Certificação do Ensino Médio via ENEM: como foi o desempenho dos candidatos

Ilza Ferreira da Silva, Ligia Gomes Elliot, Nilma Santos Fontanive

Resumo


Ao avaliar o desempenho de estudantes do Ensino Regular e da Educação de Jovens e Adultos, no Exame Nacional do Ensino Médio 2014, o estudo, realizado em 2016 e defendido em 2017, focalizou os candidatos que optaram pela Certificação de Conclusão do Ensino Médio. Foram utilizados dados estatísticos de âmbito nacional, extraídos do Questionário Socioeconômico e disponibilizados pelo INEP. Além de delinear o perfil comparativo dos candidatos, trajetórias de escolarização até o exame, dificuldades presentes e expectativas quanto ao exame, os resultados apontam um desempenho melhor dos candidatos do Ensino Regular, constataram a qualidade precária da educação oferecida para as duas modalidades de educação e a falta fundamental de políticas públicas que atendam às reais necessidades dos educandos.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRIOLA, W. B. Avaliação diagnóstica da Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Brasil. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 22, n. 82, mar. 2014.

ARROYO, M. G. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens-adultos populares. Revista de Educação de Jovens e Adultos, Bahia, v. 1, p. 1-108, 2007.

BELLONI, I. Avaliação institucional: um instrumento de democratização da educação. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 5, n. 9, jul./dez. 1999.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1999.

BRASIL. Decreto nº 7.824, de 11 de outubro de 2012. Regulamenta a lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012, que dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 out. 2012.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as leis de diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Questionário traça perfil mais preciso de quem faz o exame. Todas as notícias, Enem 2011, Brasília, DF, 24 maio 2011. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Universidade para Todos. O Programa, Brasília, DF, 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2017.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. Relatório de avaliação. Brasília, DF, 2015.

BRASIL. Portaria INEP nº 109, de 27 de maio de 2009. Estabelece a sistemática para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio no exercício de 2009 (Enem/2009). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 maio 2009. Seção 1, p. 56.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 1, de 5 de julho de 2000. Estabelece as diretrizes curriculares nacionais para a educação e jovens e adultos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 jun. 2000.

CASTRO, J. A. Evolução e desigualdade na educação brasileira. Educ. Soc., Campinas, SP, v. 30, n. 108, p. 673-697, out. 2009. Disponível em: . Acesso em: 1 jul. 2017.

COELHO, A. I. de A. Estatuto sócio-profissional dos pais e sua influência no rendimento acadêmico, nas expectativas parentais e no sentimento de eficácia parental. 2010. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica)-Departamento de Educação e Psicologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal, 2010.

CORRÊA, L. O. R. Fundamentos metodológicos em EJA I. Curitiba: IESDE Brasil S. A., 2009.

DI PIERRO, M. C. Descentralização, focalização e parceria uma análise de tendências nas políticas públicas de educação de jovens e adultos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, p. 321-328, 2001.

DI PIERRO, M. C. A educação de jovens e adultos no plano nacional de educação: avaliação, desafios e perspectivas. Educ. Soc., Campinas, SP, v. 31, n. 112, p. 939-959, jul./set. 2010.

DI PIERRO, M. C. Notas sobre a redefinição da identidade e das políticas de educação de jovens e adultos no Brasil. Educ. Soc., Campinas, SP, v. 26, n. 92, p. 1115-1139, out. 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2017.

DI PIERRO, M. C.; JOIA, Orlando; RIBEIRO, Vera Masagão. Visões da educação de jovens e adultos no Brasil. Cad. CEDES, Campinas, SP, v. 21, n. 55, nov. 2001.

FIGUEIREDO, E.; NOGUEIRAY, L.; SANTANAZ, F. L. Igualdade de oportunidades: analisando o papel das circunstâncias no desempenho do Enem. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 68, n. 3, out./set. 2014.

FORNARI, L. T. Reflexões acerca da reprovação e evasão escolar e os determinantes do capital. Revista Espaço Pedagógico, Passo Fundo, RS, v. 17, n. 1, p. 112-124, jan./jun. 2010.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Base de microdados do exame nacional do ensino médio 2014. Brasília, DF, 2016.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Certificação do ensino médio. Educação Básica, Brasília, DF, 6 fev. 2017. Disponível em: . Acesso: 16 abr. 2017.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Enem: Exame Nacional do Ensino Médio: documento básico. Brasília, DF, 2002a. Disponível em: . Acesso: 14 jan. 2017.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Ministério da Educação cria avaliação para jovens e adultos. Notícias, ENCCEJA, Brasília, DF, 11 jul. 2002b. Disponível em: . Acesso: 14 jan. 2017.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Questionário socioeconômico do Enem deverá ser respondido. Notícias, Enem, Brasília, DF, 26 ago. 2008. Disponível em: . Acesso: 14 jan. 2017.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Textos teóricos e metodológicos: Enem 2009. Brasília, DF, 2009.

KLEIN, R. Produção e utilização de indicadores educacionais: metodologia de cálculo dos indicadores do fluxo escolar da educação básica. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, DF, v. 84, n. 206-208, p. 107-157, jan./dez. 2003.

KRAWCZYK, N. O ensino médio no Brasil. São Paulo: Ação Educativa, 2009.

LIPÚ, V. G.; LANDA, B. dos S. Os estudantes indígenas no ensino médio de Dourado-MS e o acesso ao ensino superior. Anais do SEMEX, [S.l.], n. 4, 2011.

MARTINS, P. P. O desafio do novo aluno EJA: acrescente inclusão de jovens na busca profissional e acadêmica. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO E INCLUSÃO, 1., 2014. Campina Grande, PB. Trabalhos apresentados... Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba, 2014.

MELO, L. M. C. de; ARAKAWA, V. H. Existe desigualdade regional na relação entre background familiar e desempenho escolar dos filhos?: evidências para as grandes regiões do Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 18., 2012. Águas de Lindóia. Anais... São Paulo: ABEP, 2012.

OLIVEIRA, P. C. S. de; EITERER, C. L. Evasão escolar de alunos trabalhadores na EJA. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIA, 1., 2008. Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: CEFET-MG, 2008.

PAIVA, V. P. História da educação popular do Brasil: educação popular e educação de adultos. 6. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

ROBAZZI, M. L. do C. C.; OLIVEIRA, B. R. G. O trabalho na vida dos adolescentes: alguns fatores determinantes para o trabalho precoce. Rev. Latino-am Enfermagem, Ribeirão Preto, SP, v. 9, n. 3, 2001.

SAMPAIO, C. E. M. Situação educacional de jovens brasileiros, na faixa etária de 15 a 17 anos. Brasília, DF: INEP: MEC, 2009.

SILVA, I. F. da. Avaliação do desempenho dos candidatos da educação de jovens e adultos e do ensino regular no Enem 2014 para certificação do ensino médio. 2017. 51 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Avaliação)–FACESG, Fundação Cesgranrio, Rio de Janeiro, 2017.

SILVA, S. G. da. Enem: implicações no currículo e no trabalho docente em educação de jovens e adultos. In: REUNIÃO CIENTIFICA REGIONAL DA ANPED, 11., 2016, Curitiba. Trabalhos apresentados... Curitiba: ANPED, 2016.

TORRES, H. da G.; BICHIR, R. M.; CARPIM, T. P. Uma pobreza diferente?: mudanças no padrão de consumo da população de baixa renda. Novos estud. – CEBRAP, São Paulo, n. 74, p. 17-22, 2006.

TRAVITZKI, R. Enem: limites e possibilidades do Exame Nacional do Ensino Médio enquanto indicador de qualidade escolar. 2013. 152 f. Tese (Doutorado em Educação)-Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2013.

WORTHEN, B. R.; SANDERS, J. R.; FITZPATRICK, J. L. Avaliação de programas: concepções e práticas. São Paulo: Ed. Gente, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v12i36.3017



Direitos autorais 2020 Fundacao Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. Diadorim - Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras

  2. DOAJ - Directory of Open Access Journals

  3. EBSCO - Information Services

  4. Edubase

  5. Google Scholar

  6. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  7. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  8. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  9. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  10. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  11. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank
  
  

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.