Racionalidade e gerencialismo na politica educacional paulista de 1995 a 2014: muito alem das conjunturas

Gessica Priscila Ramos

Resumo


Este artigo objetiva apresentar o modelo de gestao que embasa a politica educacional paulista de 1995 a 2014, reconstruindo, para tanto, a logica que sustenta e entrelaca os principais programas, projetos e acoes implementados no periodo. A partir de analise bibliografica e documental, verificou-se que, nesse periodo, os eixos racionalização organizacional, mudanca nos padroes de gestao e melhoria na qualidade do ensino, mantiveram-se como base da reforma educacional no Estado. Sob essa configuração, o material analisado revela que tal processo sustenta-se num modelo gerencialista e de racionamento da educação e, por conseguinte, da propria qualidade do ensino.


Palavras-chave


Politica educacional paulista; Gestao educacional; Qualidade de ensino

Referências


ABRAHAO, R. C. R. A formacao continuada de professores no Programa Teia do Saber – Universidade: um olhar avaliativo. 2006. 116 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao) – Pontificia Universidade Catolica de Campinas, Campinas.

ADRIAO, T. Oferta do ensino fundamental em Sao Paulo: um novo modelo. Educacao e Sociedade, Campinas, v. 29, n. 102, p. 79-98, jan./abr. 2008. doi:10.1590/S0101-73302008000100005

ADRIAO, T.; GARCIA, T. Subsidio público ao setor privado: reflexoes sobre a gestao da escola pública no Brasil.Politicas Educativas, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 110-22, 2014.

ARCAS, P. H. Implicacoes da progressao continuada e do SARESP na avaliacao escolar: tensoes, dilemas e tendencias. 2009. 178 f. Tese (Doutorado em Educacao) – Universidade de Sao Paulo, Sao Paulo.

BARROS, M. C. M. M.; TAVARES, P. A.; MASSEI, W. O desenvolvimento da educacao no Estado de Sao Paulo: sistema de avaliacao do rendimento escolar, plano de desenvolvimento da educacao e bonificacao variavel por desempenho. Sao Paulo em Perspectiva, Sao Paulo, v. 23, n. 1, p. 42-56, jan./jun. 2009.

BAUER, A. Usos dos resultados do SARESP: o papel da avaliacao nas politicas de formacao docente. 2006. 171 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao) – Universidade de Sao Paulo, Sao Paulo.

BERGO, L. F. Escola de tempo integral: qual e o papel que se pretende para a escola? Sao Paulo: Fundacao de Amparo à Pesquisa do Estado de Sao Paulo, 2014. (Relatorio final de pesquisa).

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira – INEP. Saeb 2005: primeiros resultados: medias de desempenho do Saeb/2005 em perspectiva comparada. Brasilia, DF, 2007. Disponivel em: . Acesso em: 5 ago. 2015.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira – INEP. Sipnoses estatisticas da educacao basica: 1996. Brasilia, DF, 1997. Disponivel em:

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira – INEP. Sipnoses estatisticas da educacao basica: 2001. Brasilia, 2002. Disponivel em:

BRASIL. Presidencia da República. Câmara da Reforma do Estado. Plano diretor da reforma do aparelho do Estado. Brasilia, DF, 1995.

BRASIL. Presidente. Palavra do presidente - Fernando Henrique Cardoso. Brasilia, DF; Presidencia da República, 2002. v. 2.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Da administracao pública burocratica à gerencial. Revista do Servidor Público, Brasilia, DF, v. 120, n. 1, p. 9-44, jan./abr. 1996.

CANCIAN, N. SP convoca, pela quarta vez, docentes reprovados em teste. Folha de Sao Paulo, 2 mar 2013. Disponivel em:

CATANZARO, F. O. O programa Sao Paulo faz escola e suas apropriacoes no cotidiano de uma escola de Ensino Medio. 2012. 126 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao) – Universidade de Sao Paulo, Sao Paulo.

CONSTANCIO, A. R. A padronizacao do trabalho docente: critica do Programa Ler e Escrever. 2012. 130 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao) – Pontificia Universidade Catolica de Sao Paulo, Sao Paulo.

COSTA, F. L. Reforma do Estado e contexto brasileiro: critica ao paradigma gerencialista. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: critica às apropriacoes neoliberais e pos-modernas da teoria vigotskiana. Campinas: Autores Associados, 2000.

DUARTE, N. As pedagogias do “aprender a aprender” e algumas ilusoes da assim chamada sociedade do conhecimento. Revista Brasileira de Educacao, Rio de Janeiro, n. 18, p. 35-40, set./dez. 2001. doi:10.1590/S1413-24782001000300004

ESTADO DE SAO PAULO. A reinvencao da escola. 22 ago. 2007. Editorial.

FIAMENGUI, G. Impactos do Projeto Sao Paulo Faz Escola no trabalho do professor. 2008. 134 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao) – Universidade Catolica de Santos, Santos.

FOLHA DE SAO PAULO. Secretaria de Covas faz criticas ao secretario de Alckmin. Sao Paulo, 12 mar. 2007. Cotidiano.

FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educacao: da desmoralizacao do magisterio à destruicao do sistema público de educacao. Educacao e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr./jun. 2012. doi:10.1590/S0101-73302012000200004

GRAMSCI, A. Maquiavel, a politica e o estado moderno. Rio de Janeiro: Civilizacao Brasileira, 1968.

JUNQUILHO, G. S. Teorias da administracao pública. Florianopolis: UFSC; Brasilia, DF: UAB, 2010.

LIBANORI, G. A. A familia vai à escola: um estudo das concepcoes de justica social, cidadania e parcerias comunitarias em cinco programas da secretaria de Estado da educacao de Sao Paulo. 2011. 187 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao) – Universidade Federal de Sao Carlos, Sao Carlos.

LOUREIRO. B. R. C. Reforma educacional neoliberal: uma analise politica da concessao de Bônus-Merito do governo Jose Serra (2007-2010) aos professores da rede estadual paulista. 2011. 130 f. Dissertacao (Mestrado em Ciencias Sociais) – Universidade Estadual Paulista, Marilia.

MARQUES, L.M. Programa de Valorizacao pelo Merito implantado pela Secretaria do Estado da Educacao de Sao Paulo: opinioes de professores coordenadores. 2012. 137 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao) – Universidade Cidade de Sao Paulo, Sao Paulo.

MARSIGLIA, A. C. G. Um quarto de seculo de construtivismo como discurso pedagogico oficial na rede estadual de ensino paulista: analise de programas e documentos da secretaria de Estado da educacao no periodo de 1983 a 2008. 2011. 227 f. Tese (Doutorado em Educacao) – Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

MARTINS, M. A. O público nao-estatal na gestao da educacao basica de Barcarena/ PA. 2010. 191 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao) – Universidade Federal do Para, Belem.

NEUBAUER, R. Descentralizacao da educacao no Estado de Sao Paulo. In. COSTA, V. L. C. (Org.).Descentralizacao da educacao: novas formas de coordenacao e financiamento. Sao Paulo: Fundap, Cortez, 1999. p. 168-97.

NOVAES, L. C. Os impactos da politica educacional paulista na pratica docente e na organizacao do trabalho pedagogico nas escolas estaduais paulistas na perspectiva dos professores. Jornal de Politicas Educacionais,Curitiba, v. 3, n. 5, p. 13-22, jan./jun. 2009. doi:10.5380/jpe.v3i5.17349

PAES, M. V. O professor no programa Sao Paulo faz escola: afinal, quem faz a escola? Sao Paulo: Fundacao de Amparo à Pesquisa do Estado de Sao Paulo, 2012. (Relatorio final de pesquisa).

PALMA FILHO, J. C. A Politica Educacional do Estado de Sao Paulo (1983-2008). In: CONGRESSO ESTADUAL PAULISTA SOBRE FORMACAO DE EDUCADORES, 10., 2009, Aguas de Lindoia. Anais... Sao Paulo: Fundacao UNESP, 2009. p. 6053-65.

PAULA, A. R. Proposta curricular do Estado de Sao Paulo: novos papeis ou continuismo na pratica escolar do professor coordenador? 2012. 245 f. Tese (Doutorado em Educacao) – Universidade Federal de Sao Carlos, Sao Carlos.

PUCCI, L. F. S. A proposta da escola de tempo integral no Estado de Sao Paulo: novos desafios para a escola pública e para a formacao de professores. Cadernos de Pos-Graduacao, Sao Paulo, v. 4, p. 75-83, 2005.

RAMOS, G. P. Entre a proposta e o pretexto da qualidade do ensino: uma leitura sobre os liames da valorizacao docente a partir do FUNDEF. 2008. 310 f. Tese (Doutorado em Educacao) – Universidade Federal de Sao Carlos, Sao Carlos.

RAMOS, G. P. O professor na politica educacional: tentativa de identidades forjadas? Revista Brasileira de Politica e Administracao da Educacao, v. 28, n.1, p. 129-43, jan/abr. 2012.

RAMOS, G. P. A politica educacional paulista (1995-2010) e seus impactos na identidade da escola e do professor. Revista Brasileira de Politica e Administracao da Educacao, v. 29, n.3, p. 537-56, set./dez. 2013.

RIBEIRO, M. E. S.; CHAVES, V. L. J. Gestao educacional: modelos e praticas. In: ENCONTRO IBEROAMERICANO EM EDUCACAO, 6., 2012, Chile, Santiago. Anais... Chile: Universidad Metropolitana de la Ciencias de la Educacion, 2012. v. 1. p. 1-15.

SANFELICE, J. L. A politica educacional no Estado de Sao Paulo: apontamentos. Nuances: Estudos sobre Educacao, v. 17, n. 18, p. 146-59, jan./dez. 2010

SAO PAULO (Estado). Assembleia Legislativa do Estado de Sao Paulo. Agencia de Noticias. Cesar Callegari critica a politica educacional do Estado no Dia do Professor. 15 out. 2001 Disponivel em:

SAO PAULO (Estado). Decreto nº 52.719, de 14 de fevereiro de 2008a. Regulamenta e define criterios para concessao do bônus aos integrantes do Quadro do Magisterio e da providencias correlatas. Diario Oficial do Estado, Sao Paulo, SP, Secao I, p. 1, 15 ago 2008a.

SAO PAULO (Estado). Decreto nº 57.571, de 2 de dezembro de 2011. Institui, junto à Secretaria da Educacao, o Programa Educacao - Compromisso de Sao Paulo e da providencias correlatas. Diario Oficial do Estado, Sao Paulo, Secao 1, p. 14, 3 dez 2011.

SAO PAULO (Estado). Lei Complementar n° 1.078/08, de 17 de dezembro de 2008b. Institui Bonificacao por Resultados - BR, no âmbito da Secretaria da Educacao, e da providencias correlatas. Diario Oficial do Estado,Sao Paulo, Secao 1, p. 1, 18 dez 2008b.

SAO PAULO (Estado). Portal do Governo. SP Noticias. Veja as 10 metas do novo Plano Estadual de Educacao. Sao Paulo, 20 ago 2007. Disponivel em:

SAO PAULO (Estado). Secretaria da Educacao. Fundacao para o Desenvolvimento da Educacao de Qualidade – FDE. Escola em parceria. Sao Paulo: FDE, 2013a.

SAO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educacao. A nova estrutura administrativa da Secretaria da Educacao do Estado de Sao Paulo: por uma gestao de resultado com foco no desempenho do aluno. Sao Paulo, 2013b.

SAO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educacao. Comunicado SE, de 22 de marco de 1995. Torna público a todos os integrantes dos Quadros do Magisterio, de Apoio Escolar e da Secretaria da Educacao, as principais diretrizes educacionais para o Estado de Sao Paulo, para o periodo de janeiro de 1995 a 31 de dezembro de 1998. Diario Oficial do Estado, Sao Paulo, Secao 1, p. 8-10, 23 mar 1995.

SAO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educacao. Descentralizacao e reformas do Ensino Fundamental:unindo forcas para construir, com sucesso, uma escola de cara nova para Sao Paulo. Sao Paulo, 1997.

SAO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educacao. Politica Educacional da Secretaria de Estado da Educacao de Sao Paulo. Sao Paulo, 2003. Disponivel em:

SILVA, J. C. A politica educacional do governo Serra (2007-20010): uma analise da atuacao da APEOESP. 2013. 220 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao) – Universidade Estadual de Campinas, Sao Paulo.

SOUZA, A. N. A racionalidade econômica na politica educacional em Sao Paulo. Pro-posicoes, Campinas, v. 13, n. 1, p. 105-30, 2002.

SOUZA FILHO, R. Critica à concepcao gerencialista de gestao pública: o caso Brasileiro. In: SEMINARIO LATINOAMERICANO DE ESCUELAS DE TRABAJO SOCIAL, 19., 2009, Guayaquil. Anais... Guayaquil, 2009. p. 1-11. Disponivel em:

TERTO, D. C.; PEREIRA, R. L. A. A Nova Gestao Pública e as atuais tendencias da gestao educacional. In: SIMPOSIO BRASILEIRO, 25.; CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLITICA E ADMINISTRACAO DA EDUCACAO, 2., 2011, Sao Paulo. Anais... Sao Paulo: ANPAE, 2011. p. 1-10. Disponivel em:

VIEIRA, N. P. Indo mais rapido: para onde? Um estudo do Projeto Classes de Aceleracao da Secretaria de Estado da Educacao de Sao Paulo. 2002. 116 f. Dissertacao (Mestrado em Educacao) – Universidade de Sao Paulo, Sao Paulo.

VIRIATO, E. A politica educacional do Estado de Sao Paulo (1995-1998): desconstrucao da escola pública. 2001. 199 f. Tese (Doutorado em Educacao) – Pontificia Universidade Catolica de Sao Paulo, Sao Paulo.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362016000300003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Apoio:




Programa de Apoio às Publicacoes Cientificas (AED) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e tecnologico (CNPq), Ministerio da Educação (MEC), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ.
 

SCImago Journal & Country Rank