Avaliação de alunos: construindo um parecer avaliativo de produção do e-Aval publicada entre 2008 e 2010

Michelle Ribeiro Lage de Amorim, Lúcia Regina Goulart Vilarinho, Ligia Silva Leite

Resumo


Este Parecer, desenvolvido na disciplina Prática de Avaliação do Mestrado Profissional em Avaliação, da Faculdade Cesgranrio, teve por objetivo analisar 14 artigos publicados nos anos de 2008 a 2010, classificados no eixo temático Avaliação de Alunos, categoria Avaliação de Desempenho Cognitivo ou de Aprendizagem e incorporados ao banco de dados e-Aval deste curso. Nele, foram analisados os principais elementos constitutivos dessa produção científica, entre outros: o problema; objeto e objetivo de estudo; abordagem avaliativa e resultados. Verificou-se que apesar dos artigos apresentarem o termo “avaliação” em suas palavras-chave ou no título e se relacionarem de alguma forma à temática, não desenvolveram uma avaliação normativa que privilegiasse os aspectos da metodologia da avaliação e adotados na análise desses artigos.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394compilado.htm. Acesso em: 31 jan. 2020.

BRIÃO, R. da C.; SOUZA, E. N. de; CASTRO, R. A. de; RABELO, E. R. Estudo de coorte para avaliar o desempenho da equipe de enfermagem em teste teórico, após treinamento em parada cardiorrespiratória. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, SP, v. 17, n. 1, p. 40-45, jan./fev. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692009000100007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v17n1/pt_07.pdf. Acesso em: 25 jan. 2020.

CARDOSO, O.; PENIN, S. T. de S. A sala de aula como campo de pesquisa: aproximações e a utilização de equipamentos digitais. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 113-128, jan./abr. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022009000100008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v35n1/a08v35n1.pdf. Acesso em: 1 fev. 2020.

DIAS, K. Z.; SILVA, R. C. D. da; PEREIRA, L. D.; PERISSINOTO, J.; BERGAMINI, C. de Q. Avaliação da linguagem oral e escrita em sujeitos com Síndrome de Asperger. Revista CEFAC, Campinas, SP, v. 11, supl. 2, p. 240-250, mar. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-18462009005000004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rcefac/v11s2/217-07.pdf. Acesso em: 13 fev. 2020.

DOMINGUES, R. C. L.; AMARAL, E.; ZEFERINO, A. M. B. Os diferentes olhares na avaliação de alunos em estágio clínico supervisionado. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 55, n. 4, p. 458-462, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-42302009000400023. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/ramb/v55n4/a23v55n4.pdf. Acesso em: 14 mar. 2020.

ELLIOT, L. G. O estado da arte da avaliação: recortes e possibilidades de estudos. In: LEITE, L. S. (org.). O estado da arte da avaliação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2018. p. 99-134.

ELLIOT, L. G. Meta-avaliação: das abordagens às possibilidades de aplicação. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 19, n. 73, p. 941-964, out./dez. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v19n73/11.pdf. Acesso em: 15 mar. 2020.

ESTEBAN, M. T. Considerações sobre a política de avaliação da alfabetização: pensando a partir do cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 51, p. 573-592, set./dez. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782012000300005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v17n51/05.pdf. Acesso em: 6 fev. 2020.

FERREIRA, N. S. de A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302002000300013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v23n79/10857.pdf. Acesso em: 24 fev. 2020.

FUNDAÇÃO CESGRANRIO. Faculdade Cesgranrio. E-Aval. Sobre o projeto. In: FUNDAÇÃO CESGRANRIO. Faculdade Cesgranrio. E-Aval. Página inicial, Rio de Janeiro: Faculdade Cesgranrio, 2020. Disponível em: http://mestrado.fge2.com.br/aval/site/page?view=sobre. Acesso em: 24 fev. 2020.

GINDRI, G.; KESKE-SOARES, M.; MOTA, H. B. Memória de trabalho, consciência fonológica e hipótese de escrita. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, Barueri, SP, v. 19, n. 3, p. 313-322, jul./set. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-56872007000300010. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pfono/v19n3/a10v19n3.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020.

LEITE, L. S. Critério. 2019. Notas de aula, slides.

LEITE, L. S.; AGUIAR, G. da S.; OLIVEIRA, A. C. de A. M.; TESSEROLLI, A. C. R. F.; DANTAS, C. M. de A. O estado da arte da avaliação: analisando aspectos do conteúdo dos artigos registrados. In: LEITE, L. S. (org.). O estado da arte da avaliação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2018. p. 71-98.

LEITE, L. S.; FERREIRA, S. M. M. R.; FREITAS, S. R. N. de. Uma proposta de categorização de artigos da área de avaliação. In: LEITE, R. H.; ARAÚJO, K. H.; SILVA, L. M. da (org.). Avaliação educacional: estudos e práticas institucionais de eficácia. Fortaleza: EdUECE, 2017. p. 218-235.

LEITE, L. S.; FREITAS, S. R. N. de. O estado da arte da avaliação 2001-2013: construindo o processo de descrição do projeto de pesquisa. In: LEITE, L. S. (org.). O estado da arte da avaliação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2018. p. 13-40.

MACÊDO, L.; LIMA, I.; CARDOSO, F.; BERESFORD, H. Avaliação da relação entre o déficit de atenção e o desempenho grafo-motor em estudantes com Síndrome de Down. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, SP, v. 15, n. 3, p. 431-440, set./dez. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-65382009000300007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbee/v15n3/a07v15n3.pdf. Acesso em: 28 jan. 2020.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARTINS, W. de A.; PINTO, L. F. da S.; MIRANDA, J. F. A.; MOÇO, E. T. S. M. Experiência de prova prática na seleção para a residência médica: exequibilidade, segurança e importância deste processo de avaliação. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, DF, v. 32, n. 4, p. 525-533, out./dez. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022008000400016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbem/v32n4/v32n4a16.pdf. Acesso em: 14 fev. 2020.

MÓL, D. A. R.; WECHSLER, S. M. Avaliação de crianças com indicação de dificuldades de aprendizagem pela bateria Woodcock-Johnson III. Psicologia Escolar e Educacional, Campinas, SP, v. 12, n. 2, p. 391-399, jul./dez. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-85572008000200010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v12n2/v12n2a10.pdf. Acesso em: 28 jan. 2020.

MOURA, D. G.; BARBOSA, E. F. Procedimentos úteis na identificação de situações geradoras de projetos de pesquisa em educação. Tecnologia de Projetos, [S. l.], jul. 2008. Disponível em: http://www.tecnologiadeprojetos.com.br/banco_objetos/%7BDE8632A0-2A49-4FE3-BD3F-9997919D9C0A%7D_Procedimentos%20para%20identificacao%20de%20situacao%20geradora%20de%20projeto%20PDF.pdf. Acesso em: 2 fev. 2020.

PAULA, G. R.; MOTA, H. B.; KESKE-SOARES, M.A terapia em consciência fonológica no processo de alfabetização. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, Barueri, SP, v. 17, n. 2, p. 175-184, maio/ago. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-56872005000200006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pfono/v17n2/v17n2a05.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020.

PAVANI, R. A. B.; SILVA, E. de F.; MORAES, M. S. de. Avaliação da informação sobre drogas e sua relação com o consumo de substâncias entre escolares. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 204-216, jun. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-790X2009000200010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v12n2/10.pdf. Acesso em: 14 fev. 2020.

PENNA FIRME, T. Avaliação x pesquisa. In: SILVA, A. C. da (org.). Avaliação e pesquisa: conceitos e reflexões. 3. ed. Rio de Janeiro: Ed. Multifoco, 2014. p. 61-72.

PEREIRA, M. G. A seção de resultados de um artigo científico. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, DF, v. 22, n. 2, p. 353-354, abr./jun. 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742013000300020. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v22n2/v22n2a17.pdf. Acesso em: 21 mar. 2020.

PINHEIRO, L. B. D; DIÓGENES, P. N.; FILGUEIRAS, M. de. C.; ANDON, A. P. de V.; LOPES, E. A. B. Conhecimento de graduandos em fisioterapia na Universidade de Fortaleza sobre o Sistema Único de Saúde. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 211-216, jul./set. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1809-29502009000300004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/fp/v16n3/04.pdf. Acesso em: 28 jan. 2020.

ROSEMBERG, F. Políticas de educação infantil e avaliação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 148, p. 44-75, jan./abr. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742013000100004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v43n148/04.pdf. Acesso em: 6 fev. 2020.

SCRIVEN, M. Avaliação: um guia de conceitos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018.

SILVA, C. M. T. da. Afinal, o que é avaliação?. In: SILVA, A. C. da (org.). Avaliação e pesquisa: conceitos e reflexões. 3. ed. Rio de Janeiro: Ed. Multifoco, 2014. p. 11-38.

SILVA, M. C. R. da; VENDRAMINI, C. M. M.; LOPES, F. L. Diferenças entre gênero e perfil sócio-econômico no exame nacional de desempenho do estudante. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas, SP, v.15, n.3, p. 185-202, nov. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-40772010000300010. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/aval/v15n3/10.pdf. Acesso em: 7 fev. 2020.

SMYTHE, I.; EVERATT, J. Dyslexia diagnosis in different languages. In: PEER, L.; REID, G. (ed.). Multilingualism, literacy and dyslexia. London: David Fulton, 2000. p. 12-21.

SMYTHE, I.; EVERATT, J.; AL‐MENAYE, N.; XIANYOU, H.; CAPELLINI, S.; GYARMATHY, E.; SIEGEl, L. S. Predictors of word‐level literacy amongst Grade 3 children in five diverse languages. Dyslexia, [London], v. 14, n. 3, p. 170-187, aug. 2008.

SMYTHE, I.; EVERATT, J.; SALTER, R. (ed.). International book of dyslexia: a guide to practice and resources. [London]: Jonh Wiley & Sons, 2004.

SOUSA, S. Z. 40 Anos de contribuição à avaliação educacional. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 16, n. 31, p. 7-35, jan./jun. 2005. DOI: http://dx.doi.org/10.18222/eae163120052140. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/2140/2097. Acesso em: 15 set. 2020.

STIVANIN, L.; SCHEUER, C. I. Comparação do tempo de latência entre nomeação e leitura em escolares. Psicologia em Estudo, Maringá, PR, v. 13, n. 1, p. 89-96, jan./mar. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-73722008000100011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pe/v13n1/v13n1a10.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.

TEIXEIRA, C. R. O "Estado da Arte": a concepção de avaliação educacional veiculada na produção acadêmica do programa de pós-graduação em educação: currículo (1975-2000). Cadernos de Pós-Graduação–Educação, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 59-66, jan./dez. 2006. DOI: https://doi.org/10.5585/cpg.v5n1.1845. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/cadernosdepos/article/view/1845. Acesso em: 24 fev. 2020.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

VILARINHO, L. R. G.; PEREZ, K. T.; FERREIRA, S. M. M. R. Prática de avaliação: a construção de pareceres avaliativos em uma disciplina oferecida em um mestrado profissional. Com a Palavra, o Professor, Vitória da Conquista, BA, v. 4, n. 10, p. 123-136, set./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.23864/cpp.v4i10.388. Disponível em: http://revista.geem.mat.br/index.php/CPP/article/view/388. Acesso em: 31 jan. 2020.

WORTHEN, B. R.; SANDERS, J. R.; FITZPATRICK, J. L. Avaliação de programas: concepções e práticas. São Paulo: Ed. Gente, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v12i37.3172



Direitos autorais 2020 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. Diadorim - Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras

  2. DOAJ - Directory of Open Access Journals

  3. EBSCO - Information Services

  4. Edubase

  5. Google Scholar

  6. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  7. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  8. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  9. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  10. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  11. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank
  
  

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.