v. 10, n. 29 (2018)

Revista Meta: Avaliação Maio/Ago.

O volume 10 da Revista Meta: Avaliação, em seu número 29, é composto pelo relato de estudos, pesquisas e reflexões sobre avaliação ou na área da avaliação. Foram várias as preocupações de seus autores, traduzidas por questões iniciais, que nortearão a leitura dos interessados.

Os três primeiros artigos circulam na área de avaliação escolar. Os três seguintes se situam na esfera do ensino superior, enquanto os dois posteriores o fazem em relação à pós-graduação e à avaliação da Capes. Os dois últimos tratam da gestão pública e empresarial, respectivamente.

Quais as especificidades do trabalho realizado pela melhor escola pública municipal do Estado do Ceará e que respondem por um dos melhores Índices de Desenvolvimento da Educação Básica obtidos em 2015, via avaliação nacional externa? Situada entre as cinco melhores escolas do país, o estudo revela que tanto o currículo praticado na escola como o ensino possuem aderência aos resultados das avaliações externas. No entanto, a aprendizagem dos alunos aglutina outros fatores que se encontram associados aos resultados obtidos. Para saber mais, o leitor deve consultar o estudo de Silva e Brasil.

Quais as associações entre alunos considerados em risco por seu nível de compreensão na leitura e fatores relacionados às suas famílias e contextos de vida? Do estudo de Vaz e Martins, participaram 82 alunos portugueses e os resultados revelam quais os fatores de risco mais destacados e que podem servir de indicadores para ações de aperfeiçoamento das práticas voltadas para a melhoria da aprendizagem dos alunos.

Qual o contexto atual e complexo no qual a avaliação da aprendizagem escolar se situa? O estudo de Pinho, Vidal e Silva, parte de uma questão norteadora que busca respostas na perspectiva epistemológica da complexidade, ao considerar as dimensões multifacetadas existentes em cada ser singular e em seu relacionamento com os outros.

O que se “ensina” no Ensino Superior? Este é o título do artigo de Dias et al., ao se voltar para a avaliação de conhecimentos, competências, valores e atitudes em instituições de ensino superior nas áreas de Engenharia Civil, Engenharia Eletrotécnica e Engenharia Mecânica, conforme consta dos perfis de competências traçados para esses cursos, no país. A relação entre o desenvolvimento cognitivo dos discentes e o desenvolvimento emocional e atitudinal faz parte dos resultados do estudo.

Como atender à necessidade de se ter e aplicar um instrumento de avaliação de qualidade para aulas práticas laboratoriais da área da saúde? O processo de construção e validação deste instrumento é apresentado por Bastos, Boller e Prado e tem como foco ser “um instrumento de construção do aprendizado, envolvendo as competências profissionais” dos estudantes, ao mesmo tempo em que, para os docentes, torna-se o “instrumento de registro [...] do conhecimento, habilidades e atitudes dos estudantes, realização de feedbacks e acompanhamento dos fatores de aulas práticas laboratoriais.”

Qual a relação entre o desempenho acadêmico com as características que podem ser observadas e as experiências estudantis dos discentes de uma Graduação em Contabilidade? O estudo de Meurer et al. verifica essa relação em uma instituição de ensino superior pública no Sul do Brasil, aplicando a técnica de regressão múltipla aos dados coletados. Os resultados indicam possibilidades de aperfeiçoamento das práticas de ensino voltadas para o desempenho acadêmico.

Quem avalia o sistema de controle acadêmico de uma universidade para os Programas de Pós-Graduação? Na Universidade de Santa Catarina, o estudo de Machado, Jacobsen e Risssi procedeu a essa finalidade, em busca de aspectos positivos e dos que carecem de aperfeiçoamento, após caracterizar as funcionalidades do sistema de controle acadêmico existente.

Quais os dados que permitem conhecer a última Avaliação Quadrienal da Capes dos Programas da área Interdisciplinar em Engenharia, Tecnologia e Gestão? Quais os critérios aplicados na avaliação desses Programas? Este foi o foco do estudo de Gualhano, Salles e Hora, utilizando as técnicas de mineração de dados que permitiram conhecer os critérios de maior relevância, e de maior impacto na avaliação.

Quais os melhores e piores portais de gestão pública municipal no Brasil? Ao avaliar a transparência da gestão pública em portais de 304 municípios brasileiros, o estudo de Cardoso et al. encontra e divulga os três portais de melhor e os três de pior desempenho. Além disso, o estudo indica os fatores relacionados à funcionalidade dos portais que podem colaborar na melhoria da transparência, beneficiando a sociedade.

Quais seriam as condições impulsionadoras ou não associadas à gestão de custos relativos à organização de empresas de serviços e seu relacionamento com clientes? Inserida no tema gestão de custos interorganizacionais, o estudo de Horn, Bonfatti e Raupp avaliou as circunstâncias favoráveis ou inibidoras dessa prática gestora, dentro de uma empresa de serviços na área de arquitetura. A identificação de fatores condicionantes revela aspectos levantados pela literatura consultada.

Sumário

Estudos e Artigos

Antônia Bruna da Silva, Cássia Karize de Andrade Brasil
PDF
247-268
Paula Marisa Fortunato Vaz, Ana Paula Loução Martins
PDF
269-298
Maria José de Pinho, Rita de Cássia Castro Vidal, Bruno Leite da Silva
PDF
299-317
Diana Dias, Diana Soares, Claisy Marinho-Araújo, Leandro Silva Almeida
PDF
318-337
Fernanda de Andrade Galliano Daros Bastos, Christian Boller, Maria Rosa Machado Prado
PDF
338-360
Alison Martins Meurer, Daiana Rafaela Pedersini, Ricardo Adriano Antonelli, Iago França Lopes, Nayane Thais Krespi Musial
PDF
361-386
Antonio Marcos Machado, Alessandra de Linhares Jacobsen, Mauricio Rissi
PDF
387-416
Mariana Abreu Gualhano, Sérgio Augusto Faria Salles, Henrique Rego Monteiro da Hora
PDF
417-442
Luan Lopes Cardoso, Elisete Dahmer Pfitscher, Fabricia Silva da Rosa, Thuine Lopes Cardoso, Camila Brehm da Costa
PDF
443-472
Bernardo Horn, Talitha Roberta Bonfatti, Fabiano Maury Raupp
PDF
473-501