Avaliação de Praticas Laboratoriais na Area da Saúde: Desenvolvimento e Validação de Instrumento

Fernanda de Andrade Galliano Daros Bastos, Christian Boller, Maria Rosa Machado Prado

Resumo


Este estudo objetiva o desenvolvimento e a validação de um instrumento de avaliação para aulas práticas laboratoriais da area da saúde, que possibilite aos estudantes um instrumento de construção do aprendizado, envolvendo as competencias profissionais e, aos docentes, um instrumento de registro significativo do conhecimento, habilidades e atitudes dos estudantes, realização de feedbacks e acompanhamento dos fatores de aulas práticas laboratoriais. A metodologia caracteriza-se pela pesquisa de campo, por meio de uma abordagem quantitativa do tipo explicativa experimental com validação de criterio e conteúdo nos cursos de Biomedicina e Farmacia de uma Instituicao de Ensino Superior localizada em Curitiba/PR. O instrumento final foi denominado Instrumento Laboratorial (INSTLAB), o qual pode se utilizado em qualquer aula pratica laboratorial da area da saúde com a finalidade de avaliar o processo de ensino-aprendizagem.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M.; CAMPOS, J. J. B.; TURINI, B.; NICOLETTO, S.; PEREIRA, L. A.; REZENDE, L.; MELLO, P. Implantao das Diretrizes Curriculares Nacionais na Graduao em Medicina no Paran. Rev. Brasileira De Educao Mdica, 2007.

ANTUNES, C. Novas maneiras de ensinar, novas formas de aprender. Porto Alegre: Artmed, 2002.

ANTUNES, C. Jogos para a estimulao das mltiplas inteligncias. 11. ed. Petrpolis, RJ:Vozes, 2002.

BRASIL. Ministrio da Educao. Conselho Nacional de Educao. Parecer CNE/CES 1.210/2001. Dirio Oficial da Unio, Braslia, 10 de dezembro de 2001. Seo 1, p.22.

BRASIL. Secretaria de Educao Fundamental. Parmetros Curriculares Nacionais: introduo aos Parmetros Curriculares Nacionais. MEC/SEF, Braslia, 1997. 126p.

BROWN, S. Assessment for learning. Learning and Teaching in Higher Education. University of Gloucestershire, UK, 2004.

CAMPBELL, D. How to develop a professional Portfolio: A Manual for Teachers. USA: Allyn & Bacon, 1996.

DALMAS, A. Planejamento participativo na escola: elaborao acompanhamento e avaliao; 3 ed. Petrpolis: Vozes, 1995.

DEMO, P. Ser professor cuidar que o aluno aprenda. Porto Alegre: Mediao, 2004.

EASLEY, S.; MITCHELL, K. Portfolios matter: What, where, when, why and how to use them. Ontrio, Pembroke Publishers Ltda, 2003.

ESTEBAN, M. T. Avaliao: uma prtica em busca de novos sentidos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

ESTEBAN, M. T. O que sabe quem erra? Reflexes sobre avaliao e fracasso escolar. 3 ed. Rio de Janeiro: DP7A, 2002.

FERNANDES, C. R. Currculo baseado em competncias na residncia mdica. Rev. Brasileira de Educao Mdica, vol.36, n.1, 2012.

FONTES, A.; SILVA, I. Uma nova forma de aprender cincias: A educao e cincia-tecnologia-sociedade. Porto: Edies ASA, 2004.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 24 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GERALDI, J. W. Da redao produo de textos. In: CHIAPPINI, L. Aprender e ensinar com textos v.1. So Paulo: Cortez, 1997, p. 17-24.

GIL, A. C. Didtica do ensino superior. So Paulo: Atlas, 2009.

HADJI, C. Avaliao desmistificada. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

HRNANDEZ, F. Cultura visual, mudana educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 2000.

HOFFMANN, J. Avaliao mediadora: uma prtica em construo da pr- escola universidade. Porto Alegre: Mediao, 2003.

HUHNE, L. M. Metodologia cientifica: caderno de textos e tcnicas. 7. ed. Rio de Janeiro: Agir, 2001.

KRAEMER, M. E. P. Avaliao da aprendizagem como construo do saber. V Coloquio Internacional sobre Gestin Universitaria en Amrica del Sur, Mar de Plata 2005.

LEITE, S. A. S.; KAGER, S. Efeitos aversivos das prticas de avaliao da aprendizagem escolar. Ensaio: Avaliao e Polticas Pblicas em Educao, Rio de Janeiro, 2009.

LEVIA, D.; QUIRING, S. Assessment of Student Learning in a Hybrid PBL Capstone Seminar. Journal of Geography in Higher Education, 2008.

LIMA, V. V. Competncia: distintas abordagens e implicaes na formao de profissionais de sade. Interface Comunic., Sade, Educ., v.9, n.17, p. 369-379, 2005.

LUCKESI, C. C. Avaliao da aprendizagem...mais uma vez. ABC EDUCATION, pags. 28 e 29, 2005.

MAGALHES, M. G. Elaborao e Validao de um Instrumento de Avaliao da Qualidade da Assistncia para Hospitais Peditricos. 170 f. Dissertao (Mestrado Profissional em Sade da Criana e do Adolescente) - Sade da Criana e do Adolescente, Universidade Estadual do Cear, Fortaleza, 2007.

MASETTO, M. T. Competncia pedaggica do professor universitrio. So Paulo: Summus, 2012.

MATIA, G. Desenvolvimento e Validao de Instrumento para Avaliao das Competncias Gerais nos Cursos da rea da Sade. 171f. Dissertao (Mestrado em Biotecnologia Aplicada Sade da Criana e do Adolescente) Faculdades Pequeno Prncipe, Curitiba, 2015.

MAYRINK-SABINSON, M. L. T. O Que se ensina quando se ensina a ler e escrever? Ensina-se, mesmo, a ler e escrever? Leitura: teoria e prtica, v. 20, 2002.

MNDEZ, J. M. . Avaliar para conhecer, examinar para excluir. Porto Alegre: Penso, v.2, 2002.

MIRANDA, S. No Fascnio do jogo, a alegria de aprender. Cincia Hoje, v.28, 2001.

MOREIRA, C. O. F.; DIAS, M. S. A. Diretrizes Curriculares na sade e as mudanas nos modelos de sade e de educao. ABCS Health Sci, 40(3):300-305, 2015.

NETO, A. L .G. C.; AQUINO, J. L. F. A avaliao da aprendizagem como um ato amoroso: o que o professor pratica?. Educao em Revista, Belo Horizonte, 2009.

PERRENOUD, P. No mexam na minha avaliao! Para uma abordagem sistemtica da mudana pedaggica. Estrela, A. et Nvoa. Lisboa: Educa, 1992.

POSSOLLI, G. E.; GUBERT, R. Portflio como ferramenta metodolgica e avaliativa. In: Patrcia Lupion Torres. (Org.). Complexidade: Redes e conexes na produo do conhecimento. 1ed.Curitiba: Senar-PR, v. 1, p. 353-376, 2014.

RAMOS, M. N A pedagogia das competncias: autonomia ou adaptao? So Paulo: Cortez, 2001.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. P. B. Metodologia de Pesquisa. 5.ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SANTANNA, I. M. Por que avaliar? Como avaliar? Critrio e instrumento. 17. ed. Petrpolis: Vozes, 2014.

SEVERINO, A. J. Diretrizes para elaborao de um seminrio. Metodologia do trabalho cientfico. 23. ed. So Paulo: Corts, 2007.

SILVA, G. G.; MEDEIROS, A. S.; ANDRADE, M. J. D. Avaliao da aprendizagem: refletindo sobre a prtica pedaggica. IV FIPED Frum Internacional de Pedagogia, Campina Grande, Editora Realize, 2012.

VASCONCELOS, C. S. Avaliao da aprendizagem: prticas de mudanas. So Paulo: Libertad Centro de Formaes e Assessoria Pedagogia, 1998.

WOOD, G.; HABER, J. Pesquisa em enfermagem: mtodos, avaliao crtica e utilizao. 4. ed. Guanabara Koogan, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v10i29.1582



Direitos autorais 2018 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. Diadorim - Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras

  2. DOAJ - Directory of Open Access Journals

  3. EBSCO - Information Services

  4. Edubase

  5. Google Scholar

  6. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  7. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  8. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  9. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  10. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  11. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank
  
  

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.