A Relação entre Qualidade, Beneficios e Satisfação na Intencao do Uso de AVA por Parte de Alunos de Graduação a Distância

Vanessa Edy Dagnoni Mondini, Gustavo da Rosa Borges, Ricardo Floriani, Maria Jose Carvalho de Souza Domingues, Carlos Eduardo Facin Lavarda

Resumo


O objetivo deste artigo e verificar se a qualidade do sistema e a qualidade da informação em ambientes virtuais de aprendizagem (AVAs) influenciam a satisfação, o uso e os beneficios percebidos por alunos de graduação a distância. Para isto, aplicou-se um questionario baseado no modelo de Carvalho Neto e Takaoka (2010), a 376 alunos de 12 cursos de graduação a distância de uma IES do sul do pais. Os resultados demonstraram que tanto a qualidade da informação, que se refere ao fato de as informações serem confiaveis, exatas, relevantes e atualizadas, quanto a qualidade do sistema, caracterizada pela facilidade de uso, seguranca do sistema, interatividade e layout agradavel, influenciam os beneficios percebidos e a satisfação dos usuarios. Verificou-se que tanto os beneficios percebidos, definidos pelo aumento da performance, agilidade na realização de tarefas e facilitação do processo de ensino, quanto a satisfação, influenciam a intencao do aluno de usar o ambiente virtual.


Texto completo:

PDF PDF Espanhol

Referências


ABED - Associacao Brasileira de Educacao a Distância. ABED comemora consolidacao da Educacao a Distância. Disponivel em: http://www.ead.fiocruz.br/noticias/index.cfm?matid=14277. Acesso em: 29 set. 2014.

ABBAD, G. S.; CORREA, V. P.; MENESES, P. P. Avaliacao de treinamentos a distância: relacoes entre estrategias de aprendizagem e satisfacao com o treinamento. RAM, Rev. Adm. Mackenzie, v.11, no.2, Sao Paulo, 2010.

AFFONSO, S. A. B.; GOMES, L. R. Conhecendo as Estrategias de Aprendizagem Adotadas pelos Alunos dos Cursos de Graduacao Modalidade EaD: reflexoes iniciais. EaD & Tecnologias Digitais na Educacao, v. 1, n. 2, p. 22-31, 2014.

ALFINITO et al., Aplicacoes e tendencias do uso de tecnologias de informacao e comunicacao na educacao superior presencial no Brasil. Brasilia: Universidade de Brasilia, Departamento de Administracao da Faculdade de Economia, Administracao e Contabilidade, 2012.

ARRUDA, D. E. P.; PUENTES, R. V. A docencia no ensino superior: a formacao de professores para atuar com tecnologias na educacao presencial e a distância. Revista Ensino em Re-Vista, Uberlândia, v. 18, n. 2, p. 247-258, jul./ dez. 2011.

BRASIL, Lei nº. 9.394. Lei de Diretrizes e Bases da Educacao Nacional. Estabelece as diretrizes e bases da educacao nacional. Brasilia, DF: Diario Oficial da Uniao, 1996.

CARLINER, S. Course Management Systems Versus Learning Management Systems. American Society for Training and Development. Learning Circuits, 2005.

CARVALHO NETO, S. Dimensoes de qualidade em ambientes virtuais de aprendizagem. 2009. Tese de Doutorado. Universidade de Sao Paulo.

CARVALHO NETO, S; TAKAOKA, H. Dimensoes de qualidade em ambientes virtuais de aprendizagem: estudos de modelo de relacoes entre qualidade da informacao e do sistema, satisfacao, uso e beneficios percebidos por meio da aplicacao de modelagem de equacoes estruturais. ENANPAD - Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, n.34 , p. 431, set. 2010.

DAVIS, F. D. et al. User acceptance of computer technology: a comparison of two theoretical models. Management Science, v. 35, n. 8, 1989.

FRANCISCATO, F. T. et al. Avaliacao dos Ambientes Virtuais de Aprendizagem Moodle, TelEduc e Tidia-ae: um estudo comparativo. RENOTE, v. 6, n. 1, 2008.

GONG, M.; XU, Y.; YU, Y. An enhanced technology acceptance model for web-based

learning. Journal of Information Systems Education, v. 15, n. 4, p.365-374, 2004.

GRANGER, D.; BOWMAN, M. Constructing knowledge at a distance: the learner in context. Handbook of distance education, p. 169-180, 2003.

HAIR, J. F., et al. Multivariate data analysis: a global perspective. 7th ed. Upper Saddle River: Prentice Hall, 2009.

KLERING, L. R.; SCHRÖEDER, C. da S. Desenvolvimento de um ambiente virtual de aprendizagem à luz do enfoque sistemico. Tecnologias de Administracao e Contabilidade, Curitiba, v. 1, n. 2, p. 42-54, 2011.

LAGUARDIA, J.; PORTELA, M. C.; VASCONCELLOS, M. M. Avaliacao em ambientes virtuais de aprendizagem. Educacao e pesquisa, v. 33, n. 3, p. 513-530, 2007.

LIMNIOU, M.; SMITH, M. Teachers’ and students’ perspectives on teaching and learning through virtual learning environments. European Journal of Engineering Education, v. 35, n. 6, p. 645-653, 2010.

MEC. BRASIL. Ministerio da Educacao. Portal da legislacao. Disponivel em: http://www4.planalto.gov.br/legislacao/search?SearchableText=ead. Acesso em 20 out. 2014.

MOORE, M.; KEARSLEY, G. Educacao a distância: Uma visao integrada. Sao Paulo: Thomson Learning, 2007.

MORAES, R.A. Institucionalizacao da EaD nas IES públicas: uma perspectiva historico-critica e emancipadora. In: MILL, D.; PIMENTEL, N. Escritos sobre educacao a distância: desafios contemporâneos sob múltiplos enfoques. Sao Carlos: Edufscar, 2010. p. 319-349.

MOREIRA, J. R.; RIBEIRO, J. B. P. Avaliacao tecnica de usabilidade em forum online de um curso stricto sensu. Pesquisa Brasileira em Ciencia da Informacao e Biblioteconomia, v. 9, n. 1, 2014.

OLIVEIRA, B. M. K. Aceitacao e uso de ambiente virtual de aprendizagem no contexto de um curso de capacitacao para servidores públicos. CCSA - Programa de Pos-graduacao em Administracao UFRN (Dissertacao), 2011.

PEREIRA, A. T. C.; SCHMITT, V.; DIAS, M. R. A. C. Ambientes Virtuais de Aprendizagem em diferentes contextos. Rio de Janeiro: Ciencia Moderna Ltda, p. 2-22, 2007.

PETERS, O. A educacao a distância em transicao. Sao Leopoldo: Editora Unisinos, 2009.

PRENSKY, M. Teaching Digital Natives: partnering for real learning. California: Corwin:, 2010.

RAMOS, A. S. M.; CHAGAS, M. M. Satisfacao e continuidade de uso em um ambiente virtual de Aprendizagem. 10a. Conferencia Internacional sobre Sistemas de Informacao e Gestao de Tecnologia – CONTECSI. Anais... Sao Paulo, 2013.

SANTOS, M. F. S.; OLIVEIRA, M. D. S. Interacao e comunicacao em educacao a distância. Investigacao Cientifica. Santa Cruz, 2011.

SELIM, H. M.. Critical success factors for e-learning acceptance: Confirmatory factor models. Computers & Education. n. 49, p. 396–413, 2007.

SILVA, P. C. D.; SHITSUKA, R.; MORAIS, G. R. Estrategias de ensino/aprendizagem em ambientes virtuais: estudo comparativo do ensino de lingua estrangeira no sistema ead e presencial. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, Sao Paulo, v. 12, 2013.

SUN, P. C. et al. What drives a successful e-Learning? An empirical investigation of the critical factors influencing learner satisfaction. Computers & Education, v. 50, n. 4, p. 1183-1202, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v8i22.893



Direitos autorais 2016 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. DOAJ- Directory of Open Access Journals

  2. EBSCO - Information Services

  3. Edubase

  4. Google Scholar

  5. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  6. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  7. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  8. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  9. REDIB - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

  10. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

 
 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.