Impacto das Unidades de Pronto Atendimento 24h sobre indicadores de morbimortalidade: uma análise com dados em painel para o estado do Rio Grande do Norte e região metropolitana de Natal no período 2010-2016

Mavigson Francisco da Silva, Joelson Oliveira Santos, Janaina da Silva Alves

Resumo


O modelo de assistência à saúde em todo o mundo tem enfrentado desafios, sendo um deles a superlotação nos serviços de urgências e emergências em hospitais e seu impacto nos indicadores de saúde. No Brasil, o processo de reestruturação do sistema de atenção às urgências se deu através da introdução das Unidades de Pronto-Atendimento (UPA). Dessa forma, esse trabalho tem por objetivo avaliar o impacto das UPA 24h sobre as taxas de mortalidade nos municípios do estado do Rio Grande do Norte e na Região Metropolitana de Natal durante o período 2010-2016. Para tanto, seguindo a metodologia de Rocha e Fernandes, estimou-se um modelo de dados em painel com efeitos fixos, ao âmbito do município-ano, por local de ocorrência e causa do óbito. De acordo com os resultados obtidos no estudo, observou-se que a UPA tem um impacto negativo, porém não significativo sobre a taxa geral de mortalidade norte-rio-grandense, resultado esse que corrobora com a literatura mais recente. Ao verificar esse impacto com mais detalhes, por local de ocorrência e causa do óbito, observou-se redução significativa da taxa de mortalidade em alguns cenários, no entanto houve aumento de óbitos ocorridos em outros estabelecimentos de saúde (em que as UPA estão classificadas). Esse resultado sugere a realocação parcial dos óbitos por local de ocorrência e que, portanto, essas unidades estariam cumprindo o papel de hospitais em vez de funcionar como UPA em um sistema de atendimento integrado.


Texto completo:

PDF

Referências


BITTENCOURT, R. J.; HORTALE, V. A. Intervenções para solucionar a superlotação nos serviços de emergência hospitalar: uma revisão sistemática. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 7, p. 1439-1454, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000700002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v25n7/02.pdf. Acesso em: 7 mar. 2019.

BRASIL. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde – SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2011b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7508.htm. Acesso em: 4 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. CNES. Brasília, DF, 2020. Disponível em: http://cnes.datasus.gov.br/. Acesso em: 4 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.171, de 5 de junho de 2012. Dispõe sobre o incentivo financeiro de investimento para construção e ampliação no âmbito do Componente Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) e do conjunto de serviços de urgência 24 horas da Rede de Atenção às Urgências, em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2012a. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt1171_05_06_2012.html. Acesso em: 4 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.600, de 7 de julho de 2011. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2011c. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/Portaria_n_1600_de_07_07_11_Politica_Nac_Urg_Emerg.pdf. Acesso em: 4 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.648, de 7 de novembro de 2011. Redefine as diretrizes para implantação do componente Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) e do conjunto de serviços de urgência 24 horas da Rede de Atenção às Urgências, em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2011a. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2648_07_11_2011.html. Acesso em: 4 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.172, de 5 de junho de 2012. Dispõe sobre o incentivo financeiro de custeio para o Componente Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) e o conjunto de serviços de urgência 24 horas da Rede de Atenção às Urgências, em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2012b. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt1172_05_06_2012.html. Acesso em: 4 maio 2020.

COSTA, J. S. M. da. Serviços de urgência e emergência hospitalar: atendimento não urgente nas redes de atenção às urgências, num contexto de transformações demográficas. Orientadora: Laura Lídia Rodríguez Wong. 2011. 239 f. Tese (Doutorado em Demografia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/AMSA-8UYQ59/1/tese_jacqueline_saldanha_mendes_da_costa_2011.pdf. Acesso em: 6 jun. 2019.

DANTAS, A.; FEITOSA, L. da C. A efetividade do plano diretor de regionalização do SUS no Rio Grande do Norte. Revista da ANPEGE, [S. l.], v. 9, n. 11, p. 21-26, jan./jun. 2013. DOI: https://doi.org/10.5418/RA2013.0911.0002. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/anpege/article/view/6488. Acesso em: 12 mar. 2019.

FEITOSA, L. da C. A regionalização da saúde no Rio Grande do Norte: elementos para a compreensão da dinâmica dos lugares. Orientador: Aldo Dantas. 2013. 137 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.

KONDER, M. T. Atenção às urgências: a integração das Unidades de Pronto Atendimento 24h (UPA 24h) com a rede assistencial do município do Rio de Janeiro. Orientadora: Gisele O’Dwyer de Oliveira. 2013. 109 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=681326&indexSearch=ID. Acesso em: 10 mar. 2019.

KONDER, M. T.; O'DWYER, G. As Unidades de Pronto-Atendimento na política nacional de atenção às urgências. Physis, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 525-545, jun. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312015000200011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/physis/v25n2/0103-7331-physis-25-02-00525.pdf. Acesso em: 15 mar. 2019.

KONDER, M. T.; O’DWYER, G. A integração das Unidades de Pronto Atendimento (UPA) com a rede assistencial no município do Rio de Janeiro, Brasil. Interface, Botucatu, SP, v. 20, n. 59, p. 879-892, dez. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0519. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/icse/v20n59/1807-5762-icse-1807-576220150519.pdf. Acesso em: 13 mar. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde: CID-10. 3. ed. São Paulo: EDUSP, 1996.

RIO GRANDE DO NORTE. Secretaria de Saúde. Plano estadual de educação permanente em saúde do Rio Grande do Norte. Natal: SESAP, 2018. Disponível em: https://www.conass.org.br/planos-estaduais-educacao-permanente/PEEPS-RN.pdf. Acesso em: 5 maio 2019.

ROCHA, R.; FERNANDES, L. M. da S. O impacto das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) 24h sobre indicadores de mortalidade: evidências para o Rio de Janeiro. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 46, n. 3, p. 91- 109, dez. 2016. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7503/1/PPE_v46_n03_Impacto.pdf. Acesso em: 9 mar. 2019.

SANTOS, K. K. da S. Efeito das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) na mortalidade por infarto agudo do miocárdio nas capitais e regiões metropolitanas do Brasil. Orientador: Breno Ramos Sampaio. 2015. 37 f. Dissertação (Mestrado em Gestão e Economia da Saúde) – Programa de Pós-Graduação em Gestão e Economia da Saúde, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/15043/1/K%C3%A1tia.pdf. Acesso em: 11 mar. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v12i36.2517



Direitos autorais 2020 Fundacao Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. Diadorim - Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras

  2. DOAJ - Directory of Open Access Journals

  3. EBSCO - Information Services

  4. Edubase

  5. Google Scholar

  6. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  7. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  8. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  9. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  10. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  11. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank
  
  

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.