A escola como espelho da sociedade: o desempenho escolar em ciencias e afetado pela escola que os estudantes frequentam?

Eveline Borges Vilela-Ribeiro, Anna Maria Canavarro Benite

Resumo


Consideramos como subsidio epistemico que a escola que o estudante freqüenta e socialmente determinada e que o contexto social do aluno influencia seu desempenho escolar em ciencias. A partir disso, investigamos se o estabelecimento de ensino que o estudante frequenta (estadual, federal, municipal ou privado) afeta o seu desempenho escolar em ciencias atraves da analise das medias em ciencias da natureza que 10.077 escolas participantes do ENEM-2012 alcancaram. Analisamos as diferencas entre as escolas Privada x (Estadual + Municipal) e Federal x (Estadual + Municipal) atraves da analise de variância, seguida de teste de comparação planejada. As diferencas entre as esferas Federal x Privada foram testadas a partir de um Teste T. As analises foram feitas no programa SPSS. Os resultados evidenciam que as escolas federais e privadas possuem desempenhos em ciencias similares entre si e melhores que escolas estaduais e municipais. Atribuimos esses resultados às caracteristicas gerais desses estabelecimentos de ensino.

Texto completo:

PDF PDF Espanhol

Referências


AKKARI, A. J. Structural schooling inequalities in Brazil: between state, privatization and decentralization. Educacao & Sociedade, v.22, n.74, 2001.

ALBERNAZ, A.; FERREIRA, F. H. G.; FRANCO, C. Qualidade e equidade na educacao fundamental brasileira. Pesquisa e Planejamento Econômico, v.32, n.3, 2002.

ALMEIDA, A.M.F.; MARTINS, H.H.T.S. Sociologia da educacao. Tempo social, v. 20, n.1, 2008.

AUGUSTO, T.G.S; CALDEIRA, A.M.A. Dificuldades para a implementacao de praticas interdisciplinares em escolas estaduais, apontadas por professores da area de ciencias da natureza. Investigacoes em Ensino de Ciencias, v.12, n.1, p.139-154, 2007.

BEECH, J. A internacionalizacao das politicas educativas na America Latina. Curriculo sem fronteiras, v.9, n.2, p.32-50, 2009.

BLACK, P.; ATKIN, J.M. Changing the subject, innovations in science, mathematics and technology education. London: OECD & Routledge, 1996.

BOURDIEU, P. Escritos de Educacao. Petropolis: Editora Vozes, 1998.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J.C. A reproducao: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2012.

BRASIL. Ministerio da Educacao. Secretaria de Assuntos Estrategicos da Presidencia da Republica. Reestruturacao e Expansao do Ensino Medio no Brasil. Brasilia, 2008.

_____. Lei nº 12.061, de 27 de outubro de 2009. Disponivel em: . Acesso em: 01 de novembro de 2014.

CARNOY, M.; GOVE, A.K.; MARSHALL, J.H. Cuba’s academic advantage: why students in Cuba do better in school. California: Standford University Press, 2007.

CARVALHO, J.J. Acoes afirmativas para negros e indios no ensino superior: as propostas dos NEABs. In: SANTOS, R.E. dos; LOBATO, F. Acoes afirmativas: politicas públicas contra as desigualdades raciais. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p.191-203.

CUNHA, S. Erasmo, Lutero e o Livre-arbitrio. Revista Teologica Discente da Metodista, v.2, n.2, p.53-66, 2014.

DELGADO, A.F.; RABELO, D.; PEREIRA, E.F.O.; MOURA, I.G.S.; SILVA, R.H.R.; SANTOS, W.A. A reforma curricular do ensino medio do CEPAE. Revista Solta a Voz, v.16, n.2, p.109-123, 2005. DELIZOICOV, 2004

DEMO, P. Educar pela pesquisa. Campinas: Autores Associados, 1997.

_____. Escola pública e escola particular: semelhancas de dois imbroglios educacionais. Ensaio avaliacao e politicas públicas, v.15, n.55, p.181-206, 2007.

FOUREZ, G. Crise no ensino de ciencias. Investigacoes em Ensino de Ciencias, v.8, n.2, p.109-123, 2003.

FRANCO, C.; FERNANDES, C.; SOARES, J.F.; BELTRAO, K.; BARBOSA, M.E.; ALVES, M.T.G. O referencial teorico na construcao dos questionarios contextuais do Saeb 2001. Estudos em avaliacao educacional, n.28, 2003.

GENTILI, P. Adeus à escola pública. In: GENTILI, P. Pedagogia da exclusao. Petropolis: Vozes, 1998. p.228-252.

GRIFFITHS, T.G. Las reformas curriculares y la educacion bolivariana: una perspectiva del analisis sistema-mundo. Revista de Educacion y Ciencias Sociales, n.38, p.117-139, 2010.

INEP, Microdados ENEM para download, 2013a. Disponivel em: http://portal.inep.gov.br/basica-levantamentos-acessar. Acesso em 27 de marco de 2013.

_____. Enem. Disponivel em: . 2013b. Acesso em: 27 de marco de 2013.

LOPES, A.C. Curriculo de ciencias no Colegio Aplicacao da UFRJ (1969-1998): um estudo socio-historico. Teias, v.2, n.2, p.1-20, 2000.

_____. Curriculo e epistemologia. Ijui: Unijui, 2007.

MALDANER, O.A. Prefacio. In: ECHEVERRIA, A.R.; ZANON, L.B. Formacao superior em Quimica no Brasil – praticas e fundamentos curriculares. Ijui: Unijui, 2010. p.9-16.

MARQUES, A.E.; BARBOSA, M.C.; MAGALHAES, C.; BARBALHO, M.G.C. Valor contributivo dos colegios de aplicacao em universidades federais: o caso do núcleo de educacao da infância da UFRN. Anais do VIII Simposio de Excelencia em Gestao e Tecnologia, Universidade Federal do Espirito Santo, 2011.

MARTINS, C.B. O que e sociologia. Sao Paulo: Brasiliensis, 1994.

MILLS, C. Transforming the capital that counts: Making a difference for students with cultural capital in the wrong currency. Curriculum Perspectives, v.27, n.3, p.11-12, 2007.

MONLEVADE, J.A.; SILVA, M.A. Quem manda na educacao no Brasil? Brasilia: Idea Editora, 2000.

MORIN, E. A cabeca bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

OLIVEIRA, R. Possibilidades do ensino medio integrado diante do financiamento público da educacao. Educacao & Pesquisa, v.35, n.1, p.51-66, 2009.

ROCHA, F.L. O conceito de servo-arbitrio em Schopenhauer. Critica, v.1, p.1-85, 2004.

SILVA, T.T. A sociologia da educacao entre o funcionalismo e o pos-modernismo: os temas e os problemas de uma tradicao. Em aberto, v.9, n.46, p.3-12, 1980.

SOARES, J.F. O efeito da escola no desempenho cognitivo de seus estudantes. Revista electronica Iberoamericana sobre Calidad, Eficiencia y Cambio em Educacion, v.2, n.2, 2004.

______. Melhoria do desempenho cognitivo dos estudantes do ensino fundamental. Cadernos de Pesquisa, v.37, n.130, p.135-160, 2007.

SOARES NETO, J.J.; JESUS, G.R.; KARINO,C.A.; ANDRADE, D.F. Uma escala para medir a infraestrutura escolar. Estudos em Avaliacao Educacional, v.24, n.54, p.78-99, 2013.

SOUZA E SILVA, J. Por que uns e nao outros? Caminhada de jovens pobres para a Universidade. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003.

ZIBAS, D. A funcao social do Ensino Medio na America Latina: e sempre possivel o consenso? Cadernos de Pesquisa, n.85, p.26-32, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.22347/2175-2753v7i21.835



Direitos autorais 2016 Fundação Cesgranrio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Principios Norteadores para o Avaliador

Guiding Principles for Evaluators American Evaluation Association (AEA)

Com o proposito de guiar o trabalho dos profissionais de avaliacao e assegurar a etica de sua atuacao, a American Evaluation Association (AEA) - Associacao Profissional de Avaliadores - estabeleceu cinco principios norteadores aqui resumidos:

1.  Indagacao Sistematica, no que se refere à capacidade de coletar dados utilizando tecnicas apropriadas e comunicando metodos e abordagens com a devida transparencia para permitir acesso e critica.

2.  Competencia, no que se refere a demonstrar atuacao competente perante os envolvidos no processo avaliativo e desenvolver continuamente sua capacidade para alcancar o mais alto nivel de desempenho possivel.

3.  Integridade/Honestidade, no que se refere a assegurar honestidade e integridade ao longo de todo o processo avaliativo, negociando com os envolvidos e interessados na avaliacao e buscando esclarecer e orientar procedimentos que venham provocar distorcoes ou indevidas utilizacoes.

4.  Respeito pelas pessoas, no que se refere ao respeito pela seguranca, dignidade e auto-valorizacao dos envolvidos no processo avaliativo, atuando sempre com etica profissional, evitando riscos e prejuizos que possam afetar os participantes para assegurar, o melhor possivel, o respeito às diferencas e o direito social de retorno dos resultados, aos envolvidos.

5.  Responsabilidade pelo bem estar geral e público, no que se refere a levar em consideracao a diversidade de interesses e valores que possam estar relacionados ao público em geral,buscando responder nao somente às expectativas mais imediatas, mas tambem às implicacoes e repercussoes mais amplas e, nesse sentido, disseminar a informacao sempre que necessario.

Indexado em:

  1. DOAJ- Directory of Open Access Journals

  2. Edubase 

  3. Latindex -  Sistema regional de informacion en linea para revistas cientificas de America Latina, el Caribe, España y Portugal

  4. OEI - Organizacion de Estados Iberoamericanos (Madri, Espanha, CREDI)

  5. RCAAP - Repositorio Cientifico de Acesso Aberto de Portugal

  6. LivRe! - Portal do CNEN-Comissao Nacional de Energia Nuclear, do Ministerio de Ciencia, Tecnologia e Inovacao

  7. Scopus - A maior base de dados de abstracts e citacao de literatura revisada por pares:periodicos cientificos, livros e anais

  8. Google Scholar
  9. REDIBRed Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

 
 

Scimago

SJR : Scientific Journal Rankings

SCImago Journal & Country Rank

Meta: Aval., Rio de Janeiro, ISSN 2175-2753.