política e educação. São Paulo: Cortez, 1993.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

GLANZ, J. À descoberta do seu estilo de liderança: um guia para educadores e professores. Porto: ASA, 2003.

GOMES, C. A. A escola de qualidade para todos: abrindo as camadas da cebola. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 48, p. 281-306, set. 2005. https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000200007

GOUVEIA, A. I.; FRAGA, N. A construção do conhecimento na educação de infância. In: CORREIA L. G.; LEÃO R.; POÇAS, S. (eds.). O tempo dos professores. Porto: Centro de Investigação e Intervenção Educativas/Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, 2017. p. 525-539.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

LEITE, C. Para uma escola curricularmente inteligente. Porto: ASA, 2003.

OECD. Curriculum flexibility and autonomy in Portugal: an OECD review. Paris, 2018. Disponível em: https://www.oecd.org/education/2030/Curriculum-Flexibility-and-Autonomy-in-Portugal-an-OECD-Review.pdf Acesso em: 4 maio 2020.

PACHECO, J. Organização curricular portuguesa. Porto: Porto, 2008.

PEREIRA, G. A aprendizagem colaborativa, porquê? Revista Série-Estudos - Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica Dom Bosco. Campo Grande, v. 23, n. 47 p. 5-25, jan./abr. 2018.

REPÚBLICA PORTUGUESA. Decreto Legislativo Regional nº 28/1016/M. Regula os concursos para seleção e recrutamento do pessoal docente dos ensinos básico e secundário e do pessoal docente especializado em educação e ensino especial da Região Autónoma da Madeira. Diário da República, Lisboa, 17 jul. 2016, nº 135, Série I,

REPÚBLICA PORTUGUESA. Direção Geral da Educação. Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória. Lisboa: Ministério da Educação, 2017b. Disponível em: https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Curriculo/Projeto_Autonomia_e_Flexibilidade/perfil_dos_alunos.pdf Acesso em: 25 mar. 2020.

REPÚBLICA PORTUGUESA. Secretaria de Estado da Educação. Despacho n.º 5908/2017. Diário da República, Lisboa, 5 jul 2017A, 2a série, n. 128. Era Despacho

ROLDÃO, M. C. Currículo e aprendizagem efetiva e significativa. Eixos da investigação curricular dos nossos dias. In: PALMEIRÃO, C.; ALVES, J. M. (orgs.) Construir a autonomia e a flexibilização curricular: os desafios da escola e dos professores. Porto: Universidade Católica Editora, 2017. p. 15-24.

ROLDÃO, M. C. Desenvolvimento do Currículo e melhoria de processos e resultados. In: MACHADO, J.; ALVES, J. M. (orgs.). Melhorar a escola. Porto: Universidade Católica Editora, 2013. p. 131-140.

TAYLOR, F. Os princípios da gestão científica. Lisboa: Sílabo, 2011.

UNIÃO EUROPÉIA. Educação, formação e juventude. [S. l.], 2019. Disponível em: https://europa.eu/european-union/topics/education-training-youth_pt Acesso em: 25 mar. 2020.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-403620220003002936

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank