Ativos intangíveis na sociedade do conhecimento e da informação

Juarez Jonas Thives Junior

Resumo


Na nova economia, a geração de valor deixou gradativamente de estar fundamentada primordialmente em ativos físicos ou tangíveis, tais como máquinas, instalações, matéria prima etc. para novos ativos de natureza não-física, denominados ativos intangíveis. A valorização de intangíveis não é propriamente um fenômeno recente. Desde o Século XIX, eles já são considerados marcas, patentes e capital humano. Entretanto, o crescimento da importância dos intangíveis, a partir dos anos 1980s, deve-se a dois fatores: a intensificação da competitividade, acompanhada da desregulamentação e globalização do mercado, bem como das facilidades resultantes do desenvolvimento da tecnologia de informação. O gerenciamento dos ativos intangíveis, ou capital intelectual, é reconhecidamente uma forma eficaz para o desenvolvimento de vantagens competitivas sustentáveis. Estes ativos têm a capacidade de se converterem em vantagem competitiva sustentável. Portanto, as organizações devem alinhar os recursos intangíveis e as suas competências centrais com o seu pensamento estratégico.


Palavras-chave


Economia; Ativos Intangíveis; Conhecimento; Informação

Texto completo:

PDF

Referências


CAVALCANTI, M., GOMES, E.B.P., PEREIRA NETO, A.F., 2001, Gestão de

Empresas na Sociedade do Conhecimento. 2ed. Rio de Janeiro, Editora Campus. DRUCKER, Peter F. Introdução a Administração. São Paulo, Pioneira, 1984.

DRUCKER, Peter. O Espectro da Guerra de Classes. Biblioteca Harvard de Administração de Empresas, in Revista Exame, 19/02/1992.

FLEURY, Maria Tereza Leme; FLEURY, Afonso. Construindo o conceito de competência. RAC, Rio de Janeiro, p. 183-196, 2001. [edição especial].

FRANÇA, Roberto Borges. Avaliação de indicadores de ativos intangíveis: uma proposta metodológica. 2004. 187f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. Administração e contexto brasileiro. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1983.

HERRERO FILHO, Emilio. Balanced Scorecard e a Gestão Estratégica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

KAPLAN, Robert S; NORTON, David P. Mapas estratégicos - Balanced Scorecard: convertendo ativos inatingíveis em resultados tangíveis. Rio de Janeiro: Elsevier Butterworth Heinemann, 2004.

KING, A. W.; FOWLER, S. W.; ZEITHAML, C. P. Competências organizacionais e vantagem competitiva: o desafio da gerência intermediária. Revista de Administração de empresas, vol. 42, nº. 1, p. 1-14, jan/mar, 2002.

MARR, Bernard. ADAMS Chris. The balanced scorecard and intangible assets: similar ideas, unaligned concepts. Measuring bussiness excellence. Vol 8 No. 3, p. 18,27, 2004.

OLVE, Nils-Göran,, ROY, Jan, WETTER, Magnus. Condutores da Performance: um guia prático para o uso do Balanced Scorecard. São Paulo: Qualitymark, 2001.

PRAHALAD, C. K., HAMEL,G. The core competence of the organization. Harvard Bussiness Review, Boston, v.68, n. 3, p. 79-91,1990.

PRAHALAD, C.K. HAMEL, Gary. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Campus, 2005.

QUINN, James Brian. Intelligent Enterprise: A Knowledge and Service Based Paradigm for Industry[M]. New York: The Free Press, 1992.

SCHREIBER, August Th. [et al.]. Knowledge engineering and management: the CommonKADS methodology. USA: MIT Press, 2000.

SULLIVAN, Patrick H. Value-driven Intellectual Capital: How to convert Intangible Corporate Assets into Market Value. New Jersey: Wiley, 2000.

SVEIBY, Karl Erik. A nova riqueza das organizações: gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

THIVES JR, Juarez Jonas. Workflow: uma tecnologia para transformação do conhecimento nas organizações – estudo de caso no Conselho Estadual de Educação de Santa Catarina – CEE/SC. Florianópolis: Insular, 2000.

TOFFLER, Alvin. Powershift: as mudanças do poder. Rio de Janeiro, Record,1998.

WERNKE, Rodney. Identificação de potenciais geradores de intangíveis. 2002. 214f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 RH Visão Sustentável