A Trajetoria das Competencias e Habilidades em Educação no Brasil: das avaliações em larga escala para as salas de aula

Mary Rangel, Marcelo Siqueira Maia Vinagre Mocarzel, Maria de Fatima Barros Pimenta

Resumo


Este estudo tem por objetivo discutir concepcoes e propostas de competencias e habilidades, retomando tambem elementos da avaliação. A partir da analise da implementação do Exame Nacional do Ensino Medio/ENEM, busca-se argumentar sobre a importância de percepcoes criticas e contextualizadas, observando-se que a definicao de competencias e habilidades repercute, nao so no ENEM, como no perfil que se espera do ingressante no ensino superior. Do ponto de vista metodologico, este texto caracteriza-se, entao, como um ensaio teorico, descritivo e argumentativo, recuperando aportes historicos e conceituais, em cuja finalização relativiza-se o descredito em disciplinas e concorda-se com o questionamento à importação de modelos sem um dialogo partilhado com a comunidade educativa. Complementa os aportes teoricos a revisao de algumas pesquisas recentes que, num mesmo periodo, discutiram competencias e habilidades em diversos contextos. Palavras-chave: Competencias. Habilidades. Avaliação. 


Texto completo:

PDF PDF Espanhol

Referências


AFONSO, A. J. Nem tudo o que conta em educacao e mensuravel ou comparavel. Critica à accountability baseada em testes estandardizados e rankings escolares. Revista Lusofona de Educacao, v. 13, p. 13-29, 2009.

BAPTISTA, G. L. As propostas curriculares para a formacao inicial de enfermeiros: aproximacoes e distanciamentos da diretriz curricular nacional. 2012. (Curso de Doutorado em Ciencias Pneumologicas). Faculdade de Ciencias Medicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, 2012.

BRASIL. Exame Nacional do Ensino Medio – ENEM. Documento basico. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Brasilia: INEP, 1999.

BRISTOT, V. M. Desenvolvimento de um modelo de gestao educacional de avaliacao aplicado no ensino medio / tecnico – profissionalizante voltado à melhoria da qualidade na indústria de conformacao de cerâmica. 2012. (Curso de Doutorado em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais). Faculdade de Engenharia, Universidade do rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2012.

CARROLL, J. B. Human cognitive abilities: a survey of fator-analytic studies. Nova Iorque: Cambridge University Press, 1993.

ESTEBAN, M. T. Silenciar a polissemia e inviblizar os sujeitos: indagacoes ao discursos sobre a qualidade da educacao. Revista Portuguesa de Educacao, v. 21, n. 1, p. 5-31, 2008.

FERNANDES, D. Avaliar para aprender: fundamentos, praticas e politicas. Sao Paulo: Editora UNESP, 2009.

GREANEY, V.; KELLAGHAN, T. A avaliacao dos niveis de desempenho educacional. Pesquisas do Banco Mundial sobre avaliacoes de desempenho educacional, v. 1. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

GUBA, E; LINCOLN, Y. Fourth generation evaluation. Londres: Sage, 1989.

MACHADO, N. J. Educacao: competencia e qualidade. Sao Paulo: Escrituras, 2010.

MAYER, J.; SALOVEY, P. O que e inteligencia emocional? In: SALOVEY, P.; SLUYTER, D. J. (Orgs.). Inteligencia emocional na crianca: aplicacoes na educacao e no dia-a-dia. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

MELCHIOR, F. S. Competencias e habilidades linguisticas requeridas em instrumentos avaliativos em larga escala para ingresso no ensino superior. 2012. (Curso de Mestrado em Letras e Linguistica). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goias, Goiânia, GO, 2012.

PERRENOUD, P. Construir as competencias desde a escola. Porto Alegre: Artes Medicas Sul, 1999.

PRIMI, R. et al. Competencias e habilidades cognitivas: diferentes definicoes dos mesmos construtos. In: Psicologia: teoria e pesquisa, v. 17, n. 2, p. 151-159, mai.-ago., 2001.

SACRISTAN, J. G. La pedagogia por objetivos: obsesion por la eficiencia. Madri: Morata, 2009.

SACRISTAN, J.G. A avaliacao no ensino. In:______; PEREZ, G. A. I. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 2007.

SANTOS, M. A. Hacer visible lo cotidiano: teoria y practica de la evaluacion cualitativa de los centros escolares. Madri: Akai, 2008.

SAVIANI, D. A nova lei da educacao: trajetoria, limites e perspectivas. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SIMOES, C. M.; RALHA-SIMOES, H. Triangular conceitos. Desenvolvimento, maturidade, competencia. Lisboa: Edicoes Exlibris, 2015.

SOUZA, T. M. C. Docencia universitaria: representacoes sociais das constituicoes subjetivas. 2012. (Curso de Doutorado em Servico Social). Escola de Servico Social, Universidade Estadual Paulista, Sao Paulo, SP, 2012

TORRES, R. M. Melhorar a qualidade da educacao basica? As estrategias do Banco Mundial. In: TOMMASI, L. de; WARDE, M.; HADDAD, S. (Orgs.). O Banco Mundial e as politicas educacionais. Sao Paulo: Cortez, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v8i22.951



Direitos autorais 2016 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. DOAJ- Directory of Open Access Journals

  2. Edubase 

  3. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  4. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  5. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  6. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  7. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

  8. Google Scholar
  9. REDIBRed Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

 
 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.