Programa Jovem Aprendiz: avaliando o processo de implementação da Política Nacional de Aprendizagem em uma empresa pública

Richard Medeiros Araújo, Alba de Oliveira Barbosa Lopes, Maria Arlete Duarte de Araújo, Silvia Pires Bastos Costa

Resumo


O objetivo do artigo é avaliar o processo de implementação da Política Nacional de Aprendizagem, no contexto do Programa Jovem Aprendiz, em uma Empresa Pública Federal AB, na percepção dos beneficiários. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa com abordagem quantitativa-qualitativa, com aplicação de questionário on-line a jovens que trabalham na Estatal e participam do programa. A amostra alcançou 66% da população de aprendizes, de um total de 144. Os dados foram tratados por meio de estatística descritiva e análise fatorial. Dez fatores explicam a implementação do programa na percepção dos aprendizes: autodesenvolvimento e melhor performance sobre carreira; relação teoria e prática na aprendizagem; relações humanas e preocupação com a formação; avaliação de desempenho; possíveis limitações do programa; desenvolvimento e conflito setorial; supervisão dos aprendizes; responsabilidade patronal; segurança e responsabilidade do aprendiz; cobrança como empregado efetivo. Os resultados confirmam que a participação no programa tem gerado confiança na definição das carreiras dos estudantes-aprendizes; a formação teórica tem contribuído favoravelmente para o desempenho de suas funções como trabalhador temporário e que a existência do diálogo no processo de avaliação de desempenho possibilita ao jovem se compreender no processo da aprendizagem.


Texto completo:

PDF

Referências


AGUILAR, M. J.; ANDER-EGG, E. Avaliação de serviços e programas sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

AGUILLERA, Fernanda. Projeto de Vida e preparação para carreira de jovens aprendizes: da realidade à intervenção. Orientadora: Lucy Leal Melo-Silva. 2013. 316 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-02092013-161555/publico/Tese_Fernanda_Aguillera_CORRIGIDA.pdf. Acesso em: 8 mar. 2019.

ALA-HARJA, M.; HELGASON, S. Em direção às melhores práticas de avaliação. Revista do Serviço Público, Brasília, DF, v. 51, n. 4, p. 5-60, out./dez. 2000. Disponível em: https://revista.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/334/340. Acesso em: 15 mar. 2019.

AMORIM, F. R. A inserção laboral do adolescente: alguns olhares sobre trabalho e identidade. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA SOCIAL, 15., 2012, Maceió. Anais [...]. Maceió: ABRAPSO, 2012. Disponível em: http://www.abrapso.org.br/siteprincipal/images/Anais_XVENABRAPSO/106.%20a%20inser%C7%C3o%20laboral%20do%20adolescente%20-%20alguns%20olhares%20sobre%20trabalho%20e%20identidade.pdf. Acesso em: 7 mar. 2019.

ANDRADE, J. M. de; JESUS, G. S. de; SANTOS, K. K. dos. O Programa Jovem Aprendiz e sua importância para os jovens trabalhadores. Interfaces Científicas, Aracajú, v. 4, n. 2, p. 45-54, fev. 2016. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/direito/article/view/2742. Acesso em: 6 mar. 2019.

ARRETCHE, M. T. S. Tendências no estudo sobre avaliação. In: RICO, E. M. (org.). Avaliação de políticas sociais: uma questão em debate. São Paulo: Cortez: Instituto de Estudos Especiais, 2007. p. 29-39.

BELLONI, I.; MAGALHÃES, H. de; SOUZA, L. C. de. Metodologia de avaliação em políticas públicas: uma experiência em educação profissional. São Paulo: Cortez, 2007.

BORGES, R. C. P. Jovem-aprendiz: os sentidos do trabalho expressos na primeira experiência profissional. Orientadora: Maria Chalfin Coutinho. 2010. 152 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

BRASIL. Decreto Lei nº 566, de 10 de junho de 1992. Aprova o regulamento do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural-SENAR. Diário Oficial da União, Brasília, DF, jun. 1992. Disponível em: http://legis.senado.leg.br/norma/388291. Acesso em: 16 mar. 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.091, de 15 de dezembro de 1942. Dispõe sobre o conceito de aprendiz, para os efeitos da legislação do ensino. [Diário Oficial da União], Brasília, DF, dez. 1942. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-5091-15-dezembro-1942-415127-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 16 mar. 2019.

BRASIL. Medida provisória no 1.781-7, de 11 de março de 1999. Dispõe sobre o Programa de Revitalização de Cooperativas de Produção Agropecuária - RECOOP, autoriza a criação do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo - SESCOOP, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, mar. 1999. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/medpro/1999/medidaprovisoria-1781-7-11-marco-1999-371839-norma-pe.html. Acesso em: 16 mar. 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.598, de 1 de dezembro de 2005. Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5598.htm. Acesso em: 16 mar. 2019.

BRASIL. Decreto nº 9.579, de 22 de novembro de 2018. Consolida atos normativos editados pelo Poder Executivo federal que dispõem sobre a temática do lactente, da criança e do adolescente e do aprendiz, e sobre o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, o Fundo Nacional para a Criança e o Adolescente e os programas federais da criança e do adolescente, e dá outras providências, 2018. Diário Oficial da União, Brasília, DF, nov. 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Decreto/D9579.htm#art126. Acesso em: 15 mar. 2019.

BRASIL. Lei 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 16 mar. 2019.

BRASIL. Lei nº 8.706, de 14 de setembro de 1993. Dispõe sobre a criação do Serviço Social do Transporte - SEST e do Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte - SENAT. Diário Oficial da União, Brasília, DF, set. 1993. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/1989_1994/L8706.htm#:~:text=LEI%20N%C2%BA%208.706%2C%20DE%2014%20DE%20SETEMBRO%20DE%201993.&text=Disp%C3%B5e%20sobre%20a%20cria%C3%A7%C3%A3o%20do,Art. Acesso em: 16 mar. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.097, de 19 de dezembro de 2000. Altera dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Diário Oficial da União, Brasília, DF, dez. 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L10097.htm. Acesso em: 15 mar. 2019.

BRASIL. Lei nº 11.180, de 23 de setembro de 2005. Institui o Projeto Escola de Fábrica, autoriza a concessão de bolsas de permanência a estudantes beneficiários do Programa Universidade para Todos – PROUNI, institui o Programa de Educação Tutorial – PET, altera a Lei nº 5.537, de 21 de novembro de 1968, e a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1º de maio de 1943, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, set. 2005. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11180.htm#art18. Acesso em: 13 mar. 2019.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Avaliação de políticas públicas: reflexões acadêmicas sobre o desenvolvimento social e o combate à fome: volume 1: introdução e temas transversais. Brasília, DF: MDS: Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação, 2014. Disponível em. https://aplicacoes.mds.gov.br/sagirmps/ferramentas/docs/1%20Introdu%C3%A7%C3%A3o%20e%20Temas%20Transversais.pdf. Acesso em 15 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Economia. Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CADEG). In: BRASIL. Ministério do Trabalho. Programas e ações. Brasília, DF, 2016. Disponível em: http://portalfat.mte.gov.br/programas-e-acoes-2/caged-3/. Acesso em 16 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 335, de 15 de maio de 2018. Diário Oficial da União, Brasília, DF, maio 2018. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/14546195. Acesso em: 12 mar. 2019.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Manual de aprendizagem: o que é preciso saber para contratar um aprendiz. 4. ed. Brasília, DF: MTE, 2009. Disponível em: https://www.chegadetrabalhoinfantil.org.br/wp-content/uploads/2017/02/aprendizagem_pub_manual_aprendiz_.pdf. Acesso em: 16 jun. 2019.

BRASIL. Ministério do Trabalho. Portaria nº 983, de 26 novembro de 2008. Institui o Fórum Nacional de Aprendizagem Profissional, com o objetivo de promover o debate sobre a contratação de aprendizes. Diário Oficial da União, Brasília, DF, nov. 2008. Disponível em: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=210634. Acesso em: 12 mar. 2019.

COHEN, E.; FRANCO, R. Avaliação de projetos sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

CORSEUIL, C. H.; FOGUEL, M.; GONZAGA, G. G. Apprenticeship as a stepping stone to better jobs: evidence from brazilian matched employer-employee data. Texto Para Discussão, [Rio de Janeiro], n. 651, 2018.

COSTA, F. L.; CASTANHAR, J. C. Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 37, n. 5, p. 969-992, 2003. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6509. Acesso em: 15 mar. 2019.

COSTA, S. P. B. Novas formas de governança pública: um estudo do arranjo articulado para Implementação da política pública nacional de aprendizagem profissional. Orientadora: Maria Arlete Duarte de Araújo. 2014. 152 f. Tese (Doutorado em Administração) - Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.

CRUMPTON, C. D.; MEDEIROS, J. J.; FERREIRA, V. R. S.; SOUZA, M. M.; NAJBERG, E. Avaliação de políticas públicas no Brasil e nos Estados Unidos: análise da pesquisa nos últimos 10 anos. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 50, n. 6, p. 981-1011, nov./dez., 2016.

CUNHA, C. G. S. da. Avaliação de políticas e programas governamentais: tendências recentes e experiências no Brasil. Revista Estudos de Planejamento, Rio Grande do Sul, v. 12, p. 27-57, dez. 2018. Mensal. Disponível em: https://revistas.dee.spgg.rs.gov.br/index.php/estudos-planejamento/article/view/4298. Acesso em: 15 mar. 2019.

DRAIBE, S. M. Avaliação de implementação: esboço de uma metodologia de trabalho em políticas públicas. In: BARREIRA, M. C. R. N.; CARVALHO, M. do C. B. de (org.). Tendências e perspectivas na avaliação de políticas e programas sociais. São Paulo: IEE: PUC-SP, 2001. p. 13-42.

FIGUEIREDO, M. F.; FIGUEIREDO, A. N. C. Avaliação política e avaliação de políticas: um quadro de referência teórica. Análise e Conjuntura, Belo Horizonte, v. 1, n. 3, p. 107-127, set./dez. 1986. Disponível em: http://www.josenorberto.com.br/ac-2007-38.pdf. Acesso em: 15 mar. 2019.

GIL, A. C. Como elaborar o projeto de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1987.

GOMES, A. de C. A invenção do trabalhismo. 2. ed. Rio de janeiro: Relume Dumará, 1994.

GONÇALVES, A. L. de A. Aprendizagem profissional: trabalho e desenvolvimento social e econômico. Estudos Avançados, São Paulo, v. 28, n. 81, p. 191-200, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142014000200013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142014000200013&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 jun. 2019.

GRAEBIN, R. E.; MATTE, J.; LORENTIS, F.; MOTTA, M. E. V. da; OLEA, P. O significado do trabalho para jovens aprendizes. Revista Gestão Organizacional, Chapecó, SC, v. 12, n. 1, p. 17-38, jan./abr. 2019. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rgo/article/view/4100/2739. Acesso em: 16 mar. 2019.

GREGOIR, S. L’ évaluation des politiques publiques: qui et comment?. Economie & Prévision, Paris, v. 1-2, n. 204-205, p. 211-224, 2014. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-economie-et-prevision-2014-1-page-211.htm?contenu=resume. Acesso em: 15 mar. 2019.

IBGE. PNAD contínua 2017: número de jovens que não estudam nem trabalham ou se qualificam cresce 5,9% em um ano. In: IBGE. Sala de imprensa. Brasília, DF: IBGE, 18 maio 2018. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/21253-pnad-continua-2017-numero-de-jovens-que-nao-estudam-nem-trabalham-ou-se-qualificam-cresce-5-9-em-um-ano. Acesso em: 16 jun. 2019.

JACOB, S. Évaluation. In: BOUSSAGUET, L.; JACQUOT, S.; RAVINET, P. (ed.). Dictionnarie des politiques publiques. Paris: Presses de Scienes Po, 2010. p. 257-265.

JANUZZI, P. de M. Monitoramento e avaliação de programas: uma compilação conceitual e metodológica para orientar a produção de conhecimento aplicado para aprimoramento da gestão pública. In: BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Avaliação de políticas públicas: reflexões acadêmicas sobre o desenvolvimento social e o combate à fome: volume 1: introdução e temas transversais. Brasília, DF: MDS: Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação, 2014. p. 16-55.

KOOIMAN, J. Interactive governance and governability: an introduction. The Journal of Transdisciplinary Environmental Studies, [S. l.]], v. 7, n. 1, 2008. Disponível em: http://dare.uva.nl/document/119486. Acesso em: 15 mar. 2019.

KERBAUY, M. T. M. Políticas de juventude: políticas públicas ou políticas governamentais?. Estudos de Sociologia, Araraquara, SP, v. 18-19, p. 193-203, 2005. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/123/121. Acesso em: 13 mar. 2019.

LASCOUMES, P.; LE GALÈS, P. Sociologie de l’action publique: domaines et approaches. Paris: Armand Colin, 2012.

MANDELLI, M. T. Correndo atrás de seu projeto de vida: um estudo com participantes do Programa Jovem Aprendiz. Orientadora: Dulce Helena Penna Soares. 2011. 143 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/95446/301943.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 8 mar. 2019.

SGARBI, L. M. C. M.; FERRANTE, V. L. S. B. A lei da aprendizagem: uma solução possível para a questão do trabalho infanto-juvenil. Revista Brasileira Multidisciplinar, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 135-148, jul. 2010. DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2010.v13i1.132. Disponível em: http://www.revistarebram.com/index.php/revistauniara/article/view/132/103. Acesso em: 11 mar. 2019.

MARTINS, S. P. Direito do Trabalho. 28. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

MATSUZAKI, H. H. O desafio da lei do aprendiz: um estudo da aplicação da lei 10.097/00 como política pública na inclusão de jovens no mercado de trabalho. Orientadora: Graziella Maria Comini. 2011. 155 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-01122011-185435/publico/HugoHidemiMatsuzaki.pdf. Acesso em: 10 mar. 2019.

MÁXIMO, T. A. C. de O. Significado da formação e inserção profissional para gerentes e aprendizes egressos do Programa Jovem Aprendiz. Orientadora: Maria de Fátima Pereira Alberto. 2012. 359 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social) – Doutorado Integrado em Psicologia Social, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/tede/6895/1/arquivototal.pdf. Acesso em: 10 mar. 2019.

MENY, I.; THOENIG, J. C. Las políticas públicas. Barcelona: Ariel Ciência Política, 1992.

MINAYO, M. C. S. Introdução: conceito de avaliação por triangulação de métodos. In: MINAYO, M. C. S; ASSIS, S. G.; SOUZA, E. R. (org.). Avaliação por triangulação de métodos: uma abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005. p. 19-52.

MUKAKA, M. M. A guide to appropriate use of correlation coefficient in medical research. Malawi Medical Journal, [S. l.], v. 24, n. 3, p. 69-71, 2012.

MULLER, P. Les politiques publiques. Paris: Presses Universitaires de France, 2010.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Convenção 138: sobre a idade mínima de admissão ao emprego. Genebra: OIT, 1973.

OLESKI, R. J. Histórico da aprendizagem profissional. In: JOSVIAK, M.; BLEY, R. B. (ed.). Ser Aprendiz!: aprendizagem profissional e políticas públicas: aspectos jurídicos, teóricos e práticos. São Paulo: LTR, 2009.

OLIVEIRA, O. de. Trabalho e profissionalização do jovem. In: JOSVIAK, M.; BLEY, R. B. (ed.). Ser aprendiz!: aprendizagem profissional e políticas públicas: aspectos jurídicos, teóricos e práticos. São Paulo: LTr, 2009.

OLIVEIRA, R. V. Momento atual das políticas públicas de qualificação profissional no Brasil: inflexões e desafios. Ariús, Campina Grande, PB, v. 13, n. 1, p. 51-593, 2007.

POCHMANN, M. Juventude em busca de novos caminhos no Brasil. In: NOVAES, R.; VANUCHI, P. Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Perseu Abramo, 2004. p. 217-241.

PRONKO, M. A. A OIT nos primórdios da institucionalização do ensino técnico-profissional. Boletim Técnico do SENAC, [Rio de Janeiro], v. 29, n. 1, 2003. Disponível em: http://www.senac.br/index.php/bts/bts/article/528/451 Acesso em: 15 jun. 2019.

ROESCH, S. M. A. Projetos de estágios e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusões, dissertações e estudos de caso. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. D. P. B. Metodologia de pesquisa. Porto Alegre: Penso, 2013.

SILVA, F. A. da. Oportunidades sociais e o Programa Jovem Aprendiz: uma análise à luz do pensamento de Amartya Sen. Orientadora: Mônica Aparecida da Rocha Silva. 2016. 115 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, 2016. Disponível em: http://repositorio.uft.edu.br/handle/11612/199. Acesso em: 30 mar. 2019.

SIMÕES, A. A. Avaliação de políticas públicas: tipologias e técnicas de análise. Brasília, DF, 2018. Disponível em: http://repositorio.enap.gov.br/bitstream/1/3369/2/Avalia%C3%A7%C3%A3o%20de%20Pol%C3%ADticas%20P%C3%BAblicas%20-%20Slides.pdf. Acesso em: 15 mar. 2019.

SPOSITO, M. P. Breve balanço sobre a constituição de uma agenda de políticas voltadas para os jovens no Brasil. In: PAPA, F. de C.; FREITAS, M. V. de (org.). Juventude em pauta: políticas públicas no Brasil. São Paulo: Peirópolis, 2011.

SUREL, Y. Approches cognitives. In: BOUSSAGUET, L.; JACQUOT, S.; RAVINET, P. Dictionnaire des politiques publiques. Paris: Presses de Sciences Po, 2010. p. 90-97.

TAU. F. Lei do Aprendiz: como anda a política considerada uma das maiores armas contra o trabalho infantil no Brasil. Rede Peteca, [São Paulo], 16 jun. 2017. Disponível em: https://www.chegadetrabalhoinfantil.org.br/noticias/materias/lei-do-aprendiz-como-anda-politica-considerada-uma-das-maiores-armas-contra-o-trabalho-infantil-no-brasil/. Acesso em: 7 mar. 2019.

VELOSO, J. R. P. Aprendizagem: metamorfose de uma política pública de educação e trabalho dirigida à juventude brasileira. Orientadora: Marta Maria Assumpção Rodrigues. 2015. 291 f. Dissertação (Mestrado em Análise de Políticas Públicas) - Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v12i36.2409



Direitos autorais 2020 Fundacao Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. Diadorim - Diretório de políticas editoriais das revistas científicas brasileiras

  2. DOAJ - Directory of Open Access Journals

  3. EBSCO - Information Services

  4. Edubase

  5. Google Scholar

  6. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  7. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  8. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  9. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  10. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  11. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank
  
  

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.