Educação inclusiva: as implicacoes das traducoes e das interpretacoes da Declaração de Salamanca no Brasil

Fabiane Vanessa Breitenbach, Claucia Honnef, Fabiane Adela Tonetto Costas

Resumo


As mudancas na atual versao da Declaração de Salamanca e sua influencia na elaboração de documentos legais confirmam que educação inclusiva e Educação Especial tem sido consideradas sinônimas em nosso pais. Assim, este artigo problematiza o conceito de educação inclusiva difundido em politicas públicas e no contexto escolar brasileiro, a partir da primeira tradução da Declaração de Salamanca, disponivel em 1994 e reeditada em 1997, e da segunda tradução, que hoje esta disponivel em meio digital no website do Ministerio da Educação. A opcao metodologica envolveu a pesquisa documental e a analise documental. A partir delas, buscamos constatar e analisar de que forma as alteracoes na Declaração de Salamanca, hoje publicizada e veiculada no Brasil, colocaram a educação inclusiva como tarefa da Educação Especial, provocando uma miscelânea de conceitos, definicoes e interpretacoes envolvendo essas duas expressoes. Foi possivel observar que as politicas públicas para a educação inclusiva e a Educação Especial foram/estao sendo propostas tendo por base as modificacoes e as interpretacoes dessa Declaração. As alteracoes aparentemente despretensiosas na Declaração de Salamanca e a miscelânea de conceitos e definicoes sobre as pessoas denominadas público-alvo da educação inclusiva e da Educação Especial podem ter causado confusoes conceituais e, certamente, conduzido o rumo da historia das politicas e pesquisas sobre essas tematicas no Brasil.


Palavras-chave


Educação inclusiva; Educação Especial; Declaração de Salamanca

Referências


AINSCOW, M. Education for all: making it happen. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCACAO ESPECIAL, 1995, Brimingham. Comunicacao...1995, p. 147-155. Disponivel em: . Acesso em: 23 jun 2015.

BRASIL. Declaracao de Salamanca e linha de acao sobre necessidades educativas especiais. 2. ed. Brasilia, DF: Corde, 1997.

________. Conselho Nacional de Educacao. Câmara de Educacao Basica. Resolucao nº2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educacao Especial na Educacao Basica. In: DIREITO a educacao: necessidades educacionais especiais: subsidios para a atuacao do ministerio público Brasileiro. Brasilia, DF, 2001. Disponivel em: . Acesso em: 23 jun. 2015.

________. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educacao Nacional. Diario oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasilia, DF, 23 dez. 1996. Disponivel em: . Acesso em: 23 jun. 2015.

________. Ministerio da Educacao. Secretaria de Educacao Especial. Politica Nacional de Educacao Especial. Brasilia, DF: MEC/SEESP, 1994.

________. Ministerio da Educacao. Secretaria de Educacao Especial. Politica Nacional de Educacao Especial na Perspectiva da Educacao Inclusiva. Brasilia, DF, 2008. Disponivel em: . Acesso em: 12 maio 2015.

BREITENBACH, F. V. Propostas de Educacao Inclusiva dos Institutos Federais do Estado do Rio Grande do Sul: alguns apontamentos. 2012. 137 f. Dissertacao (Mestrado)-Programa de Pos-graduacao em Educacao. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2012.

BUENO, J. G. S. Inclusao/exclusao escolar e desigualdades sociais. 2006. Projeto de pesquisa. Disponivel em: . Acesso em: 03 jun. 2015.

________. As politicas de inclusao escolar: uma prerrogativa da Educacao Especial? In: BUENO, J. G. S.; MENDES, G. M. L.; SANTOS, R. A. (Org.). Deficiencia e escolarizacao: novas perspectivas de analise. Araraquara: Junqueira e Marin; Brasilia, DF, CAPES, 2008. p. 43-63.

CARVALHO, R. E. Educacao inclusiva: com os pingos nos “is”. 4. ed. Porto Alegre: Mediacao, 2006.

________. Removendo as barreiras para a aprendizagem: educacao inclusiva. 9. ed. Porto Alegre: Mediacao, 2010.

CELLARD, A. A analise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemologicos e metodologicos. Petropolis: Vozes, 2008. p. 295-316.

CESAR, M. A escola inclusiva enquanto espaco-tempo de dialogo de todos para todos. In: RODRIGUES, D. Perspectivas sobre a inclusao: da educacao à sociedade. Porto: Porto Editora, 2003. p. 117-149.

CORREIA, L. Educacao inclusiva ou educacao apropriada? In: RODRIGUES, D. (Org.). Educacao e diferenca: valores e praticas para uma escola inclusiva. Porto: Porto Editora, 2001. p. 123-142.

COSTAS, F. A. T. Educacao inclusiva: reflexoes acerca do processo e da nova politica nacional. Revista Educacao Cidada, Santa Maria, v. 1, n. 1, p. 16, 2008.

FIGUEIREDO, N. M. A. Metodo e metodologia na pesquisa cientifica. 2. ed. Sao Caetano do Sul: Yendis Editora, 2007.

FONSECA, M. A gestao da educacao basica na otica da cooperacao internacional: um salto para o futuro? In: VEIGA, I. P. A; FONSECA, M. As dimensoes do projeto politico-pedagogico. Campinas: Papirus, 2003. p. 13-41.

GARCIA, R. M. C. Politicas públicas de inclusao: uma analise no campo da educacao especial brasileira. 2004. 216 f. Tese (Doutorado em Educacao) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopolis, 2004.

LÜDKE, M.; ANDRE, M. E. D. A. Pesquisa em educacao: abordagens qualitativas. Sao Paulo: EPU, 1986.

MICHELS, M. H.; GARCIA, R. M. C. Sistema educacional inclusivo: conceito e implicacoes na politica educacional brasileira. Cadernos Cedes, Campinas, v. 34, n. 93, p. 157-173, 2014. Disponivel em: . Acesso em: 10 fev. 2015. doi:10.1590/S0101-32622014000200002

RIO GRANDE DO SUL (Estado). Ministerio Público. Parecer nº 441/2002. Parâmetros para a oferta da Educacao Especial no Sistema Estadual de Ensino.

Porto Alegre, 2002. Disponivel em: . Acesso em: 23 jun. 2015.

RODRIGUES, D. (Org.). Educacao e diferenca:valores e praticas para uma escola inclusiva. Porto: Porto Editora, 2001.

SANCHES, I.; TEODORO, A. Procurando indicadores de educacao inclusiva: as praticas dos professores do apoio educativo. Revista Portuguesa de Educacao, Braga, v. 20, n. 2, p. 105-149, 2007.

TONINI, A.; MARTINS, A. P. L.; COSTAS, F. A. T. Dificuldades de aprendizagem especificas: uma analise entre Brasil e Portugal. Revista de Educacao Especial e Reabilitacao, Lisboa, v. 18, p. 9-43, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362016000200005

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Ensaio: Avaliação e Politicas Públicas em Educação

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

SCImago Journal & Country Rank