Análise dos Projetos Pedagógicos de Curso da Licenciatura em Ciências da Natureza

Letícia Leite Chaves, Crisna Daniela Krause Bierhalz, Vitor Garcia Stoll

Resumo


Este estudo apresenta um panorama da oferta de Licenciatura em Ciências da Natureza no Brasil no ano de 2019 e descreve as perspectivas de avaliação da aprendizagem expressas nos Projetos Pedagógicos dos cursos do Rio Grande do Sul. Denota-se como uma pesquisa qualitativa, documental, tendo os sites institucionais como lócus de busca. Os resultados demonstram ampla distribuição geográfica, com oferta em 19 estados, 38 municípios e 29 instituições. Cabe dizer que as discussões sobre avaliação da aprendizagem estão presentes em menos de 10% do total de componentes curriculares e se concentram nos semestres finais das matrizes curriculares. Na verdade, estudos sobre a oferta das licenciaturas propiciam analisar o interesse das Instituições na oferta e manutenção desses cursos, bem como pensar estratégias de formação docente que rompam com a perspectiva classificatória.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, L. R. Diário de itinerância: recursos para a formação e avaliação de estudantes universitários. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 23, n. 51, p. 250-269, jan./abr. 2012.

AMBRÓSIO, M. O uso de portfólio no ensino superior. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

ARAÚJO, I. V. de. O portfólio eletrônico na formação de professores: caleidoscópio de múltiplas vivências, práticas e possibilidades da avaliação formativa. In: VILLAS BOAS, B. M. de F. (org.). Avaliação formativa: práticas inovadoras. Campinas, SP: Papirus, 2011. p. 167-190.

BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. 4. ed. Curitiba: Ed. Universitária Champagnat, 2005.

BEYER, H. O. Inclusão e avaliação na escola de alunos com necessidades educacionais especiais. Porto Alegre: Mediação, 2005.

BEYER, H. Inclusão e avaliação na escola de alunos com necessidades educacionais especiais. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2006.

BICA, A. de C. A organização da educação pública municipal no governo de Carlos Cavalcanti Mangabeira (1925-1929) no município de Bagé/RS. Orientadora: Berenice Corsetti. 2013. 301 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, 2013. Disponível em: http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/4760. Acesso em: 25 mar. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 25 mar. 2020.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Estudo exploratório sobre o professor brasileiro. Brasília, DF: MEC, 2019.

CALLUF, H. C. C. Didática e avaliação em biologia. São Paulo: IBPEX, 2007.

CARMINATTI, S. S. H.; BORGES, M. K. Perspectivas da avaliação da aprendizagem na contemporaneidade. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 23, n. 52, p. 160-178, maio/ago. 2012.

CISESKI, A. A.; NASCIMENTO, L. M. J. do; GADOTTI, M.; PADILHA, P. R. Educação de Jovens e Adultos: planejamento e avaliação. São Paulo: IPF, 1999.

CUNHA, I. M. R. F. Análise documentária. In: SMIT, J. W. (org.). Análise documentária: a análise da síntese. 2. ed. Brasília, DF: IBICT, 1989. p. 39-62.

CUNHA, M. I. da (org.). Formatos avaliativos e concepção de docência. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

D’AMBRÓSIO, U. Educação matemática: da teoria à prática. Campinas, SP: Papirus, 1996.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação da educação superior. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

ESTEBAN, M. T. (org.). Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

ESTEBAN, M. T. (org.). Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. 5. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003a.

ESTEBAN, M. T. Escola, currículo e avaliação. São Paulo: Cortez, 2003b.

FERNANDES, C. M. B. et al. Formatos avaliativos: trajetória histórica, contradições e impactos em estudantes universitários. In: CUNHA, M. I. da. (org.). Formatos avaliativos e concepção de docência. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

FERREIRA, A. S.; PRADO, S. C.; PRADO, M. A. Avaliar: entre equidade e igualdade. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 11.; SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE REPRESENTAÇÕES SOCIAIS, SUBJETIVIDADE E EDUCAÇÃO, 2.; SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PROFISSIONALIZAÇÃO DOCENTE, 4., 2013, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: PUCPR, 2013. p. 12692-12709. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/CD2013/pdf/8013_5885.pdf. Acesso em: 6 out. 2020.

GALIAZZI, M.C. Educar pela pesquisa: ambiente de formação de professores de ciências. Ijuí, RS: Ed. Unijuí, 2003.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOBATO, M. M; VIVEIRO, A. A. Um panorama dos atuais cursos de licenciatura em ciências da natureza em universidades públicas brasileiras. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 11., 2017, Florianópolis. Trabalhos apresentados [...]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2017. p. 1-8. Disponível em: http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R1995-1.pdf. Acesso em: 13 mar. 2020.

GOLAFSHANI, N. Understanding reliability and validity in qualitative research. The Qualitative Report, [S. l.], v. 8, n. 4, p. 597-607, dec. 2003.

HADJI, C. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HARLEN, W.; JAMES, M. Assessment and learning: differences and relationships between formative and summative assessment. Assessment in education: principles, police e practice, United Kingdom, v. 4, n. 3, p. 365-379, sep./dec. 1997. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/233203583_Assessment_and_Learning_Differences_and_Relationships_between_Formative_and_Summative_Assessment. Acesso em: 8 abr. 2020.

HERNÁNDEZ, F. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 1998.

HOFFMANN, J. Avaliação mediadora: uma relação dialógica na construção do conhecimento. São Paulo: FDE, 1994.

HOFFMANN, J. Avaliar para promover: as setas do caminho. 7. ed. Porto Alegre: Mediação, 2005c.

HOFFMANN, J. O jogo do contrário em avaliação. Porto Alegre: Mediação, 2005b.

HOFFMANN, J. Pontos e contrapontos: do pensar ao agir em avaliação. 9. ed. Porto Alegre: Mediação, 2005a.

IMBERNON, R. A. L.; GUIMARÃES, E. M.; GALVÃO, R. de M. S.; LIMA, A. C. de; SANTIAGO, L. F.; JANNUZZI, C. M. L. Um panorama dos cursos de licenciatura em ciências naturais (LCN) no Brasil a partir do 2º seminário brasileiro de integração de cursos de LCN/2010. Experiências em Ensino de Ciências, [Cuiabá], v. 6, n. 1, p. 85-93, mar. 2011.

INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Projeto pedagógico de curso de licenciatura em ciências da natureza: habilitação em biologia e química. Porto Alegre: [s. n.], 2012. Disponível em: www.poa.ifrs.edu.br/wp-content/uploads/2010/05/ppc_ciencias_natureza_ago2013.pdf. Acesso em: 10 abr. 2020.

CHAVES, L. L. O discurso oficial sobre avaliação da aprendizagem nos cursos de formação de professores de Ciências da Natureza. Orientadora: Crisna Daniela Krause Bierhalz. 2019. 61 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências da Natureza) - Universidade Federal do Pampa, Dom Pedrito, RS, 2019. Disponível em: http://cursos.unipampa.edu.br/cursos/cienciasdanatureza-dp/files/2019/09/o-discurso-oficial-sobre-a-avaliacao-da-aprendizagem-na-formacao-de-professores-de-ciencias-da-natureza.pdf. Acesso em: 10 abr. 2020.

LOPES, R. S. P.; TREMMELL, M. M. C. Recuperação paralela: do lampião à luz solar. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 9.; ENCONTRO SUL BRASILEIRO DE PSICOPEDAGOGIA, 3., 2009, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: PUCPR, 2009. p. 2900- 2910. Disponível em: https://silo.tips/download/recuperaao-paralela-do-lampiao-a-luz-solar. Acesso em: 6 out. 2020.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez, 2002.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e preposições. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos da metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MENDES, O. M. Formação de professores e avaliação educacional: o que aprendem os estudantes das licenciaturas durante sua formação. Orientadora: Marli E. D. A. André. 2006. 214 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: 10 abr. 2020.

OLIVEIRA, E. D. de. A formação dos formadores em avaliação da aprendizagem: o processo de formação inicial em debate. Orientadora: Isabel Franchi Cappelletti. 2007. 158 f. Dissertação (Mestrado em Educação: Currículo) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/10011/1/Elda%20Damasio%20de%20Oliveira.pdf. Acesso em: 18 abr. 2020.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

PERRENOUD, P. Não mexam na minha avaliação! Para uma aprendizagem sistêmica da mudança pedagógica. In: ESTRELA, A.; NÓVOA, A. (org.). Avaliações em educação: novas perspectivas. Porto, Portugal: Porto Editora, 1993. p. 173-183.

PIMENTEL, A. O método da análise documental: seu uso numa pesquisa historiográfica. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 179-195, nov. 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742001000300008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cp/n114/a08n114.pdf. Acesso em: 18 abr. 2020.

POPHAM, W. J. Transformative assessment. Alexandria, Virginia: ASCD, 2008.

RISSI, P. S.; LUCCAS, S. Estudos a respeito das práticas avaliativas formativas: avaliação em fases, avaliação por pares e autoavaliação. Revista Conhecimento Online, Novo Hamburgo, RS, v. 3, p. 116-129, set./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.25112/rco.v3i0.1830. Disponível em: https://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistaconhecimentoonline/article/view/1830. Acesso em: 10 abr. 2020.

SANTOS GUERRA, M. A. Uma flecha no alvo: a avaliação como aprendizagem. São Paulo: Edições Loyola, 2007.

SCRIVEN, M. The methodology of evaluation. In: TYLER, R. W.; GAGNE, R. M.; SCRIVEN, M. Perspectives of curriculum evaluation. Chicago: Rand McNally, 1967. p. 39-83.

SILVA, J. F.; HOFFMANN, J.; ESTEBAM, M. T. (org.). Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo. Porto Alegre: Mediação, 2003.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA. Projeto pedagógico de curso ciências da natureza: licenciatura. Dom Pedrito, RS: [s. n.], 2017. Disponível em: http://dspace.unipampa.edu.br/bitstream/riu/110/6/PPC_Ci%c3%aancias%20da%20Natureza_Dom%20Pedrito.pdf. Acesso em: 10 abr. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA. Projeto pedagógico de curso ciências da natureza: licenciatura. Uruguaiana, RS: [s. n.], 2013. Disponível em: http://cursos.unipampa.edu.br/cursos/cienciasdanatureza/files/2011/05/PPC-Ciências-Natureza.pdf. Acesso em: 10 abr. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Projeto pedagógico de curso de graduação licenciatura em ciências da natureza para os anos finais do ensino fundamental modalidade à distância. Porto Alegre: [s. n.], 2017. Disponível em: https://www.ufrgs.br/cienciasdanatureza/wp-content/uploads/2017/11/ProjetoPedagogicoCienciasDaNatureza.pdf. Acesso em: 10 abr. 2020.

VASCONCELLOS, C. dos S. Avaliação da aprendizagem: práticas de mudança: por uma práxis transformadora. 11. ed. São Paulo: Libertad, 2010.

VASCONCELLOS, C. dos S. Avaliação: concepção dialética libertadora do processo de avaliação escolar. São Paulo: Libertad, 1995.

VILLAS BOAS, B. M. de F. Avaliação formativa: práticas inovadoras. Campinas, SP: Papirus, 2011.

VILLAS BOAS, B. M. de F. Avaliação formativa e formação de professores: ainda um desafio. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 12, n. 22, p. 75-90, jan./jun. 2006. DOI: https://doi.org/10.26512/lc.v12i22.3283. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/3283/2966. Acesso em: 16 out. 2020.

VILLAS BOAS, B. M. de F. Virando a escola do avesso por meio da avaliação. Campinas, SP: Papirus, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v12i37.2815



Direitos autorais 2020 Fundacao Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. Diadorim - Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras

  2. DOAJ - Directory of Open Access Journals

  3. EBSCO - Information Services

  4. Edubase

  5. Google Scholar

  6. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  7. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  8. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  9. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  10. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  11. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank
  
  

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.