A avaliação da aprendizagem e as tecnologias digitais: apontamentos para a prática pedagógica

Gláucia Signorelli de Queiroz Gonçalves, Klivia de Cássia Silva Nunes, Raquel Aparecida Souza

Resumo


O objetivo do presente artigo é contribuir para a reflexão sobre a avaliação da aprendizagem e sua relação com o uso das tecnologias digitais na prática pedagógica. Parte-se do pressuposto que uma proposta de avaliação que utiliza as ferramentas digitais como estratégia pedagógica, deve promover a interação entre conteúdo e forma e permitir ao aluno dar um salto qualitativo na aprendizagem. O texto apresenta-se em forma de um ensaio teórico, na interlocução com autores que discutem concepções e práticas de avaliação da aprendizagem e as tecnologias digitais e a inter-relação entre ambas. A partir de dois exemplos de instrumentos digitais, fórum e portfólio, nossos apontamentos se direcionam para a avaliação da aprendizagem mediada por tecnologias digitais numa concepção que ultrapassa a mera técnica e se propõe a contribuir para o desenvolvimento de um processo avaliativo prazeroso e emancipatório.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. P. Portfólios como instrumentos de avaliação dos processos de ensinagem. Caxambu, ANPED, 2003. Disponível em: https://anped.org.br/sites/default/files/8_portfolios_como_instrumentos_de_avaliacao_dos_processos_de_ensinagem.pdf. Acesso em: 9 ago.2020.

BITTENCOURT, D. F. de; MORAN, José. Avaliação da Aprendizagem com tecnologias digitais. Módulo do Curso Tecnologias Digitais e Metodologias ativas. 2019.

CLEMENTINO, A.; OLIVEIRA, G. P. de; KENSKI, V. M. Avaliação em movimento: estratégias formativas em cursos online. In: SANTOS, E.; SILVA, M. (Orgs.) Avaliação da aprendizagem em Educação online: fundamentos, interfaces e dispositivos e relatos de experiências. São Paulo: Loyola, 2006, p. 79-89.

COSTA, P. K. A. Avaliação da Aprendizagem na Licenciatura em Matemática a Distância. 2013. 197f. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2013.

FERNANDES, C. de O.; FREITAS, L. C. Indagações sobre currículo: currículo e avaliação. Brasília: MEC/SEB, 2007.

HADJI, C. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.

KOEHLER, M.; MISHRA, P. Technological Pedagogical Content Knowledge: A Framework for Teacher Knowledge. In: Teachers College Record, V. 108, Number 6, Junho 2006, p. 1017–1054. Disponível em:

http://punya.educ.msu.edu/publications/journal_articles/mishra-koehlertcr2006.pdf Acesso em: 06 Ago. 2019.

LORDÊLO, J. A. C.; ROSA, D. L.; SANTANA, L. de A. Avaliação processual da aprendizagem e regulação pedagógica no Brasil: implicações no cotidiano docente. R. FACED, n.17, p.13-33, jan./jun. 2010.

MATTAR, J. Rubricas: Avaliação em Educação. De Mattar, 22 abr. 2020. Disponível em: http://joaomattar.com/blog/2020/04/22/the-name-of-the-game-resenha/. Acesso em: 30 abr. 2020.

MORAN, J. Metodologias Ativas para Uma Aprendizagem Mais Profunda. In.: BACICH, L., MORAN, J. (Orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora. Porto Alegre, RS: Penso Editora, 2018.

MOREIRA, J. A.; HENRIQUES, S.; BARROS, D. Transitando de um ensino remoto emergencial para uma educação digital em rede, em tempos de pandemia. Revista Dialogia, n. 34, 2020, p. 1-14. Disponível em: https://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/9756 Acesso em: 10 ago. 2020.

RABELO, E. H. Avaliação novos tempos novas práticas. 7ª ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

PARO, V. H. Implicações do caráter político da educação para a administração da escola pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.28, n.2, p. 11-23, jul./dez. 2002.

PEIXOTO, J. Tecnologia e mediação pedagógica: perspectivas investigativas. In: KASSAR, M. de C. M.; SILVA, F. de C. T. (Orgs.) Educação e pesquisa no Centro-Oeste: políticas públicas e formação humana. Campo Grande: UFMS, v. 1, p. 283-294, 2012.

SAVIANI, D. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas: Autores Associados, 2008.

SHULMAN, L. S. Conhecimento e ensino: fundamentos para a nova reforma. Cadernos Cenpec, São Paulo, v.4, n.2, p.196-229, dez. 2014.

SILVA, A. M. C. Mediação e(m) educação: discursos e práticas. Revista Intersaberes, Curitiba, ano 6, n. 12, p.249-265, jul./dez. 2011. Disponível em: https://www.uninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/41/25

Acesso em: 7 ago. 2020.

AUTORA. Metodologias Ativas e Tecnologias na Licenciatura em Química. In: Wender Faleiro; Alessandra Aparecida Viveiro; Maria Paulina de Assi. (Org.). Inovação & letramento científico: caminhos e descobertas no ensino de Ciências da Natureza. 1ed.Goiânia: Kelps, 2020, v. 7, p. 38-58.

VASCONCELLOS, C. dos S. Avaliação da Aprendizagem: Práticas de mudança – por uma práxis transformadora. São Paulo: Libertad, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v13i40.3437



Direitos autorais 2021 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. Diadorim - Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras

  2. DOAJ - Directory of Open Access Journals

  3. EBSCO - Information Services

  4. Edubase

  5. Google Scholar

  6. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  7. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  8. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  9. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  10. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  11. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank
  
  

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.