Pedagogia dialogica para democratizar a educação superior

Ivar Cesar Oliveira de Vasconcelos, Candido Alberto Gomes

Resumo


A expansao da educação superior, abrangendo estudantes mais diversos do ponto de vista sociocultural implica necessariamente a sua democratização? Esta pesquisa questiona a aparente neutralidade das instituicoes educacionais, indagando se esta reproduz as relacoes sociais e o poder dominante. Para isso, investigou-se a interação entre as experiencias sociais de jovens estudantes e de professores universitarios, buscando atualizar o conceito de pedagogia dialogica. Um estudo de casos múltiplos, envolvendo duas licenciaturas, evidenciou, dentre outros, a valorização da amizade, criatividade e respeito, bem como a preocupação de todos com o desinteresse de estudantes pelo curso. Elaborou-se uma hipotese, com tres eixos fundamentais das interacoes sociais de estudantes e professores: as tendencias de culpar o outro pelo insucesso educacional e de cultivar relacoes autoritarias, bem como a negação da capacidade critica dos individuos.


Palavras-chave


ducação superior; Democratização; Inclusao social; Pedagogia dialogica

Referências


ALARCAO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 6. ed. Sao Paulo: Cortez, 2008.

BARDIN, L. Analise de conteúdo. 5. ed. Lisboa: Edicoes 70, 2009.

BAUMAN, Z. Modernidade liquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionario de politica. 12. ed. Brasilia: Editora Universidade de Brasilia, 2004.

BOLIVAR, A. A educacao em valores: o que aprendemos com o seu esboco e o seu desenvolvimento curricular em Espanha? In: TRILLO, F. (Coord.). Atitudes e valores no ensino. Lisboa: Instituto Piaget, 2000. p. 123-70.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. Les heritiers: les etudiants et la culture. Paris: Ed. de Minuit, 1964.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira – INEP. Censo da educacao superior 2012: resumo tecnico. Brasilia, DF: INEP, 2014.

BRASIL . Ministerio da Educacao e do Desporto. Secretaria da Educacao Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introducao aos parâmetros curriculares nacionais. Brasilia, DF, 1997.

BRASIL . Ministerio da Educacao. Conselho Nacional de Educacao. Parecer CNE/CSE nº 492, de 3 de abril de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Filosofia, Historia, Geografia, Servico Social, Comunicacao Social, Ciencias Sociais, Letras, Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia. Brasilia, DF: Conselho Nacional de Educacao, 2001.

BRASIL . Ministerio da Educacao. Conselho Nacional de Educacao. Resolucao CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduacao em Pedagogia, licenciatura. Brasilia, DF: Conselho Nacional de Educacao, 2006.

BUARQUE, C. A aventura da universidade. Sao Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista; Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

BUBER, M. Eu e tu. 10. ed. Sao Paulo: Centauro, 2009.

CASASSUS, J. Fundamentos da educacao emocional. Brasilia, DF: Unesco, Liber Livro Editora, 2009.

COLL, C. Psicologia e curriculo: uma aproximacao psicopedagogica à elaboracao do curriculo escolar. Sao Paulo: Atica, 2001. (Fundamentos, 123).

COLL, C. et al. Os conteúdos na reforma: ensino e aprendizagem de conceitos, procedimentos e atitude. Porto Alegre: Artes Medicas, 1998.

DELORS, J. et al. Educacao um tesouro a descobrir: relatorio para a UNESCO da Comissao Internacional sobre Educacao para o Seculo XXI. Sao Paulo: Cortez; Unesco no Brasil, 1998.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. 8. ed. Campinas: Autores Associados, 2007.

DICK, H. Gritos silenciados, mas evidentes: jovens construindo juventude na Historia. Sao Paulo: Loyola, 2003.

DUBET, F. A escola e a exclusao. Cadernos de Pesquisa, Sao Paulo, n. 119, p. 29-45, 2003. doi:10.1590/S0100-15742003000200002

DUBET, F . A formacao dos individuos: a desinstitucionalizacao. Contemporaneidade e Educacao, Rio de Janeiro, v. 3, p. 27-33, 1998.

DUBET, F. Democratizacao escolar e justica da escola. Educacao, Santa Maria, v. 33, n. 3, p. 381-93, 2008. doi:10.5902/19846444

DUBET, F. El declive de la institucion. Barcelona: Gedisa, 2013.

DUBET, F. Sociologia da experiencia. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessarios à pratica educativa. Sao Paulo: Paz e Terra, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da esperanca: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Sao Paulo: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 50. ed. Sao Paulo: Paz e Terra, 2011.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. Sao Paulo: Atlas, 2002.

GOFFMAN, E. A representacao do eu na vida cotidiana. Petropolis: Vozes, 1985.

GOMES, C. A. (Org.). Juventudes: possibilidades e limites. Brasilia, DF: Unesco: UCB, 2011.

GOMES, C. A.; VASCONCELOS, I. O.; LIMA, D. A. Juventude: se correr o bicho pega. Revista Dialogos, Brasilia, v. 17, n. 1, p. 51-62, 2012.

HOUAISS, A. Dicionario Houaiss da lingua portuguesa. Lisboa: Circulo de Leitores, 2003.

INCLUIR. In: INSTITUTO ANTÔNIO HOUAISS. Dicionario eletrônico Houaiss da lingua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

JOHNSON, A. G. Dicionario de sociologia: guia pratico da linguagem sociologica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

JOSPIN, L. Discurso na abertura da Conferencia Mundial sobre o Ensino Superior. In: FORUM CRU, 5., Tendencias da educacao superior para o seculo XXI. Brasilia, DF: Unesco, 1999. p. 47-50.

MANCEBO, D.; VALE, A. A.; MARTINS, T. B. Politicas de expansao da educacao superior no Brasil, 1995-2010.Revista Brasileira de Educacao, Rio de Janeiro, v. 20, n. 60, p. 31-50, 2015. doi:10.1590/S1413-24782015206003

MASETTO, M. T. Didatica: a aula como centro. 4. ed. Sao Paulo: FTD, 1997.

MAUGER, G. La teoria de la reproduccion frente al reto de la democratizacion escolar. In: Carvacho, C. B. et al.La escolarizacion de los adolescentes: desafios culturales, pedagogicos y de politica educativa. Buenos Aires: IIPE-UNESCO, 2012. p. 19-53.

MEHTA, S. Pequenas e grandes estorias: para alem de teorias em disputa, rumo ao “multialogo”. In: COWEN, R.; KAZAMIAS, A. M.; ULTERHALTER, E. Educacao comparada: panorama internacional e perspectivas. Brasilia: Unesco/Capes, 2012. p. 647-69.

MORAIS, M. C. Ecologia dos saberes: complexidade, transdisciplinaridade e educacao: novos fundamentos para iluminar novas praticas educacionais. Sao Paulo: Antakarana/WHH-Willis Harman House, 2008.

MORIN, E. A cabeca bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 15. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT – OECD. Education at a glance 2010. Paris: OECD, 2010.

PAIS, J. M. Ganchos, tachos e biscates: jovens, trabalho e futuro juvenis. 2. ed. Porto: Ambar, 2003.

RISTOFF, D. Perfil socioeconômico do estudante de graduacao: uma analise de dois ciclos completos do ENADE (2004 a 2009). Cadernos do GEA, Rio de Janeiro, n. 4, jul./dez. 2013.

ROGGERO, R. Contradicoes na educacao superior: o perfil do jovem contemporâneo e o discurso pedagogico.Acta Semiotica e Linguistica, v. 11, p. 167-85, 2006.

ROTTER, J. B. Internal versus external control of reinforcement: a case history of a variable. American Psychologist, Washington, D.C., v. 45, n. 4, p. 489-93, 1990.

SALMON, W. C. Logica. 3. ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil Ltda., 1993.

SANTOS, B. S. Pela mao de Alice: o social e o politico na pos-modernidade. 10. ed. Sao Paulo: Cortez, 2005.

SANTOS, B. S. Renovar a teoria critica e reinventar a emancipacao social. Sao Paulo: Boitempo, 2007.

SARTRE, J.-P. El hombre y las cosas. Buenos Aires: Losada, 1960.

SAVAGE, J. A criacao da juventude: como o conceito de teenage revolucionou o seculo XX. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

SIVERES, L. A extensao como um processo aprendente. In: FREITAS, L. G.; CUNHA FILHO, J. L.; MARIZ, R. S. (Org.). Educacao superior: principios, finalidades e formacao continuada de professores. Brasilia, DF: Universa: Liber Livro, 2010. p. 101-20.

SPOSITO, M. P. (Org.). O estado da arte sobre juventude na pos-graduacao brasileira: educacao, ciencias sociais e servico social (1999-2006). Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009.

STAKE, R. E. A arte da investigacao com estudos de caso. Lisboa: Fundacao Calouste Gulbenkian, 1995.

TAVARES, J. Uma sociedade que aprende e se desenvolve: relacoes interpessoais. Porto: Ed. Porto, 1996.

THOMPSON, J.B. A midia e a modernidade: uma teoria social da midia. Petropolis: Vozes, 1998.

TOURAINE, A. Iguais e diferentes: poderemos viver juntos? Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

UNITED NATIONS CHILDREN’S FUND – Unicef. An overview of child well-being in rich countries. Florence, 2007. (Innocenti Report Card, v. 7).

UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION – Unesco. Tendencias da educacao superior para o seculo XXI. Brasilia, DF: Unesco/CRUB, 1999.

UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION – Unesco. CONFERENCIA MUNDIAL SOBRE LA EDUCACION SUPERIOR – 2009: la nueva dinamica de la educacion superior y la investigacion para el cambio social y el desarrollo. Paris: Unesco, 2009.

VASCONCELOS, I. C. O. Conteúdos atitudinais como o lugar da investigacao no processo educacional. Educacao, Gestao e Sociedade, Jandira, v. 2, n. 6, p. 1-14, jun. 2012.

VIEIRA, E. Sociologia da educacao: reproduzir e transformar. 3. ed. Sao Paulo: FTD, 1996.

WELLS, H. G. O homem invisivel. Sintra: Europa-America, 1992.

WILBER, K. A uniao da alma e dos sentidos: integrando ciencia e religiao. Sao Paulo: Cultrix, 2006.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e metodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362016000300004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank